Gestão da Manutenção

Comente 24.06.19 331 Vizualizações Imprimir Enviar
Total Effective Equipment Performance – o que é, para que serve?

Total Effective Equipment Performance: recentemente publicamos aqui no Blogtek, um artigo sobre OEE (Overall Equipment Effectiveness), que é um indicador muito útil pois conjuga a Disponibilidade, a Produtividade e a Qualidade. Qual a diferença entre o OEE e o TEEP? Veremos neste artigo. Leia também o artigo sobre a escolha adequada de indicadores da manutenção. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Total Effective Equipment Performance – fórmula

Como vimos no artigo sobre OEE, já mencionado, o OEE é calculado como:

OEE =  (peças sem defeito) x (Ciclo ideal)/(Tempo programado de produção)

Onde o Ciclo Ideal é o tempo teoricamente requerido para a produção de uma peça. Ainda que esta fórmula seja bem simples, usualmente prefere-se utilizar a fórmula equivalente original:

OEE = Disponibilidade x Desempenho x Qualidade,

Onde:

a Disponibilidade se refere ao tempo em que a máquina está disponível para produzir, DENTRO do tempo programado,

o Desempenho se refere à razão entre o número de peças efetivamente produzidas no tempo disponível (programado – paradas imprevistas), e o número de peças que teriam sido produzidas com a capacidade máxima da máquina,

e Qualidade é a razão entre o número de peças sem defeito sobre o número total de peças produzidas.

A fórmula OEE = Disponibilidade x Desempenho x Qualidade, ainda que matematicamente equivalente a anterior, exige um número maior de cálculos, porém tem a vantagem de individualizar estes três componentes essenciais. De fato, aumentar o OEE em função da Disponibilidade e do Desempenho, porém em detrimento da Qualidade, não é uma boa opção.

O cálculo do TEEP (Total Effective Equipment Performance) agrega um fator a mais nesta fórmula: o fator de utilização.

OEE usa como base o tempo programado para produzir, enquanto o TEEP utiliza como base todo o tempo. O Fator de utilização é a razão entre a produção máxima possível no tempo programado, e a produção máxima no tempo calendário disponível (horas corridas).

TEEP = Disponibilidade x Desempenho x Qualidade x Fator de utilização

Total Effective Equipment Performance – conceito

O OEE é importante para avaliar individualmente cada equipamento, enquanto o TEEP avalia o equipamento dentro do contexto global.

Por exemplo, um equipamento pode estar operando com um elevado OEE, porém ainda assim ser um gargalo na produção. Ao avaliar o TEEP, podemos perceber que este está baixo, ou seja, não está sendo programado para operar em períodos adequados. Talvez valha a pena para a utilização deste equipamento trabalhar com horas extras, ou aumentar o n úmero de turnos.

Total Effective Equipment Performance e OEE– visualização

A figura a seguir ilustra a diferença entre o cálculo do OEE e do TEEP, e quais são os conceitos envolvidos.

TEEP e OEE

Total Effective Equipment Performance

A cada semana, publicamos novos artigos aqui no Blogtek, sobre Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção, e tópicos sobre Liderança e Gestão. Também semanalmente publicamos um vídeo, os quais podem ser acessados em youtube.com/c/Blogtek. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Incoming search terms:

  • quadro comparativo sociedade do japão
  • aaf arvore falhas
  • Arvore de falhas calculo do evento topo
  • curso auditoria comportamental
  • OQUE É I/O PERFORMACE
  • what if ferramentas

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.