Gerenciamento de Projetos

5 Comentários 09.03.14 27010 Vizualizações Imprimir Enviar
Técnica de Incidentes Críticos

Técnica de Incidentes Críticos – também chamada em Inglês de “Incident Recall”, baseia-se, como o nome diz, em avaliar potenciais riscos através de Incidentes Críticos ocorridos anteriormente no sistema, processo ou planta. Mas, como vimos em recente artigo sobre Auditoria Comportamental, na Pirâmide de Bird o nível mais difícil de identificar são os incidentes, por isso o foco na busca dos Desvios Comportamentais. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Técnica de Incidentes Críticos – por que a dificuldade?

A identificação dos incidentes é mais difícil, pois enquanto o nível inferior da pirâmide (Desvios) é verificado através das Auditorias Comportamentais, e o nível superior (Acidentes sem Afastamento) são objeto de registro, os Incidentes dependem de que a própria pessoa envolvida reporte o Incidente.

E por que a resistência em reportar o incidente?

  • Receio (justificado ou não) de sanções disciplinares
  • Preocupação com a reputação
  • Desejo de não interromper a produção
  • Preocupação com a atitude dos demais membros da equipe
  • Pouco entendimento da importância

Técnica de Incidentes Críticos – conceito

É uma técnica qualitativa, para identificar falhas e condições inseguras que podem contribuir para a ocorrência de acidentes reais ou potenciais.

É uma técnica bastante simples, sem a necessidade de técnicas sofisticadas, de baixo custo e rápida aplicação.

São selecionadas pessoas em diversos níveis e funções na empresa, as quais serão entrevistadas para buscar identificar situações de quase acidentes, os quais poderiam ter tido consequências indesejáveis.

O processo de entrevistas pode ser conduzido pelo Gerente ou Supervisor, ou pessoa externa com experiência na condução de entrevistas. Estas entrevistas podem ser feitas de forma individual, face a face, entrevistador e entrevistado, ou podem ser feitas em grupo.

Para que possam ser realizadas em grupo, é necessário que exista a cultura de “não punição”, ou seja, a consciência de que os acidentes podem ser evitados através da prevenção, e que a investigação não busca identificar culpados.

Técnica de Incidentes Críticos – características

Para o sucesso das entrevistas, devemos considerar os seguintes aspectos:

– privacidade nas entrevistas

– adequada seleção de pessoas a serem entrevistadas

– correto dimensionamento do tempo

– deixar o entrevistado à vontade

– explicar o propósito de identificar incidentes

– assegurar o ambiente de “não busca de culpados”

– garantir o perfeito entendimento do incidente (técnicas de ouvir)

– discutir possíveis causas e potenciais ações preventivas / corretivas

– nas desmobilizações de equipes de projeto, ou grupos de parada de manutenção, aplicar a técnica antes da efetiva desmobilização, para que não se perca o conhecimento

Adequadamente utilizada, esta técnica permite a identificação de potenciais riscos, e a adoção de medidas corretivas ou preventivas a tempo de evitar a ocorrência de acidentes.

Breve, publicaremos outros artigos Análise de Risco. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

 

Incoming search terms:

  • Tecnica de incidentes criticos
  • tecnicas de incidentes criticos
  • incidentes criticos
  • tecnica de incidente critico
  • técnica dos incidentes críticos
  • o que é tecnica de incidentes criticos
  • tecnicas dos incidentes criticos
  • tecnica incidente critico
  • tic tecnicas incidentes criticos
  • content

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.