Gerenciamento de Projetos

9 Comentários 25.03.15 3381 Vizualizações Imprimir Enviar
Rotina de prazos e custos estourados

Rotina de prazos e custos estourados… – o título na realidade é uma provocação! Porque o artigo a seguir se refere a atrasos e orçamentos estourados em diversas Obras… na Alemanha!!! Sabemos que há causas diferentes, e também não queremos utilizar o exemplo como justificativa, mas sim analisar quais práticas equivocadas reiteradamente levam, aqui e e no resto do mundo, a estes maus resultados. Você já conheceu algumas obras destas aqui no Blogtek: Opera de Sydney e Boston Big Dig. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Rotina de prazos e custos estourados – contextualização

Me chamou  atenção notícia publicada na página do UOL, relatando prazos estendidos e orçamentos ultrapassados em três obras na Alemanha.

A primeira delas, o prédio para os concertos da Filarmônica de Hamburgo, às marges do Rio Elba.

Outra obra com problemas é a construção do aeroporto de Berlim, construído para substituir os três aeroportos de Berlim, existentes devido à separação então existentes entre Berlim Oriental e Ocidental, até 1989.

E a terceira obra apontada neste artigo como problemática, é o Túnel de Leipzig. Há mais de um século estava prevista a construção de um túnel que a atravessasse de Norte a Sul, subterraneamente, e o projeto foi finalmente aprovado em 2003, com previsão de conclusão ao final de 2009.

A conceituada revista alemã Der Spiegel, em sua versão online, publica:

“Os custos parecem ser compatíveis e os políticos aparentam euforia quando apresentam seus grandes planos, enfatizando como estes projetos irão mudar a região. E, evidentemente não irá tardar muito a estarem concluídos, dizem os políticos… Os políticos estão sempre exultantes em alardear o sucesso dos projetos concluídos, mas quando os problemas afloram durante a fase de construção, poucos assumirão a responsabilidade.”

O texto parece familiar, não???

Rotina de prazos e custos estourados – outras obras

Além dos três projetos mencionados no artigo da UOL, o link da revista Der Spiegel menciona outros cinco :

– Transferência dos escritórios da Agência de Inteligência alemã de Munique para Berlim

– Estação Central de trens em Stuttgart

– Linha Norte-Sul do metrô de Colônia

– Segundo túnel ferroviário de Munique

– Reconstrução do Palácio Stadtschloss em Berlim

A tabela abaixo relata os prazos e custos estimados inicialmente, e as projeções de extensões de prazo e custo.

 

Rotina de prazos e custos estourados

As duas últimas obras mencionadas na tabela, o túnel ferroviário de Munique e a reconstrução do Palácio Stadtschloss, foram iniciadas muito recentemente, não havendo números concretos sobre as extensões de prazo e custos, porém foram incluídas porque as avaliações de peritos apontam para custos e prazos estourados.

Em média, os prazos foram estendidos em 77,5%, e os custos estouraram em 115%.

Em próximos artigos, faremos uma análise gerencial dos motivos que levaram a estes atrasos e custos excedentes.

Estamos sempre publicando artigos sobre Gerenciamento de projetos, Gestão da manutenção, Liderança e Gestão. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

 

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.