Gerenciamento de Projetos

Comente 06.01.20 857 Visualizações Imprimir Enviar
Por que um PMO (Project Management Office)?

Por que um PMO (Project Management Office)? – na gestão de projetos, a existência de um PMO é de suma importância, porém muitas vezes não há, pelo cliente, o correto entendimento do que vem a ser um PMO. O escritório de gerenciamento de projetos (EGP – PMO) não é simplesmente um outsourcing de pessoal para tocar um projeto! Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Por que um PMO – definição de PMO

O PMBOK Guide, sexta edição, define o escritório de gerenciamento de projetos (EGP, ou ainda frequentemente referido como PMO) como uma estrutura organizacional que padroniza os processos de governança relacionados a projetos e facilita o compartilhamento de recursos, metodologias, ferramentais e técnicas. As responsabilidades de um EGP podem variar, desde o fornecimento de funções de apoio ao gerenciamento de projetos até o gerenciamento direto de um ou mais projetos.

Há diferentes tipos de PMO’s:

  • De suporte: fornecem papel consultivo nos projetos, fornecendo modelos, práticas recomendadas, treinamento e lições aprendidas em outros projetos. Esta modalidade de PMO tem baixo nível de controle no projeto.
  • De controle: além de fornecer suporte, exigem a conformidade na adoção de metodologias de gerenciamento de projetos, uso de ferramentas e técnicas específicas e conformidade com práticas de governança. Tem médio controle no projeto.
  • Diretivo: assumem o controle dos projetos através de gerenciamento direto. Tem alto nível de controle no projeto.

Por que um PMO – operações e projetos

Para melhor entender a necessidade e as funções de um PMO, é importante ter bem claro a diferença entre projetos e operações.

O gerenciamento de operações é uma área do gerenciamento preocupada com a produção contínua de mercadorias e/ou serviços, de forma eficiente através do uso dos melhores recursos necessários para atender às exigências dos clientes.

Por outro lado, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Os projetos e as operações diferem, principalmente, no fato de que os projetos são temporários e exclusivos, enquanto as operações são contínuas e repetitivas.

Portanto, depreende-se que os conhecimentos e habilidades para atuar nestas duas áreas, operações e projetos, são bem distintas.

Todo negócio, empresa, organização, TEM que ter uma estrutura própria para conduzir operações, posto que esta é a atividade fim da empresa ou negócio. Não obstante, não necessita ter uma equipe, seja ela própria ou contratada, para gerenciar projetos.

Eventualmente, uma empresa que lide constantemente como novos projetos, como Petrobras, NASA, empresas do ramo imobiliário, empresas de energia, podem ter de forma constante um PMO, seja qual nome tenha, ou seja, uma estrutura, própria ou contratada, para gerenciar projetos. Isto se reflete na estrutura Organizacional da empresa.

Por que um PMO – características

Por terem características totalmente diferentes de operações, no gerenciamento de projetos o PMO deve aportar habilidades bem específicas, dentre as quais destacamos (mas não limitadas a):

Definição de escopo (leia mais em: Correta definição de escopo, Cuidado com as querências, A importância do Congelamento do Escopo).

Adequado planejamento (consulte: 14 pontos para um bom cronograma, Boas práticas para cronogramas, Prazos estourados, Workface Planning).

Gerenciamento de riscos (leia em: Gestão de riscos, Análise qualitativa de riscos, Análise Quantitativa de riscos de prazo, Análise quantitativa de riscos de custo).

Administração Contratual (veja também: EPC x EPCM, Pleitos, Estratégia de Contratação, Contratos FIDIC, Contratos NEC, BOOT).

Todas estas áreas têm um repertório de conhecimentos muito específico, portanto o PMO não é apenas um fornecedor de mão de obra, é necessário aportar habilidades e competências próprias.

Porém, a contratação desta expertise resulta inócua, se não for dado o devido empoderamento às atividades do PMO.

Uma área que é tipicamente de projetos, por suas características de esforço único, temporário, porém que tem forte vínculo com Operações é a área de gerenciamento de paradas de manutenção. Nas indústrias, o setor de planejamento de paradas atua na prática como um PMO especializado em paradas de manutenção.

A cada semana, publicamos novos artigos aqui no Blogtek, sobre Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção, e tópicos sobre Liderança e Gestão. Também semanalmente publicamos um vídeo, os quais podem ser acessados em youtube.com/c/Blogtek.  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Incoming search terms:

  • dinamica para trabalho na construção civil

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.