Gerenciamento de Projetos

Comente 02.12.19 213 Vizualizações Imprimir Enviar
Por que boas estratégias falham?

Por que boas estratégias falham? Um tema frequente aqui no Blogtek é a questão do Planejamento Estratégico (Planejamento Estratégico, 10 escolas de Planejamento Estratégico, Planejamento de Cenários, Missão e Visão). E certamente todo gestor está inteirado do assunto, então, por que boas estratégias falham? Faço aqui alguns comentários sobre um paper do PMI, repercutido pela revista The Economist. Como sempre, por respeito aos direitos autorais, menciono que aqui faço comentários, porém recomendo a leitura completa do artigo aqui. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Por que boas estratégias falham? Implementação…

O artigo aborda uma pesquisa feita com um expressivo número (587) de executivos C-Level (CEO, CFO, COO, CIO…), a maioria atuante em empresas com faturamento superior a 1 bi de US$ anuais.

E o resultado da pesquisa aponta que o diferencial competitivo de êxito das empresas não está propriamente na formulação de estratégias adequadas, e sim, na implementação destas estratégias (88% dos respondentes apontaram isto). Porém, apenas 56% apontaram sucesso na implementação destas estratégias. E, sem nenhuma surpresa, as empresas que lograram implementar as estratégias delineadas no Planejamento Estratégico são as que apresentaram melhores resultados.

Por que boas estratégias falham? Executivos C-level…

Há algum tempo, publicamos aqui no Blogtek o artigo “Conciliar talentos e habilidades – a difícil arte de liderar”, em que abordamos os chamados Papéis de Belbin. Belbin propõe a existência de nove tipos de comportamento, divididos em três grupos: Líderes, Construtores e Criadores. Posteriormente, para evitar alguma leitura equivocada e pejorativa, passou a chamar os três grupos de Orientados para Pessoas, Orientado para Ação, Orientados para Pensamentos.

Não é uma condição necessária, porém obviamente muitos executivos C-level pertencem ao grupo de Líderes, ou, Orientados para Pessoas. E é uma característica deste grupo não ter muita consistência na execução, ao contrário dos Construtores (Orientados para Ação).

Portanto, muitos executivos C-level desenvolvem as estratégias, porém não acompanham adequadamente as ações para a implementação destas estratégias, dando origem às falhas de implantação de boas estratégias.

Por que boas estratégias falham? Percepção das ações

O gráfico a seguir ilustra a percepção das ações concernentes à estratégia. Observem que 40% dos executivos entendem que formular as estratégias é Essencial, porém 45% entendem que executar adequadamente estas estratégias é essencial.

Por que boas estratégias falham?
Por que boas estratégias falham?

Outro ponto que me chamou a atenção é o fato de que, relativo a Lições Aprendidas, 18% entendem como Essencial aprender com estratégias vitoriosas, enquanto que 27% acham mais importante aprender com as estratégias fracassadas.

Isto consolida um pensamento corrente na cultura organizacional, é bom aprender com os erros, porém é melhor ainda aprender com os erros alheios.

A cada semana, publicamos novos artigos aqui no Blogtek, sobre Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção, e tópicos sobre Liderança e Gestão. Também semanalmente publicamos um vídeo, os quais podem ser acessados em youtube.com/c/Blogtek.  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Incoming search terms:

  • 3 p da
  • ameaças e oportunidades de um negócio

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.