Liderança e Gestão

5 Comentários 01.03.16 3038 Vizualizações Imprimir Enviar
O jogo do Ganha-ganha e a Gestão

O jogo do Ganha-ganha e a Gestão: a ideia que se tem de um jogo, é que quando um ganha, o outro perde. Mas não precisa ser assim. Há jogos em que todos ganham. Mas não será apenas força de expressão? Como introduzir este conceito em nossas equipes?  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

 

 

O jogo do Ganha-ganha e a Gestão: ganhar x perder é um conceito arraigado

Desde os tempos ancestrais, na luta (no sentido exato da palavra) pela sobrevivência, na caça, na busca do poder, o conceito é de que onde há um ganhador há um perdedor. Mesmo no Esporte, dignificado pela máxima do Barão de Coubertin, reintrodutor dos Jogos Olímpicos na Modernidade, apesar da máxima: “O importante não é vencer, é competir”, continua havendo vencedores e vencidos.

O jogo do Ganha-ganha e a Gestão: frescobol

O jogo do Ganha-ganha e a Gestão: frescobol

Talvez o único “esporte” em que este sentido não existe é o nosso bom frescobol carioca, cuja criação é atribuída ao grande pensador, escritor, humorista e filósofo Millôr Fernandes (veja aqui algumas de suas brilhantes frases), o qual sobre o frescobol declarou: “O Frescobol foi um esporte que cheguei a jogar bastante bem. Esporte maravilhoso, praticado à beira mar – os participantes quase nus – de tempo em tempo interrompido por um mergulho refrescante, o Frescobol é elegante e dinâmico o tempo todo, beneficiando-se ainda da sorte inaudita de nunca nenhum idiota ter tido a ideia de lhe traçar normas, aferir pontos – permanece até hoje uma atividade pura. Há competição, mas não formalizada, pontificada. Não há vencidos nem vencedores. Portanto sem possibilidade de violência. Segue meu princípio; “O importante é nem competir.”, diferente do conceito hipócrita do Conde de Coubertin: “O importante é competir”.

 

O jogo do Ganha-ganha e a Gestão: a teoria dos jogos

O jogo do Ganha-ganha e a Gestão: John Nash

O jogo do Ganha-ganha e a Gestão: John Nash

Um dos principais teóricos da Teoria dos Jogos é o brilhante matemático John Forbes Nash, recentemente falecido em acidente de carro (New Jersey, 23 de maio de 2015); esquizofrênico, prêmio Nobel de 1994 por suas contribuições à teoria econômica através dos conceitos da teoria dos jogos, personagem principal do filme “Uma mente Brilhante”, estrelado por Russell Crowe, filme ganhador do Oscar em 2002.

Um dos mais estudados jogos denomina-se o “Dilema do Prisioneiro”:

Dois ladrões, Antônio e Bernardo, são presos, acusados de um mesmo crime, apesar da polícia não ter provas conclusivas contra nenhum dos dois. O delegado adota a seguinte tática: separados e incomunicáveis, o delegado lhes oferece uma proposta. Cada um tem a decisão de confessar o crime ou entregar o outro. Se ambos confessarem, ambos ficarão presos por um ano. Se ambos entregarem um ao outro, ambos terão uma pena de 5 anos. Mas se um entregar o outro, e outro confessar, o dedo-duro (que entregou o outro) é libertado, e o que confessou é condenado a dez anos. A situação pode ser resumida no quadro abaixo:

O jogo do Ganha-ganha e a Gestão: Dilema do Prisioneiro

O jogo do Ganha-ganha e a Gestão: Dilema do Prisioneiro

Se ambos confessarem o crime, terão uma pena de um ano cada, que seria a melhor situação. No entanto, como eles não sabem o que o outro irá fazer, irão pensar “Eu confesso, mas se o outro me entregar, estou ferrado! ”, porque sabe que neste caso o outro será libertado e ele irá amargar dez anos de cadeia. Então, a tendência é de ambos entreguem um ao outro. Na melhor das hipóteses, será libertado, ou na pior das hipóteses, cumprirá cinco anos de cadeia.

A menos que tenham lido este artigo, ou tenham estudado Teoria dos Jogos…neste caso, saberão que cada um confessar é a típica relação Ganha-Ganha…

O jogo do Ganha-ganha e a Gestão: para desenvolver a percepção

Um jogo interessante para desenvolver a visão do Ganha-Ganha em sua equipe (pode ser utilizado em um momento de Team Building) é o seguinte:

Divida a equipe em grupos de quatro pessoas (exatamente quatro). Cada participante terá dois cartões, um com a letra X, outro com a letra Y. A cada rodada, a um sinal determinado, cada participante exibe ou o cartão X, ou o cartão Y, e cada grupo receberá a pontuação conforme tabela abaixo, a qual mostra a pontuação individual e a pontuação do grupo. Ao final de dez rodadas, o grupo campeão será aquele que tem maior número de pontos:

O jogo do Ganha-ganha e a Gestão: desenvolvendo a percepção

O jogo do Ganha-ganha e a Gestão: desenvolvendo a percepção

Observe que avaliando individualmente, geralmente o Y perde pontos, mesmo quando ganha, cada um ganha apenas um ponto. Porém em equipe, note que a primeira configuração rende 4 pontos negativos para o grupo, as três configurações intermediárias não auferem pontos para o grupo, e APENAS a última configuração (todos Y) dá 4 pontos ao grupo.

A ideia de fazer dez rodadas é permitir às equipes identificarem qual a melhor estratégia. Se você formar grupos com pessoas refratárias, verá que estes grupos levaram mais rodadas para se darem conta disto!

Estamos sempre publicando artigos sobre Liderança e Gestão, Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

 

 

 

 

 

Incoming search terms:

  • o barão de coubertin - millor Fernandes
  • o que é ganha ganha jogo
  • autor do conceito de que quando um ganha outro tem que perder
  • ganha ganha conceito
  • jogo do ganha ganha
  • teoria pra ganhar no jogo

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.