Menu

Modelo de mudança organizacional de Lewin – Descongelar – Mudar – Congelar

Stonner Comente 09.07.18 1383 Vizualizações Imprimir Enviar

Modelo de mudança organizacional de Lewin – há muito que as organizações reconheceram que o imobilismo leva à morte, que vivemos em um mundo em constante mudança. Porém, é necessário saber conduzir as mudanças organizacionais, e para isto existe o chamado Modelo de mudança organizacional de Lewin, pois a mudança sem critério também é prejudicial.  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Modelo de mudança organizacional de Lewin – Descongelar – Mudar – Congelar

Kurt Lewin foi um psicólogo alemão (1890-1947), que fugiu da Alemanha em 1933, por ser judeu, e se radicou definitivamente nos Estados Unidos. Se especializou em psicologia social. Um de seus trabalhos mais difundidos é a teoria do campo psicológico, porém iremos abordar aqui o modelo proposto por Lewin para o gerenciamento de mudanças.

Em sua abordagem mais simples, como exemplo, imaginemos um cubo de gelo ao qual se queira dar uma outra forma, por exemplo, piramidal. Obviamente, o primeiro passo é descongelar o cubo de gelo. A massa de água obtida é amorfa, porém moldável, adaptável a qualquer recipiente. Esta seria a fase de mudança. Porém, após se realizar a mudança, é necessário que esta mudança se consolide, o que seria obtido congelando o novo formato.

Portanto, o modelo de mudança organizacional de Lewin é também conhecido pelas etapas Descongelar – Mudar – Congelar (Unfreeze – Move – Freeze).

Modelo de mudança organizacional de Lewin – Descongelar

Modelo de mudança organizacional

Modelo de mudança organizacional – descongelar

Usualmente as pessoas são avessas a mudanças, por isso é necessária esta fase denominada “Descongelar”. É preciso evidenciar para a equipe que muitos processos estão ineficazes, que há outras tecnologias, que muitas atividades são executadas por força do hábito. Isto é necessário para que as pessoas se deem conta da necessidade de mudanças. Idealmente, a equipe deveria se conscientizar de que sem mudanças, a organização irá acabar, os seus empregos e posições irão desaparecer, para que seja criado o ímpeto da mudança.

Mas o gestor não deve apenas ficar no discurso de que “Temos que mudar”, sem estabelecer metas e prazos. Prazos (deadlines) são importantes para criar o senso de urgência, evitar a procrastinação (leia mais em Síndrome do Estudante). É requerida motivação para a mudança.

Passos para descongelar:

  1. Você conhece os processos de sua empresa ou projeto? Avalie-os, veja quais são ineficazes.
  2. Use as ferramentas de Análise das Partes Interessadas para identificar quem e como serão afetadas. É fundamental o suporte da alta administração.
  3. Mostre a equipe o “porquê” da necessidade de mudança. Esclareça as dúvidas, esteja presente.

Modelo de mudança organizacional de Lewin – Mudar

Modelo de mudança organizacional

Modelo de mudança organizacional – mudar

Criada a conscientização da necessidade de mudança, é hora de agir. Hora de Mudar. É um período de incerteza e receio, a etapa mais difícil de ser vencida. Treinamento, motivação, suporte e visibilidade gerenciais são vitais. As pessoas terão que conhecer as novas estruturas, os novos processos, haverá uma curva de aprendizagem, certamente cometerão erros… o ambiente aparentemente caótico por algum tempo é um preço a pagar pela mudança.

A análise do campo de forças, conceito também criado por Kurt Lewin, e já abordado aqui no Blogtek (acesse o link), irá auxiliar nesta etapa. Esta análise irá identificar quais são as forças direcionadoras, e quais são as forças restritivas, e de que forma aumentar e valorizar as forças direcionadoras, e minimizar as forças restritivas.

Passos para mudar:

  1. Mostre os benefícios e conquistas advindos da mudança. Deixe claro como irão ocorrer as mudanças.
  2. Gerencie de mediato os problemas que surgirem. Esclareça as dúvidas da equipe.
  3. Incentive a participação, os questionamentos, o “pensar fora da caixa”.
  4. Procure identificar e divulgar os “quick wins”(rápidos resultados).

Modelo de mudança organizacional de Lewin – Congelar

Modelo de mudança organizacional

Modelo de mudança organizacional – congelar

A mudança só será efetiva se atingir um patamar de estabilidade. Alguns autores se referem a tornar-se permanente, porém julgo este termo inadequado, pois mais a frente haverá novas necessidades de mudança. Entendo mais aplicável neste conceito os versos de Vinicius de Moraes: “…que seja infinito enquanto dure, mas não imortal, posto que é chama…”.

Justamente pela necessidade de se atingir a estabilidade é que, apesar de Lewin ter usado o termo “congelar” (freeze), alguns autores usam o termo “recongelar” (refreeze), para simbolizar um novo passo.

Portanto, as novas estruturas, os novos processos, as novas práticas devem ser aceitas e reforçadas, para que não se retorne aos padrões antigos.

Passos para mudar:

  1. Padronize as mudanças, estabeleça regras definitivas (definitivas até a próxima mudança, mas que sejam claras agora).
  2. Estimule o feedback. Estabeleça recompensas e reconhecimento.
  3. Dê suporte em treinamento.

 A cada semana, publicamos novos artigos aqui no Blogtek, sobre Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção, e tópicos sobre Liderança e Gestão. Também semanalmente publicamos um vídeo, os quais podem ser acessados em youtube.com/c/Blogtek. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

 

Incoming search terms:

  • metodo de mudança kurt lewin
  • modelo de descongelamento por Lewin
  • modelo de lewin

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

Liderança e Gestão

Elogio ou esporro: qual mais eficaz?

Comente Stonner 12.11.18
Gestão da Manutenção

Manutenção prescritiva – o que significa?

1 Comentário Stonner 22.10.18
Gerenciamento de Projetos

Fatores de produtividade no planejamento

Comente Stonner 15.10.18
Liderança e Gestão

Gemba, ou, em bom Português, TBC!

1 Comentário Stonner 02.10.18
Liderança e Gestão

O efeito Dunning-Kruger: a arrogância dos incapazes

Comente Stonner 24.09.18

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

85 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

63 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

45 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2018 Blogtek.