Liderança e Gestão

7 Comentários 04.05.15 25695 Vizualizações Imprimir Enviar
O modelo 7S de McKinsey – ferramenta de avaliação empresarial

O modelo 7S de McKinsey – avaliação empresarial: todo empreendedor ou gestor precisa saber se sua empresa está adequadamente estruturada para atingir seus objetivos. Há diversas ferramentas para tal (já abordamos aqui no Blogtek a “Análise SWOT”), e uma das que vem se mantendo como uma opção de excelência, ao longo dos anos, é o modelo 7S de McKinsey.  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

O modelo 7S de McKinsey – origem

O modelo 7S foi desenvolvido nos anos 70/80 pelos consultores Tom Peters, Robert Waterman e Julien Philips, àquela época consultores da McKinsey, de onde advém o nome. É uma das ferramentas mais utilizadas para avaliação empresarial, juntamente com as 5 Forças de Porter e a Análise SWOT. O nome 7S é oriundo da abordagem de sete aspectos da Organização, todos eles iniciados com a letra S (em Inglês). Estes sete fatores são divididos em Soft S e Hard S, conforme sua tangibilidade. Os Hard S são: Strategy (Estratégia), Structure (Estrutura) e Systems (Sistemas). Os Soft S são: Skills (Habilidades), Staff (Equipe), Style (Estilo – no caso, estilo de liderança, governança) e Shared Values (Valores Compartilhados, ou simplesmente, Valores da Empresa). Todos estes elementos se inter-relacionam, conforme o esquema a seguir.

O modelo 7S de Kinsey - interrelações

O modelo 7S de McKinsey – interrelações

O modelo 7S de McKinsey – Processo

O significado destes 7S delineados no modelo 7S de Kinsey está descrito a seguir:

Strategy – o plano para construir e manter a vantagem competitiva no mercado

Structure – a forma em que a Organização está estruturada, os níveis organizacionais existentes, estrutura de poder e comando.

Systems – os sistemas de suporte à gestão, tais como sistemas de informação, comunicação, relatórios financeiros, ERP (Enterprise Resource Planning)

Shared Values – são os valores centrais da empresa, os quais definem o comportamento empresarial, seu relacionamento com as partes interessadas.

Style – a forma de liderança adotada na Organização.

Staff – a quantidade e perfil dos empregados da Organização.

Skills – as habilidades e competências dos empregados da Organização.

O modelo 7S de Kinsey permite definir o estado atual da empresa, nestas sete áreas definidas, e construir o processo de avanço e amadurecimento da empresa, seguindo a sequência abaixo.

O modelo 7S de McKinsey – etapas do processo

O modelo 7S de McKinsey – fluxo do processo

Para definir o estado atual, e vislumbrar as necessidades para o estado futuro, a equipe de análise deve fazer (e responder) alguns questionamentos em cada uma destas áreas, alguns deles representados a seguir:

O modelo 7S de McKinsey – questões

Fazendo estes questionamentos (e outros, conforme as necessidades) em cada uma das áreas S, as respostas obtidas permitirão identificar as lacunas existentes entre o estado atual, e o estado desejado, possibilitando a criação de um plano de ação para evolução.

Estamos sempre publicando artigos sobre Liderança e Gestão, Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

 

Incoming search terms:

  • Modelo Macknisey
  • modelo 7S
  • 7s de mckinsey
  • 7s mckinsey
  • sete s swot
  • https://blogtek com br/modelo-7s-kinsey-ferramenta-avaliacao-empresarial/
  • modelo mckinsey
  • modelo de 7s
  • modelo de mckinsey
  • modelo dos 7s

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.