Gerenciamento de Projetos

5 Comentários 06.03.13 7240 Vizualizações Imprimir Enviar
Metodologia para a Tomada de Decisões – parte 2 – AHP

No post anterior, a empresa XPTO tem três diferentes projetos possíveis, e deverá escolher um para ser implantado. Vimos a aplicação da metodologia AHP – Analytical Process Hierarchy – ao priorizarmos os três diferentes projetos com relação aos critérios estabelecidos para escolha, Sustentabilidade, Contribuição para a Marca, Conteúdo Local e VPL (Valor Presente Líquido). Iremos agora ver como priorizar os critérios estabelecidos, entre si, e como fazer a escolha final, do Projeto que melhor atende às necessidades da Empresa.

No próximo post sobre Metodologia para a Tomada de Decisões, iremos abordar a Árvore de Decisão. Para ser notificado da publicação, cadastre seu e-mail no topo do Blogtek, à direita. Seu e-mail NÃO será usado por terceiros.

O método AHP – Exemplo Prático – Priorização dos Critérios

Já temos a priorização de cada projeto segundo os critérios considerados. Há que se avaliar agora qual o grau de prioridades entre os critérios. Como são 4 critérios, serão 6 pares de comparação (matematicamente, isto equivale  combinações de 4 elementos, dois a dois).

O Comitê Decisor avalia que:

VPL é 2 vezes mais importante do que Contribuição para a Marca.

VPL é 3 vezes mais importante do que a Sustentabilidade.

VPL é 7 vezes mais importante do que o Conteúdo Local.

Contribuição para a Marca é 2 vezes mais importante que a Sustentabilidade.

Contribuição para  Marca é 5 vezes mais importante que o Conteúdo Local.

Sustentabilidade é 3 vezes mais importante que o Conteúdo Local.

A partir destas comparações de pares de critérios, podemos montar a seguinte matriz:

Figura 11 Critérios I

Iremos mais uma vez obter o chamado vetor de Eigen, o qual será o vetor de priorização entre critérios. Para tanto, iremos acrescentar uma coluna com a média geométrica dos valores computados em cada linha (agora são quatro valores, logo será a raíz quarta do produto dos quatro valores). Na próxima coluna, iremos ponderar os quatro valores obtidos em relação ao total, ou seja, obter os percentuais de cada critério na prioridade global:

Figura 12 Critérios II

 

Podemos então visualizar a matriz de priorização dos projetos segundo os critérios estabelecidos, simplesmente colocando em cada coluna os respectivos vetores de Eigen:

Figura 13 Projetos-critérios

 

E considerando os pesos relativos de cada critério:

Figura 14 Critérios - prioridade relativa

 

Teremos, para cada Projeto, a seguinte ponderação Critério x Prioridade (pode-se perceber que o resultado abaixo nada mais é senão o produto das duas matrizes):

Projeto 1: 0,717*0,162 + 0,128*0,288 + 0,122*0,060 + 0,321*0,490 = 0,318

Projeto 2: 0,205*0,162 + 0,596*0,288 + 0,230*0,060 + 0,429*0,490 = 0,429

Projeto 3: 0,078*0,162 + 0,276*0,288 + 0,648*0,060 + 0,250*0,490 = 0,253

Portanto, verifica-se claramente que considerando as priorizações relativas aos critérios, e a priorização entre os critérios, claramente o Projeto a ser escolhido é o Projeto 2.

Apesar de um pouco trabalhoso, o método AHP pode ser bastante simplificado com o uso do Excel, permitindo chegar à melhor decisão sem o viés da subjetividade. Ou pelo menos, restringindo a subjetividade à priorização dos critérios.

Cuidados na utilização do método:

O principal cuidado reside na escolha dos critérios. Devem ser critérios importantes para a seleção, com características marcadamente diferentes. Por exemplo, no caso acima, um critério de Responsabilidade Social não agregaria muito valor, pois pode-se considerar a Responsabilidade Social como um dos componentes da Sustentabilidade.

Outro cuidado é com a quantidade de critérios. Como o método faz a comparação aos pares, se temos n critérios, o número de pares será dado por combinação de n elementos dois a dois, ou seja, n(n-1)/2. Por isto, temos para três critérios A, B e C, três comparações de pares AB, AC e BC. Já para quatro critérios A, B, C e D, teremos seis comparações de pares AB, AC, AD, BC, BD e CD. Para 5 critérios, teríamos 10 comparações de pares. Dá para perceber que dificilmente o método AHP será utilizado na apuração do resultado dos desfiles das Escolas de Samba!!!!

Exemplo adicional:

Para optar entre a aquisição de um Hyundai i30, um Toyota Corolla e um Honda Civic, considere:

Os critérios a serem utilizados são: Consumo (km/l), Preço de aquisição (R$) e Estilo (qualitativo).

O preço de aquisição (dados fictícios) é de:

R$ 64 mil para o i30, R$ 72 mil para o Corolla, R$ 75 mil para o Civic.

O consumo de cada um é (dados fictícios):

10 km/l para o i30, 11 km/l para o Corolla, 10,5 km/l para o Civic

O estilo do i30 é 3 vezes melhor que do Corolla.

O estilo do i30 é 2 vezes melhor do que o Civic.

Os estilos do Civic e Corolla são equivalentes (lembre-se que para dados qualitativos não preciso ser totalmente consistente).

Como agora tenho 3 critérios, haverá três pares de comparação (serão as combinações de três critérios, dois a dois):

O Valor de aquisição é 3 vezes mais importante que o Estilo

O Valor de aquisição é 2 vezes mais importante que o Consumo.

O Consumo equivale em importância o Estilo.

Com base nestes dados, qual veículo você irá adquirir?

Cuidado: No exemplo dos três projetos, o maior VPL é o mais desejável. No caso do Valor de aquisição, o mais baixo é o desejável, e no caso do Consumo, como está medido em km/l, o maior é o desejável. Pense nisto ao montar as matrizes.

Para ser informado da publicação da solução, cadastre seu e-mail no topo do Blogtek, à direita. Seu e-mail não será utilizado por terceiros.

 

 

Incoming search terms:

  • exemplos de ahp
  • ahp exemplos
  • AHP SOLUÇÃO NO EXCEL
  • ahp tomada de decisão
  • blogtek priorização de projetos
  • EXCEL MATRIZ AHP
  • excel tomada decisao entre projetos
  • exemplo critérios método AHP
  • introducao AHP tomada de decisao exemplo
  • metodo AHP exemplo

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.