Menu

Matriz de Boston – Inteligência de Mercado

Stonner 13 Comentários 13.04.15 4467 Vizualizações Imprimir Enviar

Matriz de Boston – ferramenta de Inteligência de mercado: independentemente de sua posição na empresa, como gestor você pode ter que participar de decisões relativas a produtos e seus respectivos mercados, então convém conhecer esta ferramenta, assim chamada por ter sido desenvolvida pelo Boston Consulting Group, razão pela qual também é conhecida como Matriz BCG, B-Box, Matriz de Portfólio. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Matriz de Boston – contextualização

Esta ferramenta foi desenvolvida nos anos 70, e se tornou extremamente popular, juntamente com a Análise SWOT, já abordada aqui no Blogtek.

Atualmente, esta Matriz tem sido criticada por não ser muito adequada para produtos de ciclo de vida extremamente rápidos, comuns nos produtos atuais. Mesmo assim, vale conhecer esta ferramenta, ainda que com esta ressalva.

Basicamente, a Matriz de Boston é construída na forma de 4 quadrantes, formados por dois eixos: “Participação no Mercado” e “Crescimento do Mercado”.

Participação no Mercado reflete a porcentagem da receita ou volume de vendas que sua organização detém no mercado, relativamente a um determinado produto.

Crescimento do Mercado é o crescimento da receita ou das vendas de um determinado produto, ao longo do tempo.

Matriz de Boston

Matriz de Boston

Matriz de Boston – Estrelas

Neste quadrante estão situados produtos com alta participação no mercado, mercado este em grande crescimento. Tipicamente estes produtos requerem fortes investimentos, porém apresentam levados retornos.

Na medida em que o mercado se estabiliza, os produtos que conseguiram firmar sua posição no mercado tendem a se transformar em Vacas Leiteiras, e os demais se transformam em Abacaxis.

Por exemplo, em seu lançamento, medicamentos para a ereção, tais como Viagra e Cialis, eram Estrelas, e hoje são Vacas Leiteiras.

O videogame Master System foi uma Estrela, tornou-se uma Vaca Leiteira, e hoje é um Abacaxi. Neste caso, o ciclo foi acelerado pelos ciclos de vida de produtos eletrônicos cada vez mais curtos.

Matriz de Boston – Pontos de Interrogação

Neste quadrante estão situados produtos com baixa participação no mercado, mercado este em grande crescimento. Tipicamente estes produtos requerem fortes investimentos, porém retorno muito baixos ou nulos. Dependendo como estes produtos se firmam no mercado, podem se tornar Estrelas ou Abacaxis.

Um exemplo que os leitores um pouco mais velhos podem se lembrar, é a disputa de mercado dos aparelhos de reprodução de videocassetes: o sistema VHS, desenvolvido inicialmente pela Panasonic, e o sistema Betamax, desenvolvido pela Sony.

Apesar de, sob o ponto de vista técnico, o sistema Betamax ser superior, a Panasonic universalizou o uso, enquanto a Sony perseguia o uso monopolístico, pela Sony, do sistema. Venceu o sistema VHS. No primeiro momento, ambos eram Pontos de Interrogação, mas o sistema VHS tornou-se uma Estrela, depois uma Vaca Leiteira, e posteriormente com o advento do DVD, tornou-se um Abacaxi. Já o sistema Betamax por não ter conseguido a primazia do mercado, tornou-se logo depois um Abacaxi.

Matriz de Boston – Vacas Leiteiras

Este quadrante corresponde a produtos com alta participação no mercado, mercado estabilizado, com baixo crescimento. Estes produtos requerem baixos investimentos, porém com retorno alto. Com o passar do tempo, estes produtos tendem a se tornar Abacaxis. Isto não ocorre necessariamente, como mostra o exemplo da Coca-Cola. Já o tradicional Fusca, foi durante muito tempo uma Vaca Leiteira, e depois transformou-se em um Abacaxi.

Matriz de Boston – Abacaxis

Este quadrante corresponde a produtos com baixa participação no mercado, mercado estabilizado, com baixo crescimento. Estes produtos requerem não apresentam retorno, não sendo recomendados investimentos nestes produtos.

Eventualmente, as empresas podem manter alguns Abacaxis. Por exemplo, alguns fabricantes de telefones celulares continuam produzindo modelos básicos, resistentes, para continuarem sendo uma porta para novos clientes, de baixa renda.

A Microsoft mantém seu mecanismo de busca Bing, de baixíssima participação no mercado, apenas por uma questão de imagem da empresa.

O trabalho original do Boston Consulting Group se refere a estes produtos como “dogs” (cachorros). No entanto, em Português, o termo Abacaxis é mais adequado.

Matriz de Boston – Resumo

O quadro abaixo resume possíveis estratégias para os produtos em cada quadrante.

Matriz de Boston - estratégias

Matriz de Boston – estratégias

Breve publicaremos artigo sobre as 5 Forças de Porter, que também é uma ferramenta de inteligência de mercado.

Estaremos sempre abordando em detalhes aspectos de Liderança e Gestão, Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção nos próximos artigos do Blogtek. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Incoming search terms:

  • matriz do Boston
  • boston matriz
  • como ligar bcg com o ciclo de vida
  • exemplos de produtos vaca leiteira
  • mateiz bgc o dvd é?
  • matriz bcg exemplos reais

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

  • Stephany

    Otimo artigo! Parabéns, Rodolfo seu bolg está cada vez melhor! Interessante e pontual! Me acrescenta muito! Mto obrigada!

  • Obrigado, Stephany!!!! Mal acabei de postar, e já recebo um comentário tão simpático!!!

  • José Guilherme Pinheiro Côrtes

    A matriz BCG será sempre um instrumento útil, portanto parabéns ao Stonner por expo-la neste blog. Ela faz parte de um arsenal de matrizes estratégicas, predominantemente orientadas para marketing, típicas do conceito de estratégia dos anos 70, antes dos trabalhos de Michael Porter.

    Permita-me Rodolfo sugerir outra matriz, esta desenvolvida por Shell, GE e McKinsey, conhecida como DPM (Directional Policy Matrix). Quem por ela se interessar peça ajuda ao Google na forma de “Directional Policy Matrix”. Bom proveito.

  • Eu até fiz o sinal da cruz! Hoje no almoço eu e um colega falamos sobre a Matriz BCG e ao ligar o computador encontro seu blog falando sobre isso!!! Deve ser um sinal.

  • Será que o Blogtek está sendo divulgado também em ondas telepáticas???? Abraços, Aldo!!!

  • Terei prazer em conhecer esta ferramenta, mas desde já fica o convite para que você o escreva, José Guilherme!!!

  • Gilmar Lima Bindá

    Boa noite, Stonner!

    Muito bom o Material, parabéns.

    Um forte abraço

  • Obrigado, Gilmar!!

  • Christiano

    Bom dia Stonner,ótimo artigo , bem orientativo.
    Mas aproveito o espaço para solicitar a você mais matérias com casos reais, por exemplo vi um breve documentário sobre uma ponte no Colorado que foi Construida e entregue antes do prazo planejado e dentro do orçamento, apesar das adversidades de tempo e condições de trabalho. Enfim vários cases que merecem destaque e que você saberia explicar com arte ,observando os ponto de sucesso ou fracasso, o que pode nos dar mais entendimento do assunto na vida real.

  • Obrigado pelas sugestões, Christiano!

  • Charles

    Valeu Stonner, excelente artigo.

  • Agnaldo Soares

    Artigo muito bom, e fácil entendimento….

  • Obrigado, Agnaldo, bem vindo ao Blogtek!

Publicidade

Liderança e Gestão

Brainstorming reverso – revirando os problemas

Comente Stonner 07.01.19
Liderança e Gestão

Quatro princípios da mudança – John Kotter

Comente Stonner 17.12.18
Gerenciamento de Projetos

Aversão à perda – como impacta a gestão?

Comente Stonner 10.12.18
Gerenciamento de Projetos

Inteligência Cultural – fundamental no ambiente globalizado

Comente Stonner 03.12.18
Gerenciamento de Projetos

Análise forense de cronogramas

Comente Stonner 26.11.18

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

85 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

63 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

45 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2019 Blogtek.