Gerenciamento de Projetos

18 Comentários 13.11.13 20142 Vizualizações Imprimir Enviar
Linhas de Balanço – ferramenta de planejamento

Linhas de Balanço – além de diversas ferramentas de planejamento que já tivemos oportunidade de acompanhar aqui no Blogtek (Cronograma, Curva de Avanço, Diagrama de Precedências) há uma ferramenta, muito adequada para certos tipos de serviços, ainda não muito utilizada em nossas obras, que são as linhas de balanço.   Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Linhas de Balanço – quando usar

A técnica das linhas de balanço (Line of Balance – LoB) foi criada para linhas de produção pela Goodyear, nos anos 40.

A técnica das Linhas de Balanço é uma ferramenta de planejamento e controle muito útil para atividades de caráter repetitivo em uma obra de construção e montagem. Por serem de caráter repetitivo, tem uma produtividade facilmente mensurada, o que permite utilizar esta ferramenta é basicamente gráfica (visual), permitindo um fácil entendimento da produção e antecipação de correções.

É muito adequada para obras de construção de edifícios, obras rodoviárias, construção de canais, residências unifamiliares em conjuntos habitacionais.

Linhas de Balanço – como usar

Em atividades de cunho repetitivo, temos as equipes que desenvolvem cada atividade, com sua composição e produtividades facilmente medidas. Com isto, podemos construir um gráfico de Produção x Tempo, para cada uma destas atividades, onde a inclinação desta reta (coeficiente angular) será a produtividade das equipes em cada atividade.

Montando estas atividades e seus respectivos gráficos de forma sequencial, podemos ver claramente como a Obra se comporta, onde poderão surgir os gargalos, e o que fazer para eliminá-los.

Linhas de Balanço – exemplo

O exemplo que segue é uma simplificação de um problema real, de proteção dos taludes de um canal de macrodrenagem com o Colchão Reno.

O Colchão Reno é formado por estruturas retangulares (gaiolas), parecidas com gabiões, porém com grande área e baixa espessura, o que confere flexibilidade e permite a cobertura de grandes áreas, sendo elementos muito adequados para canais, barragens de solo, escadas hidráulicas e outros. (http://www.maccaferri.com.br/produtos/dupla-torcao/colchao-renosup%C2%AEsup/16233-1.html)

Exemplo de Colchão Reno

Exemplo de Colchão Reno

No exemplo simplificado que segue, temos quatro atividades sequenciais:

Preparação do Talude

Construção de canaletas (de pé e de crista)

Colocação das gaiolas e enchimento com pedras de mão

Fechamento das gaiolas

Após um período inicial (curva de aprendizagem), pôde ser observada as seguintes produtividades por equipe, em termos de metros lineares de taludes do canal:

Preparação do Talude: 100 metros lineares de canal por dia

Construção de canaletas (de pé e de crista): 110 metros lineares de canal por dia

Colocação das gaiolas e enchimento com pedras de mão: 80 metros lineares de canal por dia

Fechamento das gaiolas: 95 metros lineares de canal por dia

Como as atividades são sequenciais e não podem ser realizadas concomitantemente no mesmo local, o início das atividades de cada frente de trabalho foi defasada em dois a três dias da atividade anterior, resultando no seguinte gráfico:

Linhas de Balanço - interferência entre frentes de trabalho

Linhas de Balanço – interferência entre frentes de trabalho

Por este gráfico, podemos ver que se nossa obra consistir em 1.000 metros lineares de canal, não haverá problemas. No entanto, se a nossa Obra demanda a construção de colchão Reno ao longo de 1.500 metros lineares de canal, podemos ver que as equipes de Colocação de Gaiolas e enchimento com pedra de mão irá ter uma interferência com a equipe de fechamento das gaiolas. Ao olhar para este gráfico, o gestor desta Obra poderá reforçar a equipe de Colocação de Gaiolas e enchimento com pedra de mão, aumentando sua produtividade (por exemplo, 95 metros lineares por dia, a partir do dia 22), possivelmente retirando alguns elementos da equipe de fechamento das gaiolas, a qual pode ter uma produtividade menor (por exemplo, 90 metros lineares por dia, também a partir do dia 22). Neste caso, o gráfico ficaria com este aspecto:

Linhas de Balanço - interferências entre duas frentes de trabalho eliminada

Linhas de Balanço – interferências entre duas frentes de trabalho eliminada

Ainda assim, se nossa Obra contemplar 2.000 metros lineares de canal, poderia ser necessário, para evitar interferências entre as equipes de preparação do talude e construção de canaletas, reforçar a primeira (preparação do talude, levando a uma produtividade em torno de 110 metros lineares por dia, a partir do dia 19), e talvez diminuindo o ritmo da equipe de construção de canaletas para 100 metros lineares, também a partir do dia 19. Teríamos então o gráfico abaixo:

Linhas de Balanço - mais uma interferência entre duas frentes de trabalho eliminada

Linhas de Balanço – mais uma interferência entre duas frentes de trabalho eliminada

Como veem, é uma ferramenta extremamente simples e prática. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail no topo da página, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

 

Incoming search terms:

  • como fazer calculo de balanço de linha de produção
  • como fazer uma linha de balanço no excel
  • imagem de como fazer balanço com linha de contruçao
  • grafico em excrl linhas de balanço conceito
  • gráfico tempo x caminho
  • AALANCO COM mail
  • como fazer linha de balanco
  • Como fazer um balanço com linha
  • controlador de projetos linhas de balanço xls
  • WhatsApp da linha de balanço de Macaíba

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.