Vídeos

Comente 18.08.16 1854 Vizualizações Imprimir Enviar
Jabuticabas – cuidado!!!

Jabuticabas – a referência mais remota encontrada é do economista Pérsio Arida, o qual se referiu às jabuticabas como sendo uma fruta exclusiva do Brasil. Na realidade, há jabuticabas em alguns outros poucos países, porém ficou consolidado o conceito, portanto, quando nos referimos a uma jabuticaba, em algum sentido que não o comestível, estamos nos referindo a algo tipicamente brasileiro.

Por ocasião da implantação da televisão em cores, o sistema adotado não foi nem o padrão americano NTSC, e tampouco o sistema europeu, PAL. Foi criado um sistema modificado do europeu, denominado PAL-M. Foi talvez a primeira das “jabuticabas” brasileiras.

O método utilizado por ocasião da conversão da moeda de então para o atual Real, feito em uma única noite, também não encontrou até hoje uma aplicação similar. Foi uma das jabuticabas de grande êxito, assim como o uso de carros flex, que utilizam mistura de gasolina e etanol em quaisquer proporções, com ajustes automáticos, é também são jabuticabas de excelente resultado.

Tomada padrão brasileiro - jabuticabas

Tomada padrão brasileiro – jabuticabas

O atual padrão de tomadas brasileiras é também uma jabuticaba: é um padrão diferente de qualquer outro no mundo. Conquanto sem dúvida seja uma tomada extremamente segura, por ser um padrão diferente do restante do mundo, obrigou todos os fabricantes de conversores e adaptadores a introduzirem mais um tipo de adaptação.

Muitos contratos brasileiros contém diversas jabuticabas, ou seja cláusulas pouco usuais, que muitas vezes dificultam o entendimento e elevam os preços ofertados pelas licitantes internacionais.

Incoming search terms:

  • mapa de risco qualitativo
  • oportunidades mercado financeiro
  • jabuticaba não comestível

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.