Menu

Índice Big Mac – é brincadeira ou é sério?

Stonner Comente 16.07.18 1012 Vizualizações Imprimir Enviar

Índice Big Mac – é brincadeira ou é sério? O índice Big Mac (carro chefe dos sanduíches do MacDonald’s) é calculado desde 1986 pela revista The Economist, e a ideia basicamente é poder comparar a Paridade do Poder de Compra entre diversos países do mundo utilizando o mesmo produto. Porém, este indicador efetivamente tem algum valor? Com o mundo cada vez mais globalizado, com projetos internacionais, é importante termos uma referência concreta e objetiva para esta análise.Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Índice Big Mac – porque utilizar o Big Mac?

Índice Big Mac

Índice Big Mac

Para analisar a paridade do poder de compra entre dois países, ou avaliar se moeda local está super ou sub valorizada, é necessário poder comparar preços de produtos similares. No entanto, há alguma dificuldade para avaliar quais seriam estes produtos: por exemplo, poderia ser um prato de comida, mas não há como comparar um prato típico de comida do Brasil com um prato típico do Peru ou um prato típico do Vietnã.

Porém o McDonald’s existe quase todos os países do mundo. Sim, existem alguns países onde não há MacDonald’s, alguns bastante óbvios, outros nem tanto. Veja a seguir a lista de alguns países onde não há McDonald’s:

Coreia do Norte (esta foi barbada, né?), Bolívia (e não foi por causa da Evo Morales, é que a população não aceitou bem, do ponto de vista gastronômico), Irã (esta também foi relativamente fácil), Cambodja, Islândia (esta me surpreendeu… o MacDonald’s foi se embora com uma crise em 2008, e até hoje não retornou), Gana (curioso, não tem MacDonald’s, mas tem KFC), Iêmen, Jamaica, Bermudas

Porém, excluindo estes países, o Big Mac é algo que se encontra em quase todo mundo. E é exatamente o mesmo produto, servindo, portanto, como padrão de comparação do poder de compra em diversos países.

Índice Big Mac – como é calculado?

O padrão de referência é o preço do Big Mac nos Estados Unidos. Ao calcularmos o preço do Big Mac em um determinado país em dólares, dividindo este valor pelo preço do Big Mac nos Estados Unidos, teremos o índice Big Mac. Ou seja, se o índice Big Mac for superior a 1, ou ainda, o preço do Big Mac neste país for superior ao preço dos Estados Unidos, isto significa que a moeda deste país está supervalorizada em relação ao dólar. Por por outro lado, se essa razão for menor do que 1, ou seja, se o preço do Big Mac nesse país for inferior ao preço do Big Mac dos estados Unidos, significa que a moeda dos países está desvalorizada em relação ao dólar.

Porém, entenda o que significa “desvalorização”. Não se trata simplesmente de quantas unidades monetárias correspondem ao dólar, mas sim, se o índice Big Mac está abaixo da taxa de câmbio.

Por exemplo, suponha que no Longiquistão a moeda local seja a Merreca, cotada a 1.000 merrecas por dólar. Se o preço do Big Mac nos Estados Unidos for 5 dólares, e no Longiquistão o preço for 5.000 merrecas, a moeda local está emparelhada com o dólar.

Países atualmente (janeiro 2018) com moeda supervalorizada em relação ao dólar:

Suíça, Noruega, Finlândia, Suécia

Países com moeda desvalorizada em relação ao dólar:

Itália, França, Brasil, Dinamarca…

Você encontra este índice em Statista.

Índice Big Mac – outra forma do índice

Em termos de economia, o índice Big Mac como calculado acima atende. Eu, particularmente, sob o viés social, prefiro outra forma de mostrar o índice: através da quantidade de tempo que o trabalhador médio de um país trabalha para poder adquirir o Big Mac. Neste mesmo site, Statista, você encontra este gráfico, não por países, mas como cidades.

Nas cidades americanas, o tempo para comprar um Big Mac é ligeiramente superior a dez minutos: Miami (10,7 minutos), Nova York (11,4 minutos), Los Angeles (11,2 minutos).

No Rio de Janeiro, o trabalhador médio trabalha cerca de 32 minutos para comprar um Big Mac, e em São Paulo, 25 minutos.

Em Nairóbi, capital do Quênia, o trabalhador médio leva 172 minutos (quase três horas) para poder comprar um Big Mac. Na Cidade do México, cerca de 72 minutos. Em Lima, 38 minutos.

Onde achar outras comparações entre diversos países?

Índice Big Mac

Índice Big Mac: outro lugar onde buscar informações sobre países

Para quem trabalha em ambientes internacionais, cada vez mais frequentes, é importante conhecer e poder comparar diversos países. Uma excelente fonte para isso é o World Factbook, da CIA. Sim, tem todos os países do mundo, com as mais relevantes informações sobre Política, Economia, Demografia, Saúde, Infraestrutura… há informações sobre problemas internos, fronteiras,mostra a bandeira de cada país, até seu hino! Acesse, é muito interessante e útil.

A cada semana, publicamos novos artigos aqui no Blogtek, sobre Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção, e tópicos sobre Liderança e Gestão. Também semanalmente publicamos um vídeo, os quais podem ser acessados em youtube.com/c/Blogtek. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek!SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

Gerenciamento de Projetos

Fatores de produtividade no planejamento

Comente Stonner 15.10.18
Liderança e Gestão

Gemba, ou, em bom Português, TBC!

1 Comentário Stonner 02.10.18
Liderança e Gestão

O efeito Dunning-Kruger: a arrogância dos incapazes

Comente Stonner 24.09.18
Gerenciamento de Projetos

Prazo de cotação – quando 2+1 não é igual a 3

Comente Stonner 17.09.18
Gerenciamento de Projetos

Know-how e Know-why: a importância da gestão do conhecimento

Comente Stonner 10.09.18

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

85 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

63 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

45 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2018 Blogtek.