Gerenciamento de Projetos

1 Comentário 21.08.17 1663 Vizualizações Imprimir Enviar
Gerenciamento das Partes Interessadas

Gerenciamento das partes interessadas:  a importância das partes interessadas no gerenciamento de um projeto ganhou tanto destaque ultimamente, que foi criada uma área de conhecimento específica, a partir do PMBoK Guide 5ª edição: Capítulo 13 – Gerenciamento das partes interessadas. Já publicamos aqui no Blogtek um artigo sobre Análise das Partes Interessadas no Projeto (Stakeholders’ Analysis). Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui abaixo, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Gerenciamento das partes interessadas – classificação

Como há diferentes formas de interface entre o projeto e as partes interessadas, o próprio PMBoK Guide 5ª edição reconhece que há diferentes formas de classificar as partes interessadas, dentre as quais exemplificamos:

  • Necessidade: em função do produto que o projeto possa oferecer a determinada parte interessada.
  • Expectativa: de que forma a necessidade pode ser atendida pelo projeto.
  • Poder de Influência: Capacidade de modificar (ou não) o contexto do projeto segundo suas próprias necessidades. Usualmente é sub-classificada como:
    1. Pouco ou nenhum poder de modificar o projeto;
    2. Capacidade informal de provocar modificação no projeto;
    3. Capacidade relativa de ocasionar alguma modificação no projeto;
    4. Alta capacidade de modificar o projeto, podendo inclusive cancelar o projeto.
  • Proximidade: grau de participação da respectiva parte interessada no escopo e objetivos do projeto. É sub-classificada como:
    1. Não há envolvimento direto (nenhuma relação direta com os processos, clientes e a maioria dos gerentes)
    2. Diretamente envolvidos (equipe do projeto)
  • Postura: indica a sua potencial ação sobre o escopo e objetivos do projeto, sub-classificada em:
    1. Passiva
    2. Ativa

Gerenciamento das partes interessadas – comunicação

A forma do projeto manter comunicação com as partes interessadas e manter ou incrementar o engajamento varia conforme os aspectos acima descritos. Uma avaliação subjetiva nos permite inferir que Proximidade e Procura, ainda que aspectos distintos, ambos têm um direcionamento similar com relação ao projeto, sendo complementares, e, portanto, podemos entender que são dois fatores aditivos. Já o Poder de Influência tem a capacidade de aumentar ou diminuir a ação destes dois aspectos somados, portanto podemos criar o parâmetro Valor, como um fator multiplicativo, assim definido:

Valor = Poder x (Proximidade + Postura)

E nos permite localizar as partes interessadas (stakeholders) no gráfico a seguir:Por exemplo, no processo de construção de uma usina eólica:

Gerenciamento das partes interessadas

Gerenciamento das partes interessadas

Administração da empresa (a):

Poder: 4        Proximidade: 2         Postura: 2          Valor = 16

Detentora da tecnologia (b):

Poder: 2        Proximidade: 1         Postura: 1          Valor = 4

Organizações não governamentais (c):

Poder: 2        Proximidade: 2         Postura: 2          Valor = 8

População local (d):

Poder: 1        Proximidade: 1         Postura: 1          Valor = 2

E o posicionamento no gráfico seria:

Gerenciamento das partes interessadas

Gerenciamento das partes interessadas – exemplo

Estamos sempre publicando dicas e sugestões para Gerenciamento, Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção. Toda semana, um artigo e um vídeo. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui abaixo em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.