Gerenciamento de Projetos

Comente 26.10.20 655 Visualizações Imprimir Enviar
GASP – Generally Accepted Scheduling Principles

GASP – Generally Accepted Scheduling Principles: cronogramas não são apenas barras dispostas ao longo do tempo! Cronogramas constituem uma das mais importantes visões do Planejamento, e por isso venho há tempos destacando esta importância em artigos tais como: “Planejar não é pilotar o Project”, “Cronograma: via de mão dupla”, “Boas práticas para elaboração de cronogramas”, onde coloco minhas experiências e lições pessoais. Indo mais além, no artigo “14 pontos para um bom cronograma”, destaco as recomendações do DCMA – Defense Contract Management Agency. E hoje vamos continuar fazendo referência a guias de referência, abordando um tópico incluído no PASEG – Planning & Scheduling Excellence Guide, uma portentosa obra de 212 páginas, publicada pela NDIA (National Defense Industrial Association).  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

GASP – Generally Accepted Scheduling Principles: visão geral

GASP são oito princípios gerais para construir, manter, e usar cronogramas como ferramentas de gerenciamento eficazes. O GASP é conciso e de fácil compreensão, porém estabelece altas expectativas das equipes de gerenciamento de programas para desenvolver e usar cronogramas. Os primeiros cinco princípios GASP descrevem as qualidades necessárias de um cronograma válido; ou seja, aquele que fornece informações completas, razoáveis e informações confiáveis com base em lógica, durações e datas realistas. Os últimos três princípios GASP refletem maior maturidade de programação que resulta em uma programação eficaz. Um cronograma eficaz fornece tempo e dados confiáveis, alinham os recursos em fases e são construídos e mantidos usando controles e processos repetíveis.

GASP – Generally Accepted Scheduling Principles: os 5 princípios de VALIDADE

1 – Completude

Descrição:

Os cronogramas representam todo o esforço autorizado para todo o contrato, com subcontratados essenciais ou outros marcos de trabalho externos integrados, mas distinguíveis do trabalho interno. O nível de esforço (aqui utilizado como atividades de suporte, que não contribuem DIRETAMENTE para o cumprimento do cronograma) pode ser excluído do IMS (Integrated Master Schedule).

Declaração:

O cronograma captura todo o esforço discreto e autorizado do projeto, do início à conclusão.

2 – Rastreabilidade

Descrição:

Os cronogramas refletem a lógica de rede, de forma real e significante, integra horizontal e verticalmente a sequência provável de execução do programa. As programações são codificadas para relacionar tarefas ou marcos aos documentos, ferramentas e organizações responsáveis de origem ou dependentes.

Declaração:

A lógica do cronograma é integrada horizontal e verticalmente com referências cruzadas aos principais documentos e ferramentas.

3 – Transparência

Descrição:

Os cronogramas fornecem divulgação completa do status e previsão do programa e incluem regras básicas, suposições e métodos documentados para construir e manter cronogramas. A documentação inclui etapas para analisar os caminhos críticos, incorporar riscos e oportunidades e gerar métricas de desempenho e integridade do cronograma.

Declaração:

O cronograma fornece visibilidade para garantir que está completo, rastreável, tem suposições documentadas e fornece divulgação completa do status e previsão do programa.

4 – Atualização

Descrição:

As programações refletem atualizações consistentes e regulares do trabalho concluído, progresso provisório, durações restantes alcançáveis em relação à data de status e relações lógicas mantidas com precisão.

Declaração:

O cronograma tem uma atualização precisa até a data de status.

5 – Previsibilidade

Descrição:

Os cronogramas preveem com precisão as datas de conclusão mais prováveis e os impactos na linha de base do programa por meio de uma lógica de rede válida e durações de tarefas alcançáveis desde a data de status até a conclusão do programa.

Declaração:

O cronograma fornece caminhos críticos significativos e previsões precisas para o trabalho restante até a conclusão do programa.

GASP – Generally Accepted Scheduling Principles: os 3 princípios de EFETIVIDADE

6 – Usabilidade

Descrição:

Os cronogramas produzem métricas significativas para comunicação oportuna e eficaz, rastreando e melhorando o desempenho, mitigando problemas e riscos e capturando oportunidades. As programações são robustas e funcionais para ajudar as partes interessadas a gerenciar diferentes níveis, agrupamentos ou áreas, conforme necessário. As programações são desenvolvidas e mantidas em tamanho, nível e complexidade de forma que sejam oportunas e possibilitem uma tomada de decisão eficaz.

Declaração:

O cronograma é uma ferramenta indispensável para decisões e ações de gestão oportunas e eficazes.

7 – Recursos

Descrição:

Os recursos se alinham com a linha de base e previsão do cronograma para permitir que as partes interessadas visualizem e avaliem a mão de obra dividida no tempo e outros custos necessários para atingir a linha de base do projeto e as metas previstas. Cada programa é único e usa técnicas variadas para carregar, definir a linha de base e manter os recursos divididos em fases em níveis que são práticos e produzem projeções precisas e significativas. Quando cronogramas carregados de recursos são usados, permitem atualizações flexíveis dos requisitos de recursos conforme as condições mudam. Sejam ou não cronogramas carregados de recursos, os dados de custo e programação são integrados para relatórios internos e externos.

Declaração:

O cronograma se alinha com a disponibilidade de recursos real e projetada.

8 – Controle

Descrição:

Os cronogramas são definidos e mantidos usando um processo rigoroso, estável, repetível e documentado. Adições, exclusões e atualizações de cronogramas estão em conformidade com esse processo e resultam em resultados válidos e precisos para controle e manutenção de configuração de cronograma sólidos.

Declaração:

O cronograma é construído, definido e mantido usando um processo estável, repetível e documentado.

GASP – Generally Accepted Scheduling Principles: por que princípios?

Nos artigos anteriores sobre o tema Elaboração de cronograma, eram feitas referências a práticas e questões operacionais, tais como índices, limite percentual de tipos de dependências, de restrições de datas.

No documento GASP, não há referências operacionais, e sim, filosóficas, daí o nome de PRINCÍPIOS.

A cada semana, publicamos novos artigos aqui no Blogtek, sobre Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção, e tópicos sobre Liderança e Gestão. Também semanalmente publicamos um vídeo, os quais podem ser acessados em youtube.com/c/Blogtek.  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.