Liderança e Gestão

Comente 02.03.20 1011 Visualizações Imprimir Enviar
Escola do Design – Planejamento estratégico

Escola do Design – Planejamento estratégico: recentemente, publicamos aqui no Blogtek o artigo “10 escolas de Planejamento estratégico”, baseado na obra de Henry Mintzberg, e mencionamos que cada uma destas escolas seria aqui descrita com mais detalhe. Ainda que na sequência evolutiva do Planejamento Estratégico algumas já estejam em desuso ou ultrapassadas por conceitos mais recentes, vale a pena conhecer como se deu esta evolução. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Escola do Design – origens

Este modelo surgiu em 1957 com o lançamento do livro de Philip Selznick’s “Leadership in Administration”, seguido do livro de Alfred D. Chandler’s “Strategy and Structure” in 1962. Este foi o modelo predominante de planejamento estratégico até a década de 70.

Chandler foi também o autor do livro “The Visible Hand: The Managerial Revolution in American Business”, pelo qual foi contemplado com o Prêmio Pulitzer de História em 1978. O título deste livro é um contraponto à expressão “mão invisível do mercado”, da obra de Adam Smith, “A riqueza das nações” (apesar de muito citada, esta expressão só aparece três vezes na obra de Adam Smith).

As ideias de Chandler são continuidade do pensamento de John Nash, o famoso matemático com contribuições significativas à economia (foi um dos ganhadores do Nobel de Economia em 1994), e retratado no filme “Uma mente brilhante”, que destacava sua luta contra a esquizofrenia.

Até então, as organizações ponderavam que, em função da “mão invisível do mercado”, tudo se ajustaria em função de preços, produção, oferta e procura. Não havia Planejamento estratégico. Nash propôs que em um jogo, um jogador, por compreender as estratégias dos demais, é capaz de melhorar ainda mais sua posição adotando uma solução alternativa.

O conceito de Nash foi formatado por Chandler, em suas obras, e no em sua proposição de planejamento estratégico.

Escola do Design – Estrutura vem depois da Estratégia

Em função da postura determinística, quase conformista, das organizações e empresas, todas tinham uma estrutura hierárquica similar, privilegiando a produção, com visão de redução de custos e aumento dos lucros.

Chandler estudou quatro empresas de sucesso, em diferentes ramos: Dupont (indústria química), General Motors (indústria automobilística), Standard Oil (posteriormente transformou-se na Esso, atual Exxon, indústria de óleo e gás) e Sears Roebuck (varejista).

Do estudo destas empresas, Chandler definiu a Estratégia como a determinação de metas e objetivos de longo prazo, a adoção de ações e alocação de recursos para atingir estas metas. Definiu também a Estrutura como o desenho da organização para o atingimento destas metas e objetivos. Seu pensamento está consolidado no livro “Strategy and Structure”, do qual se extrai sua frase mais conhecida: Structure follows Strategy.

Foi o modelo de Planejamento estratégico predominante até fins da década de 70.

A cada semana, publicamos novos artigos aqui no Blogtek, sobre Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção, e tópicos sobre Liderança e Gestão. Também semanalmente publicamos um vídeo, os quais podem ser acessados em youtube.com/c/Blogtek.  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Incoming search terms:

  • ESCOLA DO DESIGN CONCLUSAO
  • ESCOLA DO DESINER
  • estrtura por projeto características

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.