Gerenciamento de Projetos

19 Comentários 30.03.14 6032 Vizualizações Imprimir Enviar
Curva J (jota) – a odisseia dos prazos impossíveis

A Curva J (jota): não, não se trata de nova ferramenta de controle de projetos, ou algo novo que tenha sido incorporado ao PMBoK Guide. Trata-se apenas de uma reflexão sobre os prazos com os quais nós, gerentes de projeto, temos que lidar.  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

 

 

Curva J – não existe no início do Projeto!!!

Ao ser definido um novo projeto, e o respectivo Gerente do Projeto, este irá, em função do escopo e recursos disponíveis, estimar o prazo requerido. No melhor dos mundos, o prazo requerido para a execução do Projeto será compatível com o prazo demandado pela Organização. Quando os deuses estão de bom humor, pode até haver uma folga, a qual o Gerente de Projetos utilizará para nivelar recursos e obter menores custos, ou utilizará como margem de segurança para o Projeto.

De posse do Cronograma, carregado de recursos, ou seja, com todas as atividades com os respectivos recursos alocados, o Gerente de Projeto irá construir a Curva de Avanço do Projeto, também denominada Curva S, devido ao seu aspecto:  lenta evolução no início dos serviços, forte aceleração na etapa intermediária, e desaceleração e ritmo menos intenso na conclusão do Projeto.

Curva J - o início....

Curva J – o início….

A Curva S é extensamente utilizada como ferramenta de controle do Projeto, principalmente pela alta Administração, pois permite um “overview” do Projeto, sem necessidade de entrar nos detalhes.

Curva J – começam a escorregar os prazos…

A falta de recursos necessários, muitas vezes devido ao atraso de projetos concorrentes, a escassez de verbas, as dificuldades de formação de equipe, as incertezas e indefinições frequentes na fase inicial de projetos, começam a deslocar os prazos… no entanto, a alta administração não muda os prazos do Projeto como um todo, e a data de conclusão, o deadline do projeto continua o mesmo, e a Curva S começa a se deformar:

Curva J - começa o deslizamento...

Curva J – começa o deslizamento…

Os problemas continuam, as datas vão sendo adiadas (exceto a data final do Projeto…), e a curva, que tinha aspecto de um S, vai se deformando e não pode mais ser chamada de Curva S…a julgar pelo aspecto, diríamos tratar-se de uma Curva J!!!

Curva J - e o prazo continua o mesmo!!!!

Curva J – e o prazo continua o mesmo!!!!

Curva J – reflexões sobre prazos

Cabem aqui algumas reflexões para a alta administração das empresas, e os patrocinadores (sponsors) de Projetos:

Indefinições e Incertezas – ao início do Projeto, ao solicitar estimativa de Prazo, tenhamos o mínimo de indefinições e incertezas (de custo, escopo, recursos, verba…).  Estas indefinições são as maiores causas de atrasos não mitigáveis.

Não existe varinha de condão – se não conseguimos evoluir a uma determinada taxa no passado, há alguma razão para conseguir uma taxa melhor de evolução para o futuro? Ou acreditamos que subitamente, ao final do Projeto, como uma varinha de condão, vamos alcançar a completude do escopo no prazo com uma meteórica ascensão quase vertical?

Prazos não são necessariamente “compressíveis”–  se houvesse uma maneira de realizar o Projeto em prazo menor, e ainda com menores custos, creia-me, o Gerente de Projeto teria proposto este prazo e estes custos…ou pelo menos deveria!!!!

Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

 

 

Incoming search terms:

  • curva em j
  • curva j
  • curva jota
  • curvas imposiveis
  • nakano tewk
  • o que é um jota sem curva?
  • técnica curva J
  • tecnica de curva-j

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.