Gerenciamento de Projetos

1 Comentário 04.02.19 1971 Vizualizações Imprimir Enviar
Curva do caminho crítico

Curva do caminho crítico – recentemente, li no Linkedin um post do jovem Márcio Sperandio Cott, que tem diversos artigos interessantes na área de Planejamento. O post se intitula: Estar fora da curva, não significa necessariamente que seu projeto atrasou. Aproveito a oportunidade para agregar alguns comentários, a respeito da curva do caminho crítico. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Curva do Caminho Crítico – as etapas do Planejamento

Ao planejar uma obra, um projeto, a sequência deve ser:

  • Identificar as atividades (a Estrutura Analítica do Projeto auxilia a visualizar os pacotes de trabalho);
  • Estimar prazos e recursos;
  • Estabelecer as dependências entre as atividades.

Desta forma, teremos um cronograma com o seguinte aspecto:

Curva do caminho crítico

Curva do caminho crítico – cronograma inicial

Ao visualizarmos o histograma de recursos, teríamos:

Curva do caminho crítico

Curva do caminho crítico – histograma de recursos

Como dispomos de apenas 7 técnicos, vemos que há um pico no início dos serviços, para o qual a quantidade disponível de recursos é insuficiente. Então usamos as técnicas de nivelamento de recursos (leia mais aqui), e teremos o cronograma nivelado:

Curva do caminho crítico

Curva do caminho crítico – cronograma nivelado

Após o nivelamento, o histograma de recursos tem o seguinte aspecto:

Curva do caminho crítico

Curva do caminho crítico – histograma nivelado

E, a partir do cronograma nivelado, construímos a Curva de Avanço Físico, que é um importante instrumento para acompanhamento da Obra.

Curva do caminho crítico

Curva do caminho crítico – curva de avanço

Curva do Caminho Crítico – o Acompanhamento do cronograma

Muitas vezes, não se investe no acompanhamento e atualização do cronograma, o que é um grave erro. NENHUMA obra ocorrerá exatamente como planejamos, por isso é fundamental acompanhar e atualizar o cronograma (Leia mais aqui, em Planejamento: via de duas mãos).

Desta forma, com a periodicidade definida, conforme a duração do projeto, vamos lançando a execução de atividades, e reprogramando as atividades. De tempos em tempos, geramos a Curva de Avanço Físico, Real x Planejado, que pode em determinado momento ter este aspecto:

Curva do caminho crítico

Curva do caminho crítico – curva de progresso

De acordo com este gráfico, estamos todos felizes: o gerente do projeto, a equipe, o cliente. Mas…

A curva do real x planejado pode estar refletindo esta situação hipotética:

Curva do caminho crítico

Curva do caminho crítico – andamento do projeto

Note que em grandes projetos, obras complexas, há o caminho crítico (aquele que não tem folga, qualquer atraso em atividades do caminho crítico irá criar atraso no projeto), e há diversos outros caminhos. Em montagem eletromecânica, usualmente o caminho crítico está na tubulação (pré-fabricação, montagem, ensaios, provas hidrostáticas, comissionamento), e há outras atividades em paralelo, por exemplo, Estruturas e Construção Civil.

Pelo gráfico acima, podemos ver que as atividades paralelas ao Caminho Crítico avançaram significativamente, porém o caminho crítico não.

Se, ao construir a Curva de Avanço Físico, tivéssemos também construído. Curva de Avanço do Caminho Crítico (pode dar um pouco de trabalho…), teríamos a seguinte curva:

Curva do caminho crítico

Curva do caminho crítico

E, neste caso, ao lançarmos a execução de atividades do Caminho Crítico teríamos algo assim:

Curva do caminho crítico

Curva do caminho crítico – avanço no caminho crítico

Ou seja, por enquanto o avanço real do projeto como um todo supera o planejado, mas não no caminho crítico. O que significa que breve esgotaremos as atividades em paralelo, e nos restará o caminho crítico, atrasado, e como tal, atrasará o projeto como um todo.

Portanto, o gerente de projeto deve, obviamente, olhar o projeto como um todo, porém precisa também estar atento ao caminho crítico.

Curva do Caminho Crítico – cuidado com as dependências

Se você olhar para o cronograma de acompanhamento do projeto, verá que algumas atividades têm avanço antes da conclusão de suas predecessoras. Isto é um erro. Na realidade, há dependências mandatórias (tais como montar um acesso antes de executar um serviço no pipe-rack), e outras não mandatórias (leia mais aqui).

Os softwares (por exemplo, Primavera e Project) permitem que se dê avanço em atividades antes da conclusão das predecessoras. Ou seja, considera que as dependências sejam não mandatórias. Há a possibilidade de tornar as dependências mandatórias (no Primavera, “Retain Logic”, no Project “Keep Project links”). Infelizmente, isto se aplica a todas as atividades, não há como definir algumas como sendo mandatórias, outras não.

Vale aí a experiência do planejador, que deve ter domínio sobre o software, porém também deve conhecer tecnicamente as atividades. Leia mais em “Planejar não é pilotar o Project”.

A cada semana, publicamos novos artigos aqui no Blogtek, sobre Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção, e tópicos sobre Liderança e Gestão. Também semanalmente publicamos um vídeo, os quais podem ser acessados em youtube.com/c/Blogtek. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek!SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Incoming search terms:

  • avanço caminho critico no project
  • caminho critico

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.