Gerenciamento de Projetos

Comente 21.10.19 431 Vizualizações Imprimir Enviar
Contratos NEC – modelos para facilitar a contratação

Contratos NEC – o que são? Sempre tenho destacado aqui no Blogtek a importância de uma adequada Estratégia de Contratação, e obviamente, isto envolve contratos bem elaborados. Contratos bem elaborados para projetos e construções pressupõem trabalho conjunto da Engenharia e da parte legal. Ainda assim, muitos equívocos são cometidos. Para mitigar estes problemas, há os modelos de Contrato FIDIC, já abordados aqui, e os Contratos NEC. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Contratos NEC – como surgiram?

O acrônimo NEC corresponde a New Engineering Contract, e foi criado no Reino Unido pelo ICE (Institucion of Civil Engineers), devido às grandes demanadas de pleitos que surgiam devido a contratos mal elaborados e mal redigidos.

Sua primeira edição foi em 1993, a segunda edição em 1995, a terceira (denominada NEC3, e ainda atualmente a mais conhecida) em 2005, e, mais recentemente, em 2017, surgiu a quarta edição, denominada NEC4.

Estes modelos de contratos podem ser adquiridos no link: https://www.neccontract.com/NEC3-Products/NEC3-Contracts

Contratos NEC – características

Os criadores dos modelos de contrato NEC definem algumas principais virtudes destes contratos como:

  • Estimulam o bom gerenciamento;
  • São simples e claros, escritos em Inglês no tempo verbal Presente, e sem terminologia legal;
  • Podem ser utilizados em muitas situações, desde projetos de pequeno porte até megaprojetos.

Ademais, há uma grande variedade de modelos de contratos, completos, simplificados, para a contratação de engenharia e construção, modelos para subcontratação, contratação de serviços profissionais, aquisições de equipemantos e materiais, escolha de árbitros.

Destes, um dos mais utilizados é o ECC – Engineering and Construction Contract, modelo que tem uma série de opções, dentre as quais destacamos:

Opção A: precificado com cronograma de atividades

Está relacionado a um cronograma de atividades, onde a cada uma destas atividades é atribuído um valor, que será pago mediante a conclusão desta atividade. Simplifica bastante o trabalho de fiscalização, e transfere a maior parte dos riscos para o construtor. Obviamente, isto repercute em preços maiores.

Opção B: precificado com “Bill of Quantities”

Mantive o termo em Inglês como referência, porém nada mais é senão o contrato por preços unitários. Tende a ter um preço mais justo, porém se as quantidades não forem adequadamente definidas pode resultar no Jogo de Planilha, ou pleitos por parte do Construtor.

Opção C: preço meta com cronograma de atividades

É o chamado “Cost Plus Contract”, que possui um mecanismo para compartilhamento de riscos e benefícios (chamado em Inglês de pain/gain share). De forma similar à opção A, tem um cronograma de atividades no qual o construtor aloca os preços, porém detalhando os componentes do custo de cada item, e caso estes custos variem, o ganho ou o prejuízo são compartilhados entre o Contratante e o Construtor.

Opção D: preço meta com “Bill of Quantities”

É também um contrato por preços unitários, também denominado “Cost Plus Contract”, com o  mecanismo para compartilhamento de riscos e benefícios (chamado em Inglês de pain/gain share), porém aplicado aos preços unitários, os quais também devem ter o demonstrativo de custos  que permite que os ganhos ou prejuízos sejam compartilhados entre Contratante e Construtor.

Opção E: contrato de custo reembolsável

Neste modelo o construtor é reembolsado em seus custos reais, mais uma taxa adicional pré-definida. Neste modelo, o risco é principalmente do cliente (contratante), e por isso, tem menores preços. Este modelo é largamente utilizado quando as quantidades não podem ser bem definidas, seja porque o projeto está em fase inicial, e se deseja antecipar a contratação, ou ainda para serviços de escopo muito variável, como manutenção e reparos. É um contrato ágil, ou seja, rapidamente pode ser concretizado.

Opção F: contrato de gerenciamento

É também um contrato de custo reembolsável, porém os valores são pagos a uma gerenciadora, a qual irá remunerar os subcontratistas, e sobre estes valores a gerenciadora recebe uma taxa previamente definida. Neste modelo, o risco também é primordialmente do cliente. Parece um pouco com o modelo EPCM, porém com a diferença que no EPCM a gerenciadora é remunerada apenas para gerenciar os contratos, porém a relação contratual, e os pagamentos, são feitos pelo cliente.

Opção G: Term Contract

Modelo de contrato para a contratação de consultoria.

A cada semana, publicamos novos artigos aqui no Blogtek, sobre Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção, e tópicos sobre Liderança e Gestão. Também semanalmente publicamos um vídeo, os quais podem ser acessados em youtube.com/c/Blogtek, com legendas em espanhol.  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Incoming search terms:

  • analisar as forças fraquezas oportunidades e ameaças da organização irá auxiliara efetuar
  • citaçoes de projeto
  • comparação area japao japao e brasil
  • forca e fraqueza dentro
  • projeto básico e projeto executivo
  • teoria dos jogos situacao ganha ganha

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.