Atualidades

20 Comentários 26.03.13 5760 Vizualizações Imprimir Enviar
Cerveja e cigarros, Petróleo e derivados
Petrobras - uma empresa integrada de petróleo

Petrobras – uma empresa integrada de petróleo

Todo dono de botequim reclama da baixa margem de lucro da venda de cigarros. No entanto, qualquer bar de esquina tem o display de cigarros à venda. Se o lucro é tão baixo, porque vendê-los? Porque o consumo de cigarros está muito associado ao consumo da cerveja, e da cerveja ao tira-gosto, e aí que o dono do bar tira seu lucro. Se não vendesse cigarros, os clientes procurariam outro boteco. E o que isto tem a ver com Petróleo e derivados? Muita coisa. Muito tem sido divulgado na imprensa acerca do aparente desinteresse da Petrobras em sua área de abastecimento, a ponto de ser aventada na imprensa a possibilidade da Petrobras vender 30% de seu parque de refino, o que já foi desmentido no Blog oficial da Petrobras – Fatos e Dados. Cabe no entanto continuar este esclarecimento, como temos feito em diversas oportunidades aqui no Blogtek.

Petróleo e derivados: o lucro no Refino

De fato, o lucro no refino (onde se produz os derivados que a população consome, tais como gasolina, diesel, querosene de aviação, etc.) é bastante baixo, considerado o volume de investimentos a ser feito e principalmente, em comparação à atividade de produção. No site www.petrostrategies.org, vemos algumas informações importantes (desconsiderar as informações sobre impostos (taxes), pois a estrutura tributária no Brasil é totalmente diferente, e muito mais pesada):

  • Cerca de 75% do lucro das empresas integradas de petróleo vem do upstream

Glossário:

    • Empresa integrada de petróleo: aquela que atua na exploração e produção de petróleo, em seu transporte e refino, e em sua distribuição aos postos de gasolina. Ou seja, do poço ao posto.
    • Upstream: literalmente, corrente para cima. Corresponde às atividades de exploração e produção
    • Downstream: literalmente, corrente para baixo. Compreende as atividades de refino, ou seja, a transformação do petróleo cru em derivados para utilização pública, tais como gasolina, diesel, gás de cozinha, querosene de aviação, etc.
  • O lucro na produção é de cerca de 41%
  • O lucro no refino é inferior a 13% (na realidade, no Brasil este valor é inferior, devido à política de preços do governo)

Petrobras, uma empresa integrada de petróleo

Se o lucro no Refino é tão baixo, porque não focar apenas na exploração e produção? Aí entra a comparação com a cerveja e cigarros. Da mesma forma que o dono do bar tem interesse em vender cigarros, ainda que com pequena margem de lucro, à Petrobras interessa ser uma empresa integrada, do poço ao posto. Vejamos a Missão e Visão 2020 da Petrobras (www.petrobras.com.br):

Missão:

Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nos mercados nacional e internacional, fornecendo produtos e serviços adequados às necessidades dos clientes e contribuindo para o desenvolvimento do Brasil e dos países onde atua.

Visão 2020:

Seremos uma das cinco maiores empresas integradas de energia do mundo e a preferida pelos nossos públicos de interesse.

Portanto, há interesse sim em manter e adequar o parque de refino, mesmo porque a gasolina e derivados que temos que importar são vendidos à cadeia distribuidora por um preço inferior ao que pagamos na importação, como já foi esclarecido no post: Abaixo o preço da água mineral! Viva o preço da gasolina!

Então por que houve uma redução nos investimentos em refino, no recém divulgado Plano de Negócios e Gestão 2013-2017?

É bastante lógico priorizar os investimentos onde se tem maiores retornos, uma vez que o caixa da companhia para investimentos é finito (leia “O preço da gasolina e Jeannie é um gênio“, aqui no Blogtek).

De resto, o próprio PNG 2013-2017 explica:

O segmento de Exploração e Produção no Brasil investirá US$ 147,5 bilhões, o que representa um crescimento de US$ 15,9 bilhões em relação ao PNG 2012-16, devido principalmente à inclusão dos investimentos de 2017 em níveis compatíveis com a aceleração da produção planejada entre 2016 e 2020. 

A carteira em implantação prevê investimentos de US$ 43,2 bilhões no Abastecimento, sendo os principais projetos a Refinaria Abreu e Lima e a primeira fase do Comperj. Houve uma redução de US$ 12,6 bilhões em relação ao PNG 2012-16, pela conclusão de projetos de qualidade e conversão e pela finalização das refinarias em construção até 2016. Os investimentos em expansão da capacidade de refino da carteira em avaliação avançaram na maturidade da fase de elaboração dos seus respectivos projetos. Atualmente, passam por otimização buscando o alinhamento com métricas internacionais.

Ademais, a Petrobras reiterou, em resposta (Blog Fatos e Dados) a infundadas questões colocadas pela Revista Exame, edição Online de 14/03/13:

– Não procede, absolutamente, a informação de que a Petrobras tem um suposto plano de venda de suas refinarias no Brasil.

– Ao contrário do que afirma a revista, nenhum projeto ou operação desse porte teria curso na Companhia sem o inteiro conhecimento e aprovação de sua Diretoria Executiva e seu Conselho de Administração.

– A Petrobras considera que a integração de suas atividades atuais no campo do refino e da produção de óleo são de caráter estratégico para a Companhia, e contribuem para o seu melhor resultado empresarial.

– A Petrobras tem reafirmado reiteradas vezes que não enfrenta quaisquer problemas de caixa.

Logo, os derivados podem se comparar aos cigarros no botequim, de baixo retorno, mas essenciais à estratégia da Empresa.

Incoming search terms:

  • yhs-baixaki_br_installcore_02
  • margem de lucro na venda de maço de cigarro
  • a cerveja vem do petróleo ?
  • a partirdo petroleo cite produtoindustrializado
  • cerveja e cigarro barato
  • cerveja margem lucro
  • cigarros para vender da lucro
  • downstream da cerveja
  • magem lucro cigarro
  • na cerveja tem petroleo?

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.