Liderança e Gestão

Comente 23.03.20 244 Visualizações Imprimir Enviar
Administração Científica de Taylor

Administração Científica de Taylor: já publicamos aqui no Blogtek o artigo Fayol – releitura de clássicos da administração, e Relembrando Henry Ford. Hoje, ao abordarmos a administração científica de Taylor, teremos apresentado os conceitos daqueles que são considerados até hoje o tripé da moderna administração. Ford, com a visão do Dono, Fayol, com a visão do Gestor, e agora Taylor, com a visão do Trabalhador (ainda que existam muitas críticas aos seus estudos de tempos e movimentos, ao afirmar que suas ideias transformaram o homem em máquina).  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui abaixo, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Administração Científica de Taylor – origens

Frederick Taylor foi um engenheiro mecânico norte americano. Porém, se formou após já estar trabalhando como operário e técnico em mecânica, ainda que originariamente de família rica. Após uma recessão grave em 1873, veio a necessidade de trabalhar no chão de fábrica, donde teria vindo sua visão crítica acerca de tempos e métodos de trabalho.

Em sua atuação enquanto operário, começa a estudar a racionalização do trabalho, entendendo que o trabalho deve ser decomposto, analisado cientificamente e ser estabelecido um método padronizado para o trabalho e uso das ferramentas. Os operários devem ser selecionados com base em suas habilidades para certas atividades (divisão do trabalho), de forma que o trabalho seja executado da melhor forma possível, e no menor prazo. Data desta época seu primeiro livro “Administração de Oficinas”, onde propõe que a remuneração do trabalhador deve ser feita com base na produção, como forma de incentivo.

Administração Científica de Taylor – o segundo livro

Em seu segundo livro, “Princípios da Administração Científica”, Taylor aprofunda sua análise e cria quatro princípios que fundamentam sua teoria:

  • Princípio do Planejamento – a questão do planejamento e teste do trabalho individual, decomposição de seus movimentos para obter a racionalização da execução;
  • Princípio do preparo dos trabalhadores – seleção dos operários conforme suas aptidões, e o treinamento para aumentar a produção;
  • Princípio do Controle – controle e medição do desenvolvimento do trabalho, para assegurar que o trabalho está sendo executado conforme a metodologia estabelecida;
  • Princípio da execução – a distribuição de atribuições e responsabilidades de forma a tornar o trabalho o mais disciplinado possível

Administração Científica de Taylor – críticas

Apesar de ser parte da tríade em que se baseia a Administração Moderna (Taylor, Ford, Fayol), ainda que sem nunca terem trabalhado em conjunto, Fayol foi um dos mais ásperos críticos de Taylor.

Fayol entendia que os princípios criados por Taylor iam de encontro ao que Fayol preconizava, como o princípio da unidade de comando.

Abaixo mostramos o cronograma com as datas de nascimento e morte destes três criadores da Administração Moderna, e pode se ver que Taylor tem uma vida curta, principalmente comparada à longevidade de Fayol e Taylor, o que pode ter prejudicado alguma posterior reanálise de Taylor.

Administração Científica de Taylor
Administração Científica de Taylor

Lenin e Stalin eram entusiastas do taylorismo, porém nunca conseguiram de fato implantá-lo na União Soviética. E houve, dentre os socialistas, fortes críticas ao taylorismo, por levar ao esgotamento progressivo dos trabalhadores, e a degradação do trabalho, ao torná-lo monótono, repetitivo e desgastante, sem incentivo para o crescimento intelectual e emocional dos trabalhadores.

O fato de Taylor ter falecido antes do advento da Revolução Soviética, e ao crescimento industrial pós Primeira Guerra Mundial, não permitiu que eventualmente Taylor fizesse alguma reavaliação de seus princípios.

Em tempos de Indústria 4.0, do ambiente competitivo atual, onde mais do que o volume de produção, se destaca a necessidade de inovação, pode de certa forma obscurecer os feitos de Taylor, porém inegavelmente este teve o mérito de ser o primeiro a avaliar cientificamente o trabalho, e a fazer uma análise da indústria Bottom-Up, de baixo para cima.

Taylor foi ainda um dos presidentes da ASME – American Society of Mechanical Engineers.

Estamos sempre publicando dicas e sugestões para Gerenciamento, Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção. Toda semana, um artigo e um vídeo (youtube.com/c/blogtek). Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui abaixo em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Incoming search terms:

  • lista verificação vida

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.