Gerenciamento de Projetos

9 Comentários 25.01.13 10932 Vizualizações Imprimir Enviar
Aceleração de Projetos – Crashing – Parte I

Resumo:

Aceleração de Projetos: Método para encurtar a duração de um projeto, ao menor custo possível, utilizando conceito de custo de aceleração.

Aceleração de Projetos: Conceito de Crashing

Ao elencarmos todas as atividades de um projeto, com as respectivas durações e recursos alocados, teremos o prazo do projeto. Pode ocorrer que este prazo atenda às necessidades do empreendimento, porém é muito comum se buscar um prazo menor para a realização do projeto. Há algumas técnicas utilizadas para este propósito, das quais hoje abordaremos o crashing, eventualmente denominado PERT-custo.

Esta técnica se baseia no fato de que algumas atividades podem, sob certas circunstâncias, serem aceleradas, ou seja, serem realizadas em menor prazo. Normalmente, a primeira ideia que ocorre é o aumento de recursos, seja em quantidade, seja pela adoção de mais turnos de trabalho, ou ainda pela prática de horas-extras. Muitas fontes de referência definem crashing como sendo o aumento de recursos, porém, ainda que esta seja uma opção muito comum, há outras maneiras de acelerar tarefas.

Uma atividade de concretagem pode ser acelerada com a utilização de aceleradores de cura, uma pintura pode ter sua secagem abreviada por métodos térmicos de secagem, processos de solda manuais, com eletrodos revestidos, podem ser substituídos por processos automáticos ou semiautomáticos.

Serviços de manutenção ou montagem no interior de uma torre podem ter restrições relativas à quantidade de trabalhadores em seu interior, pela sobreposição de serviços, os quais poderiam ser evitados, permitindo a alocação de maior efetivo nestes serviços, caso exista a possibilidade de remover a torre e colocá-la em um berço, na horizontal. O mesmo raciocínio pode ser aplicado ao refratamento de uma chaminé de grande porte.

Todas estas alternativas elencadas para a redução do prazo de realização das atividades tem um traço em comum: implicam em maiores custos. Portanto, caberá ao Gestor do Projeto selecionar as alternativas que impliquem em menores aumentos de custos.

Aceleração de Projetos: Custo de Aceleração

Para nortear esta tarefa de seleção, um parâmetro importante é o chamado Custo de Aceleração, definido como a razão entre o aumento do custo e o ganho de prazo. Simbolicamente, teremos:


Obviamente, devemos escolher em primeiro lugar para aceleração as atividades de menor custo de aceleração. No entanto, há um cuidado a ser tomado: diminuir uma atividade que não pertença ao caminho crítico não irá reduzir o prazo do projeto.

Portanto, devemos escolher atividades do caminho crítico e que tenham os menores custos de aceleração. Porém, ao reduzirmos as durações de atividades do caminho crítico, o caminho crítico pode mudar.

Aceleração de Projetos: Passos para execução do Crashing

Vejamos o exemplo a seguir, o qual ilustra um pequeno projeto, com as respectivas dependências e suas durações e custos, em regime normal e em regime acelerado:

O diagrama de rede tem o seguinte aspecto:

A duração deste projeto será:

Caminho ABEH →  4d+ 10d + 6d + 4d = 24 dias

Caminho ACFH → 4d + 8d + 6d + 4d = 22 dias

Caminho DGFH → 6d + 10d + 6d + 4d = 26 dias (caminho crítico)

O projeto tem duração de 26 dias, e o custo será:

CustoA + CustoB + CustoC + CustoD + CustoE + CustoF + CustoG + CustoH = 30$ + 50$+ 100$ + 40$ + 70$ + 40$ + 80$ + 40$ = 450$

Qual será o Custo de execução deste projeto em 18 dias?

Incoming search terms:

  • gerenciamento de projetos cronograma aceleração
  • aceleramento gerenciamento de projetos
  • o que é aceleração de projeto
  • qual o caso da redução da duração de uma atividade para nao diminuir a duração do projeto
  • crashing projetos
  • oq e custo de aceleração
  • em que caso a reduçao da duraçao de uma atividade nao diminui a duraçao do projeto
  • conceito crashing
  • construção acelerada (fast track) o que é
  • crashing e fast tracking projetos

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.