Gerenciamento de Projetos

2 Comentários 25.01.13 10877 Vizualizações Imprimir Enviar
Aceleração de Projetos – Crashing – Parte II

Aceleração de Projetos: No post anterior, vimos um projeto de duração 26 dias, a um custo de 450$, e gostaríamos de saber o custo para executar este projeto em 18 dias.

Aceleração de Projetos: Cálculo do Custo de Aceleração

Calculando o custo de aceleração de cada atividade:

Ao longo do caminho crítico DGFH, a atividade de menor custo de aceleração é a atividade D, a qual permite uma redução de 4 dias, aumentando o custo em 20 $; temos que recalcular o caminho crítico:

Agora, a duração do projeto será:

Caminho ABEH → 4d + 10d + 6d + 4d = 24 dias (caminho crítico)

Caminho ACFH → 4d + 8d + 6d + 4d = 22 dias

Caminho DGFH → 2d + 10d + 6d + 4d = 22 dias

O projeto tem duração de 24 dias, e o custo será:

CustoA + CustoB + CustoC + CustoD + CustoE + CustoF + CustoG + CustoH = 30$ + 50$+ 100$ + 60$ + 70$ + 40$ + 80$ + 40$ = 470$

No caminho ABEH, a atividade de menor custo de aceleração é a atividade B, a qual reduz a duração em 4 dias, a um custo adicional de 40$.

Na realidade, reduzir a atividade B em 4 dias já levará o caminho ABEH a uma duração menor do que os outros dois caminhos, ACFH e DGFH, o que pode suscitar o questionamento: é possível uma aceleração parcial? Depende. Se tivermos utilizado um método construtivo mais eficaz, o custo já terá sido incorrido, e não adianta fazer
uma aceleração parcial. Se estivermos acelerando a atividade através de mais recursos, poderemos não incrementar tanto os recursos, e fazer uma aceleração parcial. Admitamos, até para haver continuidade no processo, que seja necessária uma aceleração total. Teremos então:

Caminho ABEH →  4d+ 6d + 6d + 4d = 20 dias

Caminho ACFH → 4d + 8d + 6d + 4d = 22 dias (caminho crítico)

Caminho DGFH → 2d + 10d + 6d + 4d = 22 dias (caminho crítico)

O projeto tem duração de 22 dias, e o custo será:

CustoA + CustoB + CustoC + CustoD + CustoE + CustoF + CustoG+ CustoH = 30$ + 90$+ 100$ + 60$ + 70$ + 40$ + 80$ + 40$ = 510$

Agora, será necessário acelerar ambos caminhos ACFH e DGFH. Em ambos caminhos, a atividade de menor custo de aceleração é a atividade F (pois a atividade D já tinha
sido acelerada), a qual permitirá uma redução de 4 dias, a um custo adicional de 40$. Teremos então:

 

Caminho ABEH → 4d + 6d + 6d + 4d = 20 dias (caminho crítico)

Caminho ACFH → 4d + 8d + 2d + 4d = 18 dias

Caminho DGFH → 2d + 10d + 2d + 4d = 18 dias

O projeto tem duração de 20 dias, e o custo será:

CustoA + CustoB + CustoC + CustoD + CustoE + CustoF + CustoG + CustoH =30$ + 90$ + 100$ + 60$ + 70$ + 80$ + 80$ + 40$ = 550$

 

A atividade B já foi acelerada, e dentre A, E e H, a de menor custo de aceleração é a atividade E, que permitirá uma redução de 2 dias, a um custo adicional de 30$.

Então, teremos a seguinte configuração final do diagrama de rede:

Caminho crítico 6

 

 

O projeto tem duração de 18 dias, e o custo será:

CustoA + CustoB + CustoC + CustoD + CustoE + CustoF + CustoG + CustoH =           30$ + 90$ + 100$ + 60$ + 100$ + 80$ + 80$ + 40$ = 580$

Portanto, o projeto inicial seria realizado em 26 dias, a um custo de 450$, e pode ser realizado em 18 dias, a um custo de 580$.

O custo médio de aceleração médio será de 130$/8 dias ≈ 16 $/dia.

Este custo deve ser comparado ao retorno que a produção antecipada poderá gerar, para definir se vale ou não a pena acelerar o projeto.

 

Incoming search terms:

  • pert custo
  • aceleração de projetos
  • projetos de aceleração
  • aceleração de rede pert cpm
  • caminho critico custo medio
  • aceleração da rede pert
  • Acelerar atividades pert
  • cálculo de crashing em projetos
  • reducao do caminho critico
  • crashing independente do custo

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.
Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Newsletter

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.