Menu

10 escolas de Planejamento Estratégico

Stonner Comente 12.03.18 2013 Vizualizações Imprimir Enviar

10 escolas de Planejamento Estratégico: já publicamos aqui no Blogtek diversos artigos sobre Planejamento Estratégico, Planejamento de Cenários, Aspectos Táticos e  Estratégicos no Gerenciamento de Projetos. Se tivéssemos que definir Planejamento Tradicional e Planejamento Estratégico em apenas uma frase eu recorreria a duas músicas, do Cazuza e do Geraldo Vandré. O Planejamento Tradicional é retratado na estrofe de Cazuza, em “O tempo não para”:

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Eu vejo o futuro repetir o passado
Eu vejo um museu de grandes novidades
O tempo não para
Não para, não, não para…

É isto que muitos empresários, empreendedores, gerentes de projeto fazem: acreditam que o futuro irá repetir o passado…

Já o Planejamento Estratégico é melhor caracterizado pela letra de Vandré, em “Pra não dizer que não falei de flores” ou “Caminhando”: Quem sabe faz a hora, não espera acontecer…

Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

10 escolas de Planejamento Estratégico – Henry Mintzberg

Obviamente, a formulação do PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO depende das características do líder ou dos líderes da Organização, do ambiente interno, do ambiente externo, forças e fraquezas da organização, ameaças e oportunidades do cenário externo. Por isso não há uma única maneira de formular o planejamento estratégico. Henry Mintzberg, escritor canadense autor de diversos livros sobre administração, formulou 10 diferentes maneiras de elaborar o planejamento estratégico, as quais ele chamou de escolas de formulação do Planejamento Estratégico. Veremos neste artigo resumidamente as características das 10 escolas de Planejamento Estratégico. Nos próximos artigos do Blogtek, veremos cada uma dessas escolas com mais detalhe.

10 escolas de Planejamento Estratégico – Design 

A escola de Planejamento Estratégico denominada Design se propõe a preencher as brechas, os gaps, entre as capabilidades internas e as possibilidades externas. É usualmente formulada pelo líder da Organização, pelo CEO. Esta é justamente uma de suas limitações: é um produto quase que de uma só pessoa, não envolvendo, e portanto não obtendo o comprometimento de toda a Organização. Ademais, deixa de absorver muitos aspectos que podem não ter sido percebidos pela Alta Administração.

Este modelo surgiu em 1957 com o lançamento do livro de Philip Selznick’s “Leadership in Administration”, seguido do livro de Alfred D. Chandler’s “Strategy and Structure” in 1962. Este foi o modelo predominante de planejamento estratégico até a década de 70

10 escolas de Planejamento Estratégico – Planejamento

Esta escola se desenvolveu em paralelo à escola do design porém se popularizou a partir de 1965, através da publicação do livro Estratégia Empresarial, de Igor Ansoff.

Como o nome indica, essa escola do Planejamento segue um planejamento definido. Ou seja, a definição dos objetivos, a avaliação do ambiente externo, do ambiente interno, a avaliação da estratégia a ser proposta, a avaliação da operacionalização e a criação do cronograma de implementação.

O planejamento estratégico surge a partir de um processo de planejamento formal e consciente, composto de diversas etapas, com apoio de listas de verificação e utilização de técnicas de planejamento.

Ainda que o responsável pelo processo seja o executivo da organização, a execução do processo fica a cargo da equipe. A estratégia definida através deste processo estava sempre coerente com os objetivos, orçamento, e planos operacionais da empresa.

10 escolas de Planejamento Estratégico – Posicionamento

A escola do Posicionamento difere das anteriores, porque ao invés de criar o seu próprio planejamento estratégico, busca as referências existentes no ambiente de negócios, e adapta as estratégias para a organização. Esta escola se desenvolveu na década de 1980, a partir do livro de Michael Porter. Utiliza-se bastante das referências do livro “A arte da Guerra”, de Sun Tzu.

Para o desenvolvimento desta estratégia, a participação de Analistas de Negócios (business analysts) é fundamental. Uma das preocupações com relação a esta escola é o foco predominantemente econômico, e o fato de não criar um processo de aprendizado, porém de adaptação.

10 escolas de Planejamento Estratégico – Aprendizado

A escola do aprendizado se baseia fortemente em Lições Aprendidas, seja no ambiente interno, seja no ambiente externo. Portanto, procura repetir o que deu certo. O que obviamente é adequado quando temos um cenário estável, porém não em um mundo como o atual, globalizado, e em constante mudança.

10 escolas de Planejamento Estratégico – Cultural

A escola cultural se baseia fortemente em crenças e valores da Organização. A estratégia na escola cultural é elaborada através do forte envolvimento de toda organização, e é muito utilizada nos processos de fusões e aquisições, pois é muito adequada para criar uma cultura única para toda a Organização.

Uma limitação descrita para esta escola de formação de Planejamento estratégico é a resistência cultural às mudanças. A utilização desta escola tende a perpetuar a estratégia vigente, não sendo portanto adequada para adequação a novos cenários competitivos.

10 escolas de Planejamento Estratégico – Poder 

Nesta escola, são as pessoas que detém o poder que estabelecem e definem a estratégia. Não são necessariamente pessoas dentro da Organização, podem ser os clientes, as partes interessadas (stakeholders) ou os líderes da Organização, formais ou informais.

Nesta formatação, há uma menor tendência à resistência às mudanças. Em contrapartida, há o risco dos detentores do poder não se atualizarem, não processarem os “feedbacks” recebidos, e em função disto estagnarem a estratégia, o que vai contra os princípios do Planejamento estratégico.

10 escolas de Planejamento Estratégico – Cognitiva

Neste processo, busca-se captar e entender os usuários e clientes. É um processo mental e psicológico, utilizando pesquisas, esquemas, entrevistas, na busca do entendimento dos anseios do cliente.

A limitação deste processo é que este se baseia na percepção do cliente HOJE. E atualmente, muitas vezes não temos a menor ideia do que virá a ser nosso objeto de desejo do futuro. Basta ver quantos gadgets existem hoje, sem os quais nos sentiríamos perdidos, porém que nunca imaginávamos que pudessem existir algum dia.

Há uma anedota, sobre um turista passeando nos arredores de Seattle, e observou que em diversas árvores havia uma flecha, cravada bem no centro do alvo. Ao comentar com seu amigo local sobre a excelente pontaria do arqueiro, seu amigo riu e disse: “Que nada, isto são flechas atiradas pelo jovem Bill, da família Gates…ele dispara as flechas, e depois pinta o alvo.”.

Ou seja, não se deve seguir o desejo consumidor, porém criar novos desejos. Ito é muito presente no mundo atual.

10 escolas de Planejamento Estratégico – Empreendedora

Esta escola de formulação de estratégia é fortemente centrada no CEO (Chief Executive Officer), porém, de forma oposta a escola do Planejamento, é fortemente baseada na intuição. Sua implementação requer um líder criativo, e este modelo se adequa muito às start-ups e empresas de nicho de mercado.

É um processo informal de elaboração da estratégia, e se caracteriza pelo forte controle pessoal que o líder detém sobre o processo de implementação da estratégia.

10 escolas de Planejamento Estratégico – Ambiental

A palavra Ambiental aqui não se refere ao sentido ecológico da palavra, porém ao sentido de AMBIENTE de negócios.

A estratégia, segundo esta escola, é formada a partir da demanda e postura do mercado ou ambiente de negócios. A Organização que formula sua estratégia segundo este conceito deve responder às forças do Mercado. E esta é justamente uma das principais fraquezas deste modelo, pois o Mercado está em constante mudança, e este modelo é totalmente reativo, e não pró-ativo.

10 escolas de Planejamento Estratégico – Configuração

Esta escola se propõe a ser uma síntese de todas as anteriores. Muitas vezes, a  Organização está em um ambiente sereno e estável, porém subitamente pode se ver imersa em um ambiente de profundas transformações.

Portanto, deve-se estar atento às mudanças, e adotar o modelo adequado a ada momento empresarial: design conceitual, planejamento, aprendizado, reação ao mercado.

As críticas a este modelo, que seria ideal em sua essência, é como fazer a adequada transição entre os momentos do ambiente de negócios: como perceber as mudanças, ter agilidade na adequação, implementar mudanças estratégicas.

10 escolas de Planejamento Estratégico – Resumo e Gráfico

Obviamente não há escolha certa. Tudo irá depender do ambiente, da organização, das pessoas. Abaixo vemos alguns possíveis quadrantes de aplicação, e uma tabela resumo.

10 escolas de Planejamento Estratégico

10 escolas de Planejamento Estratégico – quadrantes de utilização

 

10 escolas de Planejamento Estratégico

10 escolas de Planejamento Estratégico – tabela resumo

Cada uma dessas escolas de Planejamento Estratégico será abordada em artigos futuros aqui no Blogtek. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Incoming search terms:

  • tabelha de hazop
  • matriz de risco transporte
  • modelo de matriz de risco de segurança
  • tabela de hazop
  • seriado dine e um gênio
  • 10 Escolas do Planeamento Estrategico e o seu Caracter Prespectivo e Normativo
  • 10 escolas do planejamento
  • 5 PORQUES FERAMENTAS
  • jeanne é um gênio fotos
  • modelo de matriz de risco

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

Gerenciamento de Projetos

Curva mais cedo, curva mais tarde

Comente Stonner 20.08.18
Liderança e Gestão

Inovação estratégica – desafios e oportunidades

2 Comentários Stonner 13.08.18
Gestão da Manutenção

CTQ – Critical to Quality

Comente Stonner 31.07.18
Gerenciamento de Projetos

Cuidado com as querências – zele pelo escopo

Comente Stonner 23.07.18
Gerenciamento de Projetos

Etiqueta ou conteúdo – marca da empresa ou valor da equipe

Comente Álvaro Passos 21.07.18

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

85 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

63 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

45 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2018 Blogtek.