Menu

VIP – Value Improvement Practice

Stonner 7 Comentários 04.08.13 3923 Vizualizações Imprimir Enviar

Vimos em recente artigo aqui no Blogtek, as diferenças entre Lições Aprendidas, Boas Práticas e as VIP – Value Improvement Practice. A respeito das VIP – Value Improvement Practice, vimos que estas são resultado de um trabalho estruturado e organizado, e que para cada uma delas há objetivos definidos, e momentos adequados de sua aplicação.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

 

 

VIP – Value Improvement Practice – Introdução

VIP (Value Improvement Practices) são procedimentos formais e estruturados os quais, quando adequadamente aplicados, ajudam a atingir as metas de projeto, relativas a Custos, Prazos e Operabilidade, de acordo com os requisitos de Saúde, Meio Ambiente e Segurança.

VIP’s são esforços focados que transcendem as Boas Práticas de Engenharia.

A Metodologia dos Portões (já abordada aqui no Blogtek), onde são estabelecidas as fases do projeto, é mandatória para o sucesso das VIP’s. Sem esta metodologia, as VIP’s não contribuem com todo seu potencial.

Fator crítico de sucesso é a Seleção e Planejamento das VIP’s. Os benefícios das VIP’s dependem de sua utilização no momento oportuno do Projeto.

O Processo de Seleção das VIP’s e seus resultados devem ser formalmente registrados.

VIP – Value Improvement Practices – Resumo das mais comuns

As seguintes práticas foram estatisticamente analisadas e validadas, pelo IPA (Independent Project Analysis) e por outras organizações da área de Consultoria em Projetos, e são usadas na Petrobras, e, de forma geral, em empreendimentos da área de óleo e gás:

1.  Seleção de Tecnologia: busca assegurar que tenham sido consideradas todas as alternativas tecnológicas para o Projeto. Busca identificar a tecnologia mais adequada ao projeto, em termos dos parâmetros considerados mais relevantes para o Projeto, em termos de Custo, Prazo, Operabilidade, Confiabilidade, Segurança, Qualidade. Esta prática sistematiza e otimiza a pesquisa e busca de tecnologias.

2.  Classes de Qualidade de Planta: visa estabelecer qual classe (padrão) de qualidade das instalações atende aos requisitos do Projeto em termos de possibilidade de expansão, manutenibilidade, segurança operacional e confiabilidade. Alinha as características da planta aos objetivos do Projeto.

3.  Minimização de Resíduos: é uma Prática extremamente importante no cenário de restrições ambientais. É o estudo feito em cada fluxo de processo, para identificar a formação de resíduos do processo, e como estes podem ser minimizados ou eliminados, ou ainda, transformados em subprodutos comercializáveis. Minimiza os impactos ao meio ambiente, e facilita o licenciamento ambiental.

4.  Customização de Normas e Especificações: Indispensável em projetos internacionais, para garantir que normas devem ser utilizadas, e verificar a compatibilidade entre normas de diferentes países. É também aplicada para assegurar que os custos das instalações não sejam aumentados, através da aplicação de normas e procedimentos que possam exceder as necessidades reais da planta. Diminui a quantidade de documentos, e lhes dá consistência.

5.  Simplificação de Processo: identificação de oportunidades de eliminar equipamentos ou diminuir seu porte, combinando etapas do processo de forma a otimizar custos, prazos e operabilidade. Reduz o Life Cycle Cost (custo do ciclo de vida) do Projeto

6.  Engenharia de Valor (Análise de Valor): consiste em sistematicamente avaliar as funções do Projeto, identificando o que é essencial ao escopo, buscando obter o menor custo, e eliminar o que não agrega valor. Reduz Custos de Investimento (CAPEX) e Custos Operacionais (OPEX). 7.  Modelagem de Confiabilidade do Processo

8.  Manutenção Preditiva: estuda detalhadamente o monitoramento do processo, para melhorar a operabilidade e a manutenibilidade da planta, otimizando os requisitos de manutenção. Investe na busca de mecanismos de identificação precoce de falhas, buscando evitar paradas desnecessárias. Aumenta o tempo de campanha das unidades e diminui os prazos de manutenção.

9. Projeto para a Capacidade Estabelecida: busca evitar “fatores de segurança” desnecessários, ou seja, projetar de forma adequada à capacidade máxima dos equipamentos, sem estabelecer margem adicional para eventuais ampliações improváveis de ocorrerem. Reduz o investimento, e otimiza os custos operacionais.

10. Otimização Energética: procura otimizar o uso de energia, através de melhorias no balanço térmico e energético do processo. Reduz o consumo de energia (parte integrante do OPEX)

11. Definição e Aplicação de Ferramentas de TI e CAD 3D: extremamente importante me projetos de ampliação de unidades, para evitar interferências entre as novas instalações com as existentes, procura otimizar também as sequências de construção e montagem através da modelagem 3D, facilitando o planejamento e execução da construção. Facilita o detalhamento do projeto, e o treinamento dos operadores.

12. Revisões de Construtibilidade: VIP mandatória para grandes Obras. Avalia sistematicamente o projeto básico e de detalhamento, buscando identificar implicações na facilidade construtiva durante a montagem. Reduz o prazo de construção e montagem, aumenta a segurança das operações de montagem.

VIP – Value Improvement Practices – Características

Entre essas 12 VIP’s, cerca de 30% a 60% devem ser selecionada para cada projeto (de 3 a 7 VIP’s). Cada VIP tem um determinado momento ótimo de utilização durante o projeto. No Plano de Implementação das VIP’s, o qual é um capítulo do Plano de Execução do Projeto, a equipe do projeto irá definir porque foram selecionadas estas VIP’s, e que critérios foram utilizados.

VIP - Value Improvement Practice: Níveis

VIP – Value Improvement Practice: Níveis

VIP – Value Improvement Practices – Quando e Porque aplicar

VIP - Value Improvement Practice: Nível estratégico

VIP – Value Improvement Practice: Nível estratégico

VIP - Value Improvement Practice: Nível tático

VIP – Value Improvement Practice: Nível tático

VIP - Value Improvement Practice: Nível operacional

VIP – Value Improvement Practice: Nível operacional

VIP - Value Improvement Practice: Aplicação

VIP – Value Improvement Practice: Aplicação

VIP – Value Improvement Practice – Ganhos na utilização

VIP - Value Improvement Practice - Ganhos na utilização

VIP – Value Improvement Practice – Ganhos na utilização

 

 

 

 

Incoming search terms:

  • value improving prectices

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Publicidade

Gerenciamento de Projetos

Síndrome do estudante – procrastinação

Comente Stonner 20.11.17
Liderança e Gestão

Planejamento de cenários – estratégia na incerteza

Comente Stonner 13.11.17
Gerenciamento de Projetos

O projeto como parte do negócio – PMBOK Guide sexta edição

Comente Stonner 06.11.17
Gerenciamento de Projetos

Lei de Parkinson – expansibilidade do trabalho

1 Comentário Stonner 30.10.17
Gerenciamento de Projetos

Joint Confidence Level (JCL) – análise simultânea de custo e prazo

2 Comentários Stonner 23.10.17

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Loading...Loading...
Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2017 Blogtek.