Menu

Tarefa controlada pelo empenho

Stonner 8 Comentários 30.07.14 3255 Vizualizações Imprimir Enviar

Tarefas controladas pelo empenho: recentemente ouvi um excelente podcast do Ricardo Vargas (http://goo.gl/QUfJM3) sobre tarefas controladas pelo empenho, esclarecendo muitos aspectos. O Blogtek já havia abordado o assunto, sem maior profundidade, no artigo MS Project – Dicas e Pegadinhas. Hoje iremos dar mais exemplos. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Tipos de Tarefa

Para melhor entendimento, vamos entender os tipos de tarefa existente no Project. São baseados nas três variáveis: Unidades (recursos de trabalho), Duração (tempo de execução da tarefa) e trabalho (empenho ou esforço para realização da tarefa, usualmente expresso em Homens-Hora). A equação que inter-relaciona as três variáveis é:

Trabalho = Unidades x Duração

Os três tipos de tarefa existentes são:

  • Duração Fixa
  • Unidades Fixas
  • Trabalho Fixo

A lógica de cada tipo é fixar a variável, ou seja, se alguma das outras duas variáveis for modificada, a variável fixa é mantida constante, imutável, só a outra variável muda para se ajustar.

Até o Project 2007, cada tarefa podia ser configurada em cada um dos tipos, diretamente no cronograma, na lista de tarefas. Já no Project 2013, para habilitar as opções Tipo da Tarefa e Controlada pelo Esforço, as tarefas tem que estar agendadas automaticamente, como se vê a seguir:

Controlada pelo Empenho: agendamento automático para habilitar escolha

Controlada pelo Empenho: agendamento automático para habilitar escolha

Controlada pelo empenho

Além do tipo de tarefa, estas podem ser também classificadas como Controladas pelo Empenho, ou não (o Project 2013 usa o termo Controlada pelo Esforço). A ideia básica deste conceito é de, quando a tarefa é controlada pelo empenho, o acréscimo de mais recursos diminui a duração, e vice-versa.

Parece interessante, mas há alguns pontos a ponderar:

  • Acrescentar mais recursos com características (habilidades profissionais) distintas não afeta a duração: acrescentar instrumentistas a uma atividade de solda não contribui para reduzir a duração.
  • A relação não é necessariamente matemática: dobrar o efetivo de 15 pedreiros pode gerar problemas de dispersão e controle, e o prazo pode não ser reduzir exatamente à metade.
  • Há tarefas cujas durações independem dos recursos: por exemplo, tratamento térmico de juntas soldadas.

Exemplo prático

Imaginemos que para abrir as bocas de visita de um reator, tenhamos estimado 8 horas de duração para a tarefa, utilizando dois caldeireiros (trabalho = 16 Hh), como mostra a figura a seguir, onde a mesma tarefa foi colocada de 5 diferentes modos (Controlada ou não pelo empenho versus unidades fixas, duração fixa, ou trabalho fixo). O total são 5 diferentes combinações, pois quando utilizamos Trabalho Fixo, por definição, a tarefa será Controlada pelo Empenho.

 

Controlada pelo Empenho: as possíveis combinações Tipo de Tarefa x Controlada pelo Esforço

Controlada pelo Empenho: as possíveis combinações Tipo de Tarefa x Controlada pelo Esforço

Após termos cadastrado a atividade, um experiente supervisor de manutenção nos lembra que este reator trabalha com altas pressões, portanto os estojos (parafusos) são apertados com torque muito elevado. Após uma campanha, muitas vezes estes parafusos se oxidam, sendo necessário aplicar calor para facilitar a abertura dos parafusos, ou até mesmo, cortar os estojos com maçarico. Para tal, é necessário alocar nesta atividade também um maçariqueiro. Esta alocação do maçariqueiro não tem a intenção de reduzir o prazo, apenas adequar o efetivo às necessidades da tarefa. No entanto, observe na figura abaixo o que ocorre:

Controlada pelo Empenho: os efeitos do acréscimo de recursos

Controlada pelo Empenho: os efeitos do acréscimo de recursos

Unidades fixas, não controlada pelo empenho: a duração continuou a mesma, o recurso foi acrescido (2 caldeireiros e 1 maçariqueiro), como era desejável. O que mudou (não aparece na figura) foi o Trabalho, que passou de 16 Hh para 24 Hh.

Unidades fixas, controlada pelo empenho: foram acrescidos os recursos, porém o software entende que o recurso adicional reduz a duração, que passa para 5,33 horas (como o trabalho continua 16 Hh, e temos agora 3 recursos, 16 Hh/3 = 5,33 horas). Este, porém, não é o resultado que desejávamos.

Duração fixa, não controlada pelo empenho: o comportamento é similar ao que ocorre para Unidades fixas, não controlada pelo empenho.

Duração fixa, controlada pelo empenho: a duração é mantida, porém como o trabalho é fixo (16 Hh), os recursos são ajustados para manter este Hh: 1,33 caldeireiros e 0,67 maçariqueiros. Também não é o resultado que queremos.

Trabalho fixo: a duração é ajustada (5,33 horas) para manter o total de 16 Hh. Não!

Particularmente, prefiro usar as tarefas com unidades fixas, e não controladas pelo empenho. Os ajustes de duração e recursos são feitos manualmente, conforme a experiência do planejador.

Breve, publicaremos mais artigos aspectos de utilização do MS-Project. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Incoming search terms:

  • livro a dlant de Ricardo Vargas
  • o que é controlado pelo empenho no project
  • project controlada pelo empenho

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

  • Decio Ferreira Pedrosa

    Stonner:
    Muito esclarecedor, didático e extremamente útil para todos nós, neófitos ou não na arte de planejar.
    Parabéns !

  • Paulo Rodrigues

    Muito esclarecedor, muito bom!

  • Obrigado, Paulo, seja bem vindo ao Blogtek!

  • Como sempre professor dando bons exemplos e simplificando as coisas.
    Boas lembranças da época da REDUC nos contratos de manutenção, ainda nessa época fiz o primeiro treinamento em apostila do MSP 97 e anos depois da publicação do Livro Ferramentas de Planejamento.
    Mais uma vez ao Retornar ao Brasil fui o primeiro planejador do Consórcio GSF e tendo novamente a honra de estar diariamente ao lado do Grande professor Stonner.
    Atualmente estou em Angola em função de melhores condições oferecidas, espero um dia quem sabe ter novamente a honra de trabalhar com o Stonner, que sempre foi e será minha inspiração profissional.
    Valeu Mestre.

  • Charles

    Concordo com você, principalmente quando se trata de projetos que envolvam serviços, deve-se usar duração fixa e desabilitar a opção “Novas tarefas são controladas pelo empenho” em Opções/Cronograma

  • Caramba, muito obrigado, Hélio!!! Sucesso em sua trajetória!!! Divulgue o Blogtek em Angola…rsrsrsrsrsrs….grande abraço!!!

  • Pois é, Charles, nós que temos muito tempo de estrada sabemos como o “Controladas pelo empenho” podem nos atrapalhar!!! rsrsrsrsrsrs

  • Pingback: blogtek.com.brÍndice de artigos do Blogtek - blogtek.com.br()

Publicidade

Gerenciamento de Projetos

Contratos EPC e EPCM – diferenças, vantagens e desvantagens

Comente Stonner 18.09.17
Liderança e Gestão

Diagrama Matricial – uma das sete ferramentas de gerenciamento

Comente Stonner 11.09.17
Gestão da Manutenção

O elo frágil da Gestão de Ativos

Comente Stonner 04.09.17
Gerenciamento de Projetos

Avalie a Comunicação em sua empresa ou organização

Comente Stonner 28.08.17
Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento das Partes Interessadas

Comente Stonner 21.08.17

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Loading...Loading...
Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2017 Blogtek.