Menu

Petronas Towers

Stonner Comente 06.03.17 703 Vizualizações Imprimir Enviar

Petronas Towers – histórias de grandes projetos:  Petronas é a empresa nacional de óleo e gás da Malásia, que ocupa uma das duas mundialmente conhecidas torres.  Neste artigo iremos conhecer um pouco da história deste projeto bem-sucedido… em contraponto a inúmeros projetos malsucedidos já abordados aqui no Blogtek, tais como o Boston Big Dig, a caravela dos 500 anos, Ópera de Sydney, fracassos alemães. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui abaixo, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Petronas Towers – características técnicas

Petronas Towers estão localizadas em Kuala Lumpur, capital da Malásia. A ideia de sua criação veio no início dos anos 90: o então Primeiro Ministro Mahathir Mohamad queria uma obra que simbolizasse a pujança de seu país, naquele momento histórico do crescimento dos chamados “tigres asiáticos”. Inicialmente idealizada para ter 88 andares e uma altura de 427 metros, manteve o número de andares, mas teve sua altura acrescida para 452 metros, quando se deu conta de que viria a ser o mais alto edifício do mundo, através do acréscimo de um domo ao seu topo. Com este acréscimo, as Petronas Towers ultrapassaram as Sears Towers, naquele momento o mais alto edifício do mundo. De fato, em se considerando o padrão habitual de pé direito da maioria dos andares dos prédios convencionais de 3 m, as torres teriam pouco mais de 88 x 3 = 264 m, portanto a concepção arquitetônica do arquiteto argentino César Pelli foi bastante não convencional. O projeto arquitetônico foi escolhido através de concurso.

Petronas Towers - predominando na vista de Kuala Lumpur

Petronas Towers – predominando na vista de Kuala Lumpur

Na altura dos 41º e 42º andares foi construída uma ponte de dois andares interligando as torres, a 170 metros de altura, com 58 metros de comprimento, pesando 750 toneladas, e não ligada rigidamente às torres, para evitar a quebra da estrutura em função da movimentação das torres em função dos ventos e não comprometer a estrutura da ponte.

Uma vez definido o local, iniciou-se o levantamento geotécnico do solo, e deu-se conta de que o solo era constituído de calcário e rochas frágeis, o que obrigou à colocação de 104 estacas concretadas, de 61 a 114 m!! Para evitar falhas e descontinuidades, a concretagem destas estacas foi feita de uma só vez (32.500 toneladas de concreto), durante 54 horas, o que representou um caminhão betoneira a cada 2,5 minutos, o que constitui um recorde mundial.

Petronas Towers – características gerenciais (a competição)

Petronas Towers - vista interna

Petronas Towers – vista interna

Pela magnitude do projeto, o governo decidiu fazer a licitação em duas etapas: proposta técnica e proposta comercial. Das nove licitantes, duas não passaram na fase de proposta técnica. Para a fase comercial, cada empresa ou consórcio tinha que necessariamente incluir uma empresa local, com forte participação no processo de engenharia e construção, como forma de obter transferência de conhecimento, e havia uma condição sui generis: cada empresa tinha que apresentar três propostas, uma para o conjunto de ambas torres, e uma em separado para cada torre.

Ao analisar as propostas (note que este modelo seria praticamente inviável sob a lei 8.666), observou-se que não havia vantagem significativa em fazer um contrato único para as duas torres, e, portanto, foram entregues uma torre e a ponte de ligação a um Consórcio predominantemente coreano, e a outra torre a um Consórcio majoritariamente japonês.

O Japão emergiu e conseguiu se consolidar após a derrota na Segunda Guerra Mundial, e tem diversas questões não bem resolvidas com a China, donde subsiste forte animosidade entre chineses e japoneses. Ainda que para nós ocidentais os indivíduos se pareçam muito, confundi-los pode gerar reações bastante adversas.

A Coreia do Sul também passou pela Guerra da Coreia, a qual dividiu o país em duas partes, as quais tecnicamente ainda estão em guerra, pois não foi assinado nenhum tratado de paz.

Portanto, são dois povos extremamente competitivos, e a divisão contratual gerou uma disputa pela melhor execução e cumprimento do prazo. Felizmente, os valores da cultura oriental permitiram que esta disputa ocorresse sem comprometer a qualidade dos serviços e os aspectos de Saúde, Meio Ambiente e Segurança (SMS).

Ao final, apesar de lidar com um pacote um pouco maior, pela inclusão da ponte de interligação, o Consórcio Coreano conseguiu terminar a sua parte com cerca de um mês de antecedência em relação ao Consórcio Japonês.

Petronas Towers – números

Custo: US$ 1,6 bilhão

Início dos trabalhos geotécnicos: Janeiro/1992

Início da construção: Março/1993

Conclusão da construção: Março/1996

Inauguração: Agosto/1996

Área útil: 395.000 m²

Altura: 452 m

Estamos sempre buscando dicas e sugestões para Gerenciamento, Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção, envolvendo a Gestão do Conhecimento. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

Liderança e Gestão

Planejamento de cenários – estratégia na incerteza

Comente Stonner 13.11.17
Gerenciamento de Projetos

O projeto como parte do negócio – PMBOK Guide sexta edição

Comente Stonner 06.11.17
Gerenciamento de Projetos

Lei de Parkinson – expansibilidade do trabalho

Comente Stonner 30.10.17
Gerenciamento de Projetos

Joint Confidence Level (JCL) – análise simultânea de custo e prazo

2 Comentários Stonner 23.10.17
Gestão da Manutenção

7 desperdícios da produção (Lean Manufacturing)

Comente Stonner 16.10.17

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Loading...Loading...
Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2017 Blogtek.