O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

3098 Visualizações

Por | 05 de mai de 2013 às 20:49

Tags: , , ,




Business Concept by cooldesignO que é uma Parada de Manutenção? Nas indústrias de processo, muitos dos equipamentos não podem ser retirados da produção para fins de manutenção, enquanto a planta estiver operando. Portanto, após um determinado período de tempo, denominado “campanha da unidade”, é necessário parar a planta para poder fazer manutenção em TODOS os equipamentos. É isto que denominamos Parada de Manutenção.

Parada de Manutenção – o conceito de Indústria de Processo

Em oposição às Indústrias de Fabricação, as Indústrias de Processo são definidas pela APICS (American Production and Inventory Control Society – http://www.apics.org/dictionary/dictionary-information?ID=3062) como:

Indústrias de processo são aquelas que adicionam valor aos materiais através de mistura, separação, conformação ou reações químicas. O processamento pode ser tanto contínuo como em bateladas (lotes) e geralmente requerem rígido controle do processo e alto investimento de capital.

 Processamento por bateladas:

Um processo industrial que prioritariamente programa curtos ciclos de produção de produtos.

 Processamento contínuo:

Processo no qual as interrupções são mínimas em qualquer corrida de produção ou entre corridas de produção de produtos que exibam características de processo, tais como líquidos, fibras, pulverizados, gases.

Por vezes, o termo contínuo é entendido como indústrias que trabalham 24 h/dia.

As Indústrias de Fabricação tem inúmeras etapas, consistindo de sistemas discretos (enumeráveis), enquanto nas Indústrias de Processo o sistema é contínuo e interligado. As Indústrias de Processo são indústrias da área de óleo e gás, petroquímico, siderurgia, papel e celulose, bebidas e alimentos, e fármacos.

São justamente as Indústrias de Processo, com processamento contínuo, aquelas que demandam a Parada de Manutenção, a qual ocorre após um período variável, dependendo do tipo de indústria. Mesmo dentro de uma mesma indústria, este período (tempo de campanha) varia. No refino de petróleo, unidades de destilação atmosférica e a vácuo tem uma campanha de cerca de 4 anos, unidades de processamento de gás natural (UPGN) tem campanhas em torno de 5 anos, e as caldeiras tem, por força da NR-13, campanhas de 12 meses (se a unidade tiver um Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos – SPIE – a campanha pode se estender para 18 meses). Na siderurgia as campanhas são sensivelmente menores.

Parada de Manutenção – caracterização PMI

 Night Scene Of Chemical Industrial by supakitmod2Segundo o PMI, “Projeto é um conjunto de atividades temporárias, realizadas em grupo, destinadas a produzir um produto, serviço ou resultado únicos”.

Um projeto é temporário no sentido de que tem um início e fim definidos no tempo, e, por isso, um escopo e recursos definidos.

E um projeto é único no sentido de que não se trata de uma operação de rotina, mas um conjunto específico de operações destinadas a atingir um objetivo em particular. Assim, uma equipe de projeto inclui pessoas que geralmente não trabalham juntas – algumas vezes vindas de diferentes organizações e de múltiplas geografias.

Então, percebemos claramente que uma Parada de Manutenção se enquadra no conceito de Projeto:

 

  • É formado por atividades temporárias, ou seja, a Parada de Manutenção tem início e término perfeitamente caracterizados
  • Tem um escopo muito bem definido, usualmente denominado Lista de Serviços de Parada, e tem recursos dimensionados para realizar este escopo
  • Ainda que a Parada de Manutenção ocorra regularmente em ciclos de alguns anos (campanhas), cada parada é diferente das demais em termos de escopo, prazo, recursos requeridos
  • Na Parada de Manutenção trabalham equipes múltiplas, tais como Manutenção, Operação, Inspeção, Engenharia, Suprimentos, e frequentemente são recrutados esforços em outros órgãos e locais da empresa

Ainda que a Parada de Manutenção se enquadre na definição de Projetos segundo  PMI, este evento tem características bem distintas da maioria dos Projetos, principalmente no que tange à duração (tipicamente de 20 a 45 dias, com variações que dependem do tipo de indústria) e na concentração do uso de recursos (mão de obra, equipamentos, materiais).

  • Evolução rápida dos serviços em relação ao tempo.
  • Prazos curtos para a realização, comparados à quantidade de trabalhos.
  • Grande número de frentes de trabalhos e de recursos envolvidos e significativa variedade de habilidades e especialidades.

Por estas razões, especial atenção deve ser dada ao Planejamento da Parada de Manutenção.

Parada de Manutenção – Planejamento

Definição do Escopo:

Diversos elementos contribuem para a definição do escopo de uma Parada de Manutenção. Ao término de uma Parada de Manutenção, é essencial ter-se um Relatório de Parada, no qual devem ser descritos os principais serviços executados, as dificuldades encontradas, as soluções técnicas utilizadas, recursos demandados, condições dos equipamentos, reparos executados, e eventuais reparos não executados. Este relatório é o primeiro input para a definição do Escopo.

Ao longo da Campanha, a Operação vai registrando problemas operacionais, dos quais alguns requerem imediata intervenção da Manutenção, e outros que não podem ser executados durante a campanha, irão agregar o Escopo da próxima parada de manutenção.

Registros da Manutenção ao longo da campanha também formam o escopo da próxima parada. Alguns reparos executados pela Manutenção podem ter atendido às necessidades da Operação, com a Unidade voltando a operar normalmente, porém a Manutenção pode visualizar a necessidade de um reparo mais efetivo e duradouro, a ser realizado na Parada de Manutenção.

Evidentemente, os registros da Inspeção de Equipamentos são input fundamental para a definição do escopo da próxima Parada de Manutenção: medição de espessura de tubulações e equipamentos, termografia de fornos, caldeiras, painéis e transformadores, análise metalográfica do óleo lubrificante, acompanhamento da vibração de equipamentos rotativos, etc.

A Engenharia pode estar desenvolvendo projetos de melhoria a serem implementados na próxima Parada de Manutenção, o que também será um input do Escopo da Parada de Manutenção.

As relações entre diferentes departamentos na Parada de Manutenção

As relações entre diferentes departamentos na Parada de Manutenção

O Escopo de uma Parada de Manutenção é usualmente denominado Lista de Serviços da Parada. Apesar de ser um documento dinâmico, permitindo modificações, há que se definir um momento para o Congelamento do Escopo, ou seja, um momento a partir do qual novos serviços não poderão ser incluídos. Isto porque é a partir da Lista de Serviços que é definida a Estratégia de Contratação, Compra de Materiais, Definição de Prazo da Parada, e mudanças na Lista de Serviços podem impactar severamente os resultados.

A definição do momento ideal de Congelamento do Escopo é vital, face às diferentes percepções que Manutenção e Operação têm da Parada (ver artigo aqui no Blogtek). Usualmente é também definida uma instância superior para a autorização de novos serviços na Parada, pois eventualmente isto pode ser necessário, mas não pode ser rotineiro.

Etapas do Planejamento da Parada de Manutenção

Após o congelamento do Escopo, a Lista de Serviços é consolidada, ou seja, é analisada por um grupo de preparação e planejamento da parada, buscando identificar inconsistências. Por exemplo, o histórico da Inspeção pode recomendar a manutenção em um determinado equipamento da Unidade, porém pode haver um projeto da Engenharia no qual este equipamento não será mais utilizado, sendo substituído por outro.

A Lista de Serviços consolidada é o referencial de partida para uma série de atividades cujos prazos em relação a esta data podem variar, em função das características de cada indústria, do prazo de campanha de cada unidade.

  • Estratégia de Contratação: com o conhecimento dos principais serviços, pode-se definir a estratégia de contratação, etapa muito importante em um Projeto, conforme já vimos em artigo aqui no Blogtek.
  • Aquisição dos principais materiais: alguns materiais podem ter ressuprimento automático, sendo apenas necessário ajustar parâmetros para a possibilidade de consumo acima do esperado durante a parada. No entanto, há materiais que devem ser adquiridos especificamente para a Parada.
  • Prazos da Parada: com base no macro-planejamento, será definido o prazo da parada, a ser estabelecido nos contratos a serem elaborados. Usualmente, o Planejamento Executivo é deixado a cargo das empresas que irão realizar os serviços.
  • Estrutura Organizacional: dependendo do porte da Parada, dos recursos disponíveis, das especialidades envolvidas, será definida a Estrutura Organizacional da Parada, a qual poderá ser Matricial, solução que dispende menos recursos e permite melhor aporte técnico a cada área de trabalho, ou Hierárquica (tradicional), solução que privilegia a rapidez no processo decisório e minimiza conflitos na utilização de recursos.
Estrutura Organizacional Tradicional em uma Parada de Manutenção

Estrutura Organizacional Tradicional em uma Parada de Manutenção

Estrutura Matricial em uma Parada de Manutenção

Estrutura Matricial em uma Parada de Manutenção

  • Lay-out da Estrutura da Parada: ao contrário de empreendimentos “Green field” (construção de novas unidades), a Parada ocorre em um site onde já há um Planta operando, e possivelmente outras plantas próximas estarão operando durante a Parada de Manutenção, sendo portanto vital um adequado estudo do lay-out da estrutura da parada, otimizando a utilização dos poucos espaços livres existentes, e levando em conta a necessidade do fluxo de informações e trabalho, agilizando o processo decisório.
  • Interfaces: havendo diferentes especialidades trabalhando em ritmo intenso, e compartilhando espaços reduzidos, especial atenção deve ser dada ao gerenciamento de interfaces, definindo posicionamento e rotas para máquinas de elevação de cargas, detectando interferências entre serviços, compartilhamento de recursos, etc. Seguem-se alguns exemplos de interfaces comuns em uma Parada de Manutenção:
    • Motores e bombas
    • Bombas e tubulação
    • Isolamento e pintura
    • Tubulação e pintura
    • Tubulação e isolamento
    • Caldeiraria e refratário
    • Operação e manutenção (parada e partida)
    • Campo e oficinas

A figura a seguir ilustra o sequenciamento de algumas destas principais atividades, sem considerações de prazo. O prazo deve ser ajustado às características de cada Parada, de cada indústria:

Sequenciamento das principais atividades no Planejamento de uma Parada de Manutenção

Sequenciamento das principais atividades no Planejamento de uma Parada de Manutenção

 

Incoming search terms:

  • parada de manutenção
  • treinamento grandes paradas
  • terceiro dia de parada manutençõa e ai
  • treinamento em grandes paradas de manutenção
  • plano de manutenção maquinas
  • planejamento e controle da produção SEQUENCIAMENTO DE ATIVIDADES
  • parada para manutenção
  • parada manutenção 2014
  • parada de manutecao reduc
  • oque é parada de manutencao

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

43 Comentários

    Rapaz com um material deste talvez voce tenha a resposta para a pergunta abaixo =

    Alguém conhece algum material para a confecção de um DataBook na área de solda passo a passo e/ou algum curso ?

  1. Miro Psaros disse:

    Parabéns, ótimo material de estudos.
    O Blogtek.com.br sempre nos aprimorando.

    Sds.

    Miro Psaros

  2. Cleusa M Verrastro disse:

    Excelente o texto!!!!!! Super eslarecedor muito didático!!! Parabéns!!!

  3. Alessandro Cruz disse:

    Olá Stonner, parabéns pelo seu blog, maravilho pela informação e formação de conceitos.
    Acredito ter garimpado mais uma fonte de conhecimento pela net.

  4. Alessandro Cruz disse:

    Errata – Onde se lê maravilho, digo maravilhoso

  5. Renso Pereira Rocha disse:

    Parabéns Sr.Stonner.Excelente artigo.Como estou iniciando meu TCC onde o tema é uma proposta de implantação de Gerenciamento de Projetos em Paradas de Manutenção,gostei muito do artigo,e queria aproveitar e pedir uma opinião de como eu posso começar essa implantação na empresa( que possui pouca maturidade ),com dicas,templates(se posível),bibliografias,etc.
    Abraços
    Renso

  6. Stonner disse:

    Antonio Carlos, espero que alguém dentre os leitores possa lhe dar este encaminhamento. Obrigado pela visita!

  7. Stonner disse:

    Obrigado, Miro!

  8. Stonner disse:

    Muito obrigado pelo estímulo, Cleusa. Conto com suas visitas, comentários e sugestões!

  9. Stonner disse:

    Obrigado, caro Alessandro, espero poder continuar contribuindo!!

  10. Stonner disse:

    Renso, na próxima semana irei publicar a Parte 2, e incluirei ao final uma bibliografia.

  11. Washington disse:

    Caro Stonner, qual o critério adotado para a inclusão de manutenção de válvulas de controle e válvulas de shut dow em uma parada de manutenção em planta de processo?

  12. Esta de parabéns material muito interessante e bem explicado.

    Att,

    Gleydsson

  13. Wendel luiz Cassimiro disse:

    Excelente artigo!Concerteza irá ajudar muito para quem trabalha com Grande Paradas de Plataformas deveriam ser disponibilizados aos muitos envolvidos.

  14. Stonner disse:

    Os critérios variam entre cada planta, caro Washington.

  15. Stonner disse:

    Muito obrigado, Gleydsson. Espero contar com suas visitas, sugestões e comentários.

  16. Stonner disse:

    Obrigado, Wendel. Conto com seu apoio e divulgação!!!

  17. Nilo de Moura disse:

    CARO AMIGO, LER ESTE ARTIGO DEU SAUDADE DAS PARADAS NA REDUC NO TEMPO DOS PARADÕES , NA ENGIM , VALEU A ESPLANAÇÃO ESTÁ PERFEITA .

    UM ABRAÇO , NILO DE MOURA

  18. Moschin, John disse:

    Caro Renso Pereira Rocha, Washington, Rodolfo, amigos

    Trabalhamos mais de 30 anos em refinaria da Petrobras com paradas de unidades, caldeiras, fornos, etc.
    Quem quiser trocar ideia, segue meu e-mail: moschimconsultatis@gmail.com

    Caro Renso. A Petrobras adota uma metodologia adaptada do Flow, que divide o planejamento de uma parada em seis fases. Cada fase é composta de uma série de atividades que devem ser cumpridas.
    Para se ter uma ideia, a ocupação com a próxima parada começa logo em seguida a partida da unidade para uma próxima campanha.
    Pretendo colocar toda essa experiência em um livro, assim que conseguir finalizar um sobre Análise de Riscos.

    Washington – Uma das maiores dificuldades nas paradas é o fechamento de escopo sobre válvulas em geral. Aplicamos um metodologia que deu excelentes resultados.

    abs

    Moschin

  19. Stonner disse:

    Que bom que o artigo trouxe reminiscências daquelas paradas, Nilo!

  20. Stonner disse:

    Bom saber de suas publicações, Moschin! O Blogtek está disponível para a divulgação!!!! Sucesso!

  21. Moschin, John disse:

    Bom dia Rodolfo
    Tenho dos artigos, um sobre Riscos e outros sobre Retenção do Conhecimento. Se puder republicá-los neste blog, agradeceríamos muito.
    abs
    Moschin

  22. Alexandre Jose AQUINO Vinhas disse:

    Presado Rodolfo; que DEUS continue te dando muitas saude e iluminando sua mente previlegiada, para estar sempre doando partes maravilhosas de seus conhecimento a nós. Te agradeço muito em ter conhecido (pelo seu Blog) por sua historia parte de sua vida que foi aventureira semelhante a minha… Sou Técnico Supervisor de Obras – com trabalhos realizados em Unidades da Petrobras como prestador de Serviços na Regap – Betim – MG; Repar – Araucaria – Pr; Six – São Mateus do Sul – Pr. Tenho grande interesse apesar de meus 55 anos em estudar a fundo os conhecimentos de Planejamentos de Obras, sonho em ser pelo menos um bom auxiliar nesta area (hoje comprei um Livro de sua autoria). Participando de serviços nas unidades de Petroleos nos alegrarmos muito em descobrir pessoas assim como voce. Como integrante do seu Fã clube meu muito obrigado e todas as forças do mundo em sua caminhada… Sds. Novo amigo Aquino.

  23. Stonner disse:

    Obrigado, Aquino, e fico feliz em termos nos conhecido (por enquanto, virtualmente!!). Um grande abraço, amigo aventureiro!

  24. João Luiz disse:

    Caro colega, muito rico esse texto sobre paradas de manutenção.

    Parabéns pela iniciativa.

    Grande abraço.

    Eng.º João Luiz

  25. Stonner disse:

    Muito obrigado, João Luiz!!! Aguardo seus comentários e sugestões de artigos!

  26. Jair Orlando Amorim disse:

    Sr.Stonner, obrigado pelo artigo! Na minha empresa estamos prestes a termos a “Grande Parada” ( ou “paradão” para os íntimos) provavelmente em janeiro/2014. Trabalho na área de Planejamento e sempre a mesma preocupação: é sempre deixada para a última hora o escopo das nossas paradas. Sou um dos que mais defendem a necessidade de nos antecipar, para não ter correria, mas… Enfim, gostaria do apoio dos novos colegas, como devo proceder. A minha equipe de Caldeiraria atende a todas as outras disciplinas, e sempre ficamos no aguardo das demandas (além das nossas já previamente levantadas). Agradecendo pela atenção, aguardo contatos. Obrigado.

  27. Stonner disse:

    Obrigado, Jair. O congelamento do escopo com antecedência é fundamental para o sucesso da parada, mas infelizmente depende de uma decisão superior, para que efetivamente seja válida. Se não, acabam sendo encontrados subterfúgios para inclusão de serviços de última hora, sem planejamento, muitas vezes sem material…

  28. Moschin disse:

    Caro Rodolfo, Caro Jair

    Ficar no aguardo das demais disciplina, é pratica normal e correta, desde que todos os serviços que envolvam a caldeiraria sejam levantados com prazo suficiente para analise e antes do congelamento do escopo.
    Outro fator importante- Uma recomendação de inspeção não pode vir apenas com a seguinte descrição – Abrir o equipamento para inspeção – Ela precisa descrever tudo o que será necessário fazer no interior do equipamento, mesmo que seja probabilisticamente.
    abs

  29. Stonner disse:

    Olá, Moschin, sempre muito bem colocados seus comentários. O importante é ter um prazo definido para congelamento de escopo, para permitir o adequado planejamento das atividades. E também muito pertinente sua colocação com relação à inspeção. É muito cômodo colocar “Abrir para inspeção”. Temos meios, seja através de acompanhamento de desempenho, histórico de equipamentos, para poder definir melhor as recomendações de inspeção de forma clara e detalhada, ainda que com variações probabilísticas. Felizmente pude acompanhar a evolução da Inspeção ao longo dos tempos. Nas últimas paradas que coordenei, pude ver uma Inspeção pró-ativa e trabalhando com foco no resultado: prazo, qualidade, custo, segurança.

  30. Osires Felisbino disse:

    Bom dia,
    Sou instrutor de ensino profissionalizante de cursos técnicos do SENAI-Go,
    Ministro cursos como Tecnico em manutenção automotiva, Técnico em manutenção em máquinas pesadas.
    Este material desenvolvido pelo Sr Stonner, é muito importante por conta de uma deficiência muito comum na programação e execução de manutenção em equipamentos móveis como (caminhões;ônibus;máquinas de construção pesada; equipamentos e ferramentas de manutenção) das empresas e industrias.
    Normalmente os veículos e equipamentos adquiridos pelas empresas junto a montadoras, vem com o manual de manutenção onde está descrito a manutenção em niveis de utilização mais comuns: serviço urbano, rodoviário, serviço severo e serviço extra severo. Contudo não consta nestes manuais a manutenção da frota
    como um todo.
    E é neste momento que o material desenvolvido pelo Sr Stonner vem auxiliar gestores de manutenção para faze lo a nivel integral na empresa.

  31. Stonner disse:

    Olá, Osires, muito obrigado. Prezo muito o reconhecimento daqueles que multiplicam e compartilham seus conhecimentos!

  32. Priscilla Lopes disse:

    Bom dia Stonner,
    Trabalho na TI a quase 20 anos. Comecei no antigo DEPRO, depois DEPIN e agora estou na TIC-AB na área de gerenciamento de projetos (fiz uma pós em Gerenciamento de Projetos e sou PMP). Acabei de me inscrever na Pós de Petróleo e Gás da COPPE, pois meu objetivo é trabalhar com gerenciamento de projetos na área do negócio e não mais na TI. Procurando na internet textos sobre o assunto achei o seu blog. Achei muito interessante e já me cadastrei. Seus artigos irão me ajudar muito. Parabéns pelo seu Blog.
    ps: Agora já sei quem procurar para esclarecer minhas dúvidas de gerenciamento de projetos ligado a área de negócio (rs)
    Abraços
    Priscilla

  33. Stonner disse:

    Disponha sempre, Priscilla! Obrigado!

  34. florindo de oliveira guerreiro disse:

    Muito rico em termos de gestão,sou estudioso na área de planejamento e muito me enriqueceu o seu artigo,trabalho com planejamento de obras de montagens industriais e cada vez mas ficando apaixonado pela área.

    muito obrigado

  35. Stonner disse:

    Olá, Florindo, também tenho muito prazer em trabalhar na área de planejamento!!!!!

  36. Lopes disse:

    Bom dia Stonner
    Sou Lopes Almeida, vivo em Angola (Africa) trabalho em Planejamento de manunteção , gostaria de saber onde poderia fazer alguns curso de planejamento de manutençaõ ai no Brazil ( tais como Planejamento e controle de manutenção, planejamento e controle de parada na manutençao , MS project aplicado a PCM. e outros cursos para o profissional de planejamento de Manutenção.)
    Obrigado
    Lopes.Almeida@ops-angola.com
    +244 928747992

    Lopes Almeida

  37. Stonner disse:

    Vou monitorar quando ocorrerem os cursos do meu amigo Lourival Tavares, para informá-lo. Obrigado pela visita ao Blogtek, Lopes!

  38. Edvaldo Bispo disse:

    Prezados, tenho experiência com Paradas de manutenção no gerenciamento de SMS em indústrias petroquímicas e refinarias petrolíferas. É de fundamental importância um bom planejamento e gerenciamento da dimensão SMS em atividades de Paradas de Manutenção.

  39. Stonner disse:

    Com certeza, Bispo!! Nós que somos oriundos desta área, sabemos como é importante!

  40. "

Deixe o seu comentário!