O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

9283 Visualizações

Por | 05 de mai de 2013 às 20:49

Tags: , , ,




Business Concept by cooldesignO que é uma Parada de Manutenção? Nas indústrias de processo, muitos dos equipamentos não podem ser retirados da produção para fins de manutenção, enquanto a planta estiver operando. Portanto, após um determinado período de tempo, denominado “campanha da unidade”, é necessário parar a planta para poder fazer manutenção em TODOS os equipamentos. É isto que denominamos Parada de Manutenção.

Parada de Manutenção – o conceito de Indústria de Processo

Em oposição às Indústrias de Fabricação, as Indústrias de Processo são definidas pela APICS (American Production and Inventory Control Society – http://www.apics.org/dictionary/dictionary-information?ID=3062) como:

Indústrias de processo são aquelas que adicionam valor aos materiais através de mistura, separação, conformação ou reações químicas. O processamento pode ser tanto contínuo como em bateladas (lotes) e geralmente requerem rígido controle do processo e alto investimento de capital.

 Processamento por bateladas:

Um processo industrial que prioritariamente programa curtos ciclos de produção de produtos.

 Processamento contínuo:

Processo no qual as interrupções são mínimas em qualquer corrida de produção ou entre corridas de produção de produtos que exibam características de processo, tais como líquidos, fibras, pulverizados, gases.

Por vezes, o termo contínuo é entendido como indústrias que trabalham 24 h/dia.

As Indústrias de Fabricação tem inúmeras etapas, consistindo de sistemas discretos (enumeráveis), enquanto nas Indústrias de Processo o sistema é contínuo e interligado. As Indústrias de Processo são indústrias da área de óleo e gás, petroquímico, siderurgia, papel e celulose, bebidas e alimentos, e fármacos.

São justamente as Indústrias de Processo, com processamento contínuo, aquelas que demandam a Parada de Manutenção, a qual ocorre após um período variável, dependendo do tipo de indústria. Mesmo dentro de uma mesma indústria, este período (tempo de campanha) varia. No refino de petróleo, unidades de destilação atmosférica e a vácuo tem uma campanha de cerca de 4 anos, unidades de processamento de gás natural (UPGN) tem campanhas em torno de 5 anos, e as caldeiras tem, por força da NR-13, campanhas de 12 meses (se a unidade tiver um Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos – SPIE – a campanha pode se estender para 18 meses). Na siderurgia as campanhas são sensivelmente menores.

Parada de Manutenção – caracterização PMI

 Night Scene Of Chemical Industrial by supakitmod2Segundo o PMI, “Projeto é um conjunto de atividades temporárias, realizadas em grupo, destinadas a produzir um produto, serviço ou resultado únicos”.

Um projeto é temporário no sentido de que tem um início e fim definidos no tempo, e, por isso, um escopo e recursos definidos.

E um projeto é único no sentido de que não se trata de uma operação de rotina, mas um conjunto específico de operações destinadas a atingir um objetivo em particular. Assim, uma equipe de projeto inclui pessoas que geralmente não trabalham juntas – algumas vezes vindas de diferentes organizações e de múltiplas geografias.

Então, percebemos claramente que uma Parada de Manutenção se enquadra no conceito de Projeto:

 

  • É formado por atividades temporárias, ou seja, a Parada de Manutenção tem início e término perfeitamente caracterizados
  • Tem um escopo muito bem definido, usualmente denominado Lista de Serviços de Parada, e tem recursos dimensionados para realizar este escopo
  • Ainda que a Parada de Manutenção ocorra regularmente em ciclos de alguns anos (campanhas), cada parada é diferente das demais em termos de escopo, prazo, recursos requeridos
  • Na Parada de Manutenção trabalham equipes múltiplas, tais como Manutenção, Operação, Inspeção, Engenharia, Suprimentos, e frequentemente são recrutados esforços em outros órgãos e locais da empresa

Ainda que a Parada de Manutenção se enquadre na definição de Projetos segundo  PMI, este evento tem características bem distintas da maioria dos Projetos, principalmente no que tange à duração (tipicamente de 20 a 45 dias, com variações que dependem do tipo de indústria) e na concentração do uso de recursos (mão de obra, equipamentos, materiais).

  • Evolução rápida dos serviços em relação ao tempo.
  • Prazos curtos para a realização, comparados à quantidade de trabalhos.
  • Grande número de frentes de trabalhos e de recursos envolvidos e significativa variedade de habilidades e especialidades.

Por estas razões, especial atenção deve ser dada ao Planejamento da Parada de Manutenção.

Parada de Manutenção – Planejamento

Definição do Escopo:

Diversos elementos contribuem para a definição do escopo de uma Parada de Manutenção. Ao término de uma Parada de Manutenção, é essencial ter-se um Relatório de Parada, no qual devem ser descritos os principais serviços executados, as dificuldades encontradas, as soluções técnicas utilizadas, recursos demandados, condições dos equipamentos, reparos executados, e eventuais reparos não executados. Este relatório é o primeiro input para a definição do Escopo.

Ao longo da Campanha, a Operação vai registrando problemas operacionais, dos quais alguns requerem imediata intervenção da Manutenção, e outros que não podem ser executados durante a campanha, irão agregar o Escopo da próxima parada de manutenção.

Registros da Manutenção ao longo da campanha também formam o escopo da próxima parada. Alguns reparos executados pela Manutenção podem ter atendido às necessidades da Operação, com a Unidade voltando a operar normalmente, porém a Manutenção pode visualizar a necessidade de um reparo mais efetivo e duradouro, a ser realizado na Parada de Manutenção.

Evidentemente, os registros da Inspeção de Equipamentos são input fundamental para a definição do escopo da próxima Parada de Manutenção: medição de espessura de tubulações e equipamentos, termografia de fornos, caldeiras, painéis e transformadores, análise metalográfica do óleo lubrificante, acompanhamento da vibração de equipamentos rotativos, etc.

A Engenharia pode estar desenvolvendo projetos de melhoria a serem implementados na próxima Parada de Manutenção, o que também será um input do Escopo da Parada de Manutenção.

As relações entre diferentes departamentos na Parada de Manutenção

As relações entre diferentes departamentos na Parada de Manutenção

O Escopo de uma Parada de Manutenção é usualmente denominado Lista de Serviços da Parada. Apesar de ser um documento dinâmico, permitindo modificações, há que se definir um momento para o Congelamento do Escopo, ou seja, um momento a partir do qual novos serviços não poderão ser incluídos. Isto porque é a partir da Lista de Serviços que é definida a Estratégia de Contratação, Compra de Materiais, Definição de Prazo da Parada, e mudanças na Lista de Serviços podem impactar severamente os resultados.

A definição do momento ideal de Congelamento do Escopo é vital, face às diferentes percepções que Manutenção e Operação têm da Parada (ver artigo aqui no Blogtek). Usualmente é também definida uma instância superior para a autorização de novos serviços na Parada, pois eventualmente isto pode ser necessário, mas não pode ser rotineiro.

Etapas do Planejamento da Parada de Manutenção

Após o congelamento do Escopo, a Lista de Serviços é consolidada, ou seja, é analisada por um grupo de preparação e planejamento da parada, buscando identificar inconsistências. Por exemplo, o histórico da Inspeção pode recomendar a manutenção em um determinado equipamento da Unidade, porém pode haver um projeto da Engenharia no qual este equipamento não será mais utilizado, sendo substituído por outro.

A Lista de Serviços consolidada é o referencial de partida para uma série de atividades cujos prazos em relação a esta data podem variar, em função das características de cada indústria, do prazo de campanha de cada unidade.

  • Estratégia de Contratação: com o conhecimento dos principais serviços, pode-se definir a estratégia de contratação, etapa muito importante em um Projeto, conforme já vimos em artigo aqui no Blogtek.
  • Aquisição dos principais materiais: alguns materiais podem ter ressuprimento automático, sendo apenas necessário ajustar parâmetros para a possibilidade de consumo acima do esperado durante a parada. No entanto, há materiais que devem ser adquiridos especificamente para a Parada.
  • Prazos da Parada: com base no macro-planejamento, será definido o prazo da parada, a ser estabelecido nos contratos a serem elaborados. Usualmente, o Planejamento Executivo é deixado a cargo das empresas que irão realizar os serviços.
  • Estrutura Organizacional: dependendo do porte da Parada, dos recursos disponíveis, das especialidades envolvidas, será definida a Estrutura Organizacional da Parada, a qual poderá ser Matricial, solução que dispende menos recursos e permite melhor aporte técnico a cada área de trabalho, ou Hierárquica (tradicional), solução que privilegia a rapidez no processo decisório e minimiza conflitos na utilização de recursos.
Estrutura Organizacional Tradicional em uma Parada de Manutenção

Estrutura Organizacional Tradicional em uma Parada de Manutenção

Estrutura Matricial em uma Parada de Manutenção

Estrutura Matricial em uma Parada de Manutenção

  • Lay-out da Estrutura da Parada: ao contrário de empreendimentos “Green field” (construção de novas unidades), a Parada ocorre em um site onde já há um Planta operando, e possivelmente outras plantas próximas estarão operando durante a Parada de Manutenção, sendo portanto vital um adequado estudo do lay-out da estrutura da parada, otimizando a utilização dos poucos espaços livres existentes, e levando em conta a necessidade do fluxo de informações e trabalho, agilizando o processo decisório.
  • Interfaces: havendo diferentes especialidades trabalhando em ritmo intenso, e compartilhando espaços reduzidos, especial atenção deve ser dada ao gerenciamento de interfaces, definindo posicionamento e rotas para máquinas de elevação de cargas, detectando interferências entre serviços, compartilhamento de recursos, etc. Seguem-se alguns exemplos de interfaces comuns em uma Parada de Manutenção:
    • Motores e bombas
    • Bombas e tubulação
    • Isolamento e pintura
    • Tubulação e pintura
    • Tubulação e isolamento
    • Caldeiraria e refratário
    • Operação e manutenção (parada e partida)
    • Campo e oficinas

A figura a seguir ilustra o sequenciamento de algumas destas principais atividades, sem considerações de prazo. O prazo deve ser ajustado às características de cada Parada, de cada indústria:

Sequenciamento das principais atividades no Planejamento de uma Parada de Manutenção

Sequenciamento das principais atividades no Planejamento de uma Parada de Manutenção

 

Incoming search terms:

  • como planejar paradão de manutenção
  • o que significa parada na industria
  • plano de parada do alto forno
  • planilha de acompanhamento de servicos de parada de manutencao
  • planejamento parada manutencao
  • planejamento de uma refinaria de petroléo montagen
  • paradas de manutençao
  • parada programada de manutençao
  • hierarquia organizacional de manutençao
  • gestao de parada de manutencao

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

53 Comentários

    Stonner disse:

    Neander, eu não me envolvi com a Parada da REGAP 2014…mas se encontrar alguém que a tenha vivenciado, e queira fazer o relato, convidarei!

    "

Deixe o seu comentário!