Menu

Nivelamento de Recursos – Conceito

Stonner 4 Comentários 20.02.13 8715 Vizualizações Imprimir Enviar

Nivelamento de Recursos – Introdução:

Ao planejarmos a execução de uma sequência de atividades, muitas delas dependem da conclusão de atividades anteriores. Para visualizarmos de forma clara estas interdependências entre atividades, e podermos executar o Nivelamento de Recursos,  é comum ser construído um diagrama, denominado Diagrama de Rede, Diagrama de Precedências, ou ainda, Diagrama PERT.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

A construção da Rede de Precedências:

Para a sequência de atividades da tabela abaixo:

Tabela 1

 

 

 

 

 

 

 

O diagrama de rede teria o seguinte aspecto:

Diagrama de rede 1

 

Cada atividade só pode ser iniciada quando TODAS as atividades antecessoras estiverem concluídas, portanto, alocando estes prazos de início e término de cada atividade acima das caixas, acumulando os prazos anteriores, teremos:

Diagrama de rede 2

 

 

Pode-se depreender que a duração desta sequência de atividades será de 14 dias. Algumas subsequências demandam menos tempo, o que significa que estas atividades não necessariamente ocorrerão nestas datas, podendo ocorrer mais tarde. Para calcular o limite, o quão mais tarde estas atividades poderão ocorrer, faz-se o caminho inverso, subtraindo do prazo máximo (14 dias) os prazos parciais de cada atividade, obtendo-se as chamadas “datas mais tarde”:

Diagrama de rede 3

 

 

As atividades cujas datas mais cedo e datas mais tarde coincidem não tem folga, ou seja, são as chamadas atividades do Caminho Crítico:

Diagrama de rede 4

 

Cronograma associado ao histograma:

Construindo um cronograma a partir das datas mais cedo em que as atividades podem ocorrer, teremos o chamado Cronograma no Mais Cedo, conforme ilustrado abaixo. As tarefas críticas estão em vermelho, sem folga, e as demais estão em azul, seguidas de uma barra representativa da folga (ou seja, até quando cada atividade poderia ser executada). Associado a este cronograma, está um histograma dos recursos. Para facilitar o entendimento do conceito de nivelamento, os recursos associados a cada atividade estão colocados no eixo dos tempos, na forma de blocos. Devido a esta montagem didática, eventualmente ficam alguns “buracos” no histograma. A linha colorida é que efetivamente revela o total de recursos alocados em cada período. Note que para realizar esta sequência de atividades nas datas mais cedo, são necessários 7 recursos, porém observa-se que a distribuição destes recursos ao longo do tempo é muito irregular. Obter uma distribuição mais regular (otimização) destes recursos é o processo denominado Nivelamento de Recursos.

Crono+histo não nivelado

 

Nivelamento de Recursos:

A maneira mais elementar e imediata de nivelar recursos é deslocar as atividades dentro de suas respectivas folgas. Por exemplo, a atividade 3 contribui para atingir um pico de 7 recursos. Como esta atividade possui uma folga grande, ela pode ser deslocada ao longo da folga. Porém, este deslocamento implicará em também “empurrar” a atividade 6 (veja no diagrama de rede). A atividade 5 não depende da 3, porém de nada adiantará deslocarmos a atividade 3, se não deslocarmos também a 5, posto que caso contrário continuaremos a ter um pico de recursos. As atividades 10 e 11 também podem ser deslocadas, para diminuir o pico de recursos. Evidentemente, toda modificação a ser feita no histograma implica em movimentarmos as barras correspondentes das tarefas no cronograma. Assim sendo, teremos a seguinte situação (os tracinhos indicam quanto cada atividade foi deslocada):

Crono+histo 1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As atividades 10 e 11 ficaram críticas, posto que não há mais folga para estas atividades. No entanto, continuamos a ter um pico de recursos ocasionado pela tarefa 8, e simplesmente deslocá-la irá apenas diminuir o pico de 7 recursos para 6 recursos.

Nivelamento de recursos: outras possibilidades

Cabe aqui outra análise: praticamente todas as atividades industriais podem ser interrompidas. Para algumas são necessários maiores cuidados, por exemplo, a interrupção de uma atividade de concretagem ou refratamento, uma atividade de pintura, um jato de areia.

Um tratamento térmico de alívio de tensões não deve ser interrompido, sob pena de ter que reiniciar o tratamento.

Porém, percebe-se que a maioria das atividades pode ser interrompida. Por outro lado, excesso de interrupções pode causar uma improdutividade nos serviços. Cabe ao planejador avaliar o impacto que uma interrupção poderá causar no trabalho.

Admitindo que a atividade 8 possa ser interrompida, teríamos o seguinte resultado final:
Crono+histo nivelado

Além da diminuição da utilização de recursos, há uma distribuição mais equilibrada dos recursos, evitando picos e vales.

Outra possibilidade a ser utilizada no nivelamento de recursos é a mudança do perfil de uma tarefa. Por exemplo, se uma tarefa dura 4 horas e é executada por 6 pessoas, esta tarefa consome 24 Hh (homens-hora), e poderia, EM TESE, ser executada por 3 pessoas em 8 horas, por 4 pessoas em 6 horas, ou até por 1 pessoa em 24 horas.

No entanto, apesar de esta ser uma opção default ao utilizar-se diversos softwares de planejamento, tais como o MS-Project, é uma opção que não deveria ser automática, devendo sempre estar sujeita ao crivo e análise do planejador, como podemos ver no exemplo a seguir.

A montagem de um andaime para manutenção no interior ou exterior de uma grande chaminé, de um forno industrial ou de uma caldeira, poderia ser executada, digamos, por 20 montadores de andaime em 10 horas, perfazendo 200 Hh.

Porém, aqueles que conhecem as atividades de manutenção ou montagem industrial sabem que o processo para esta montagem se inicia com dois montadores montando o primeiro nível da estrutura, outros dois montadores passando para este nível, transportando o material e montando o segundo nível, em um trabalho que se costuma chamar de “formiguinha”, o que requer grande número de colaboradores postados ao longo da altura do andaime, para ir transportando de um nível para o próximo, o material necessário para a continuidade da montagem. Logo, pelas características do serviço, dois montadores não conseguiriam montar esta estrutura de andaimes em 100 horas, apesar de totalizarem 200 Hh.

 

Incoming search terms:

  • nivelamento de recursos
  • tabela de precedencia projeto
  • como fazer nivelamento no histograma d recursos
  • tabela de precedencia simples
  • sobrealocação de recurso no cronograma
  • quais são recurso reais e precedências?
  • precedencias na construcao de uma casa
  • planilha com nivelamento de recursos
  • o que é nivelamento de recursos
  • nivelamento de cronograma de obra

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

Liderança e Gestão

Planejamento de cenários – estratégia na incerteza

Comente Stonner 13.11.17
Gerenciamento de Projetos

O projeto como parte do negócio – PMBOK Guide sexta edição

Comente Stonner 06.11.17
Gerenciamento de Projetos

Lei de Parkinson – expansibilidade do trabalho

Comente Stonner 30.10.17
Gerenciamento de Projetos

Joint Confidence Level (JCL) – análise simultânea de custo e prazo

2 Comentários Stonner 23.10.17
Gestão da Manutenção

7 desperdícios da produção (Lean Manufacturing)

Comente Stonner 16.10.17

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Loading...Loading...
Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2017 Blogtek.