Menu

Metodologia para a Tomada de Decisões – parte 1 – AHP

Stonner 18 Comentários 03.03.13 6446 Vizualizações Imprimir Enviar

Muitas de nossas atividades cotidianas estão ligadas ao processo de tomada de decisão. Em muitos casos, são decisões simples, que podem ser tomadas com base no bom senso, experiência e conhecimento. Porém, diversas decisões que envolvem altas somas de dinheiro e prazos longos, devem ser decisões estruturadas, ou seja, além de serem tomadas em conjunto, requerem ferramentas para eliminar qualquer viés de parcialidade. Um destes métodos é o AHP – Analytic Hierarchy Process.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Há alguns métodos para nos auxiliar no processo de tomada de decisão. Um destes processos é a chamada Árvore de Decisão, quando temos que tomar uma decisão em um cenário de incertezas futuras, e temos que avaliar as probabilidades e impactos nas possíveis decisões. Este método será abordado em um futuro post. Para ser avisado da publicação deste post, cadastre seu e-mail no topo do blog, à direita. Seu e-mail não será utilizado para fins comerciais nem cedido a terceiros.

Um processo de tomada de decisão que permite comparar aspectos quantitativos e qualitativos de cada alternativa é o chamado AHP (Analytic Hierarchy Process), o qual iremos abordar neste artigo.

O método AHP – Introdução:

O método foi desenvolvido pelo Dr. Thomas L. Saaty, um matemático de origem iraquiana, professor da Universidade de Pittsburgh, e desenvolveu o método AHP, o qual por vezes é denominado Método Saaty, nos idos de 1980. Tem como característica fundamental a possibilidade de comparar atributos quantitativos e qualitativos de cada decisão, de forma comparativa, e estabelecer prioridades e ponderações que levam à melhor decisão, com base nos critérios pré-estabelecidos. A figura a seguir ilustra de forma resumida o método:

Figura 01 Esquema AHP

O método AHP tem sido utilizado para diferentes fins, tais como:

  • Escolha de estratégia de marketing para um produto
  • Definição de projetos
  • Estratégia de Contratação

Particularmente, no último exemplo, referente à Contratação, este método tem sido largamente utilizado nos Estados Unidos, onde o processo licitatório é completamente diferente do Brasil, particularmente em instâncias públicas. Como o menor preço não é determinante, as empresas definem os critérios, relativizam (priorizam) entre si os critérios, e fazem a análise de cada alternativa à luz dos critérios estabelecidos.

O método AHP – Exemplo Prático – Priorização dos Projetos segundo os critérios

A melhor forma de entendermos a metodologia AHP é acompanharmos um caso prático:

A empresa XPTO deseja ampliar seu parque industrial com uma nova unidade de processo, e há três possíveis projetos em análise: Projeto 1, Projeto 2 e Projeto 3.

Os aspectos a serem considerados são: Sustentabilidade, Contribuição para a Marca, Conteúdo Local e  VPL (Valor Presente Líquido).

O critério de Sustentabilidade avalia o impacto do projeto no meio-ambiente, a possibilidade de geração de empregos, os benefícios para a comunidade do entorno da planta. Trata-se de um critério qualitativo, pois estes benefícios não são medidos unicamente em valores monetários, havendo também uma valoração subjetiva.

O critério Contribuição para a Marca considera que os produtos que podem ser gerados través de cada um dos projetos não tem importância unicamente financeira. Um produto que se torne uma referência no mercado gerará benefícios para a Marca como um todo. No entanto, este também é um critério subjetivo, de caráter portanto qualitativo.

O critério Conteúdo Local é um compromisso que a empresa tem para com o país, no sentido de buscar incentivar a indústria local. Trata-se de um Valor da Empresa, porém também de avaliação subjetiva, sendo também qualitativo.

Já o critério VPL (Valor Presente Líquido) mede o retorno financeiro que cada novo projeto pode trazer para a Empresa, sendo portanto um critério claramente Quantitativo.

Para compararmos os critérios, usamos a tabela abaixo:

Figura 02 Tabela de valores

Valores intermediários podem ser usados.

Com relação ao critério de Sustentabilidade, o Comitê Decisor tem a seguinte percepção:

O Projeto 1 é 4 vezes mais importante que o Projeto 2.

O Projeto 2 é 3 vezes mais importante que o Projeto 3.

O Projeto 1 é 8 vezes mais importante que o Projeto 3.

Note que a rigor há uma inconsistência matemática: o Projeto 1 deveria ser 12 (4 x 3) vezes mais importante que o Projeto 3. Porém, como estamos lidando com variáveis qualitativas, podemos desconsiderar este fato. Evidentemente, apesar de não precisarmos seguir os valores matemáticos, há que se manter coerência. Não teria sentido afirmar, por exemplo, que o Projeto 1 é igualmente importante ao Projeto 3.

Podemos então montar uma Matriz comparando os 3 projetos em relação ao quesito Sustentabilidade, tal como se segue, colocando as relativas importância e seus recíprocos (se o Projeto 1 é 4 vezes mais importante que o Projeto 2, o Projeto 2 tem 1/4 da importância do Projeto 1):

Figura 03 Sustentabilidade I

Iremos agora obter o chamado vetor de Eigen. Para tanto, iremos acrescentar uma coluna com a média geométrica dos valores computados em cada linha (como são três valores, será a raíz cúbica do produto dos três valores). Na próxima coluna, iremos ponderar os três valores obtidos em relação ao total, ou seja, obter os percentuais de cada atributo com relação ao quesito Sustentabilidade:

Figura 04 Sustentabilidade II

 

Observação: a rigor, deveria ser feito um teste de Inconsistência, para checar a convergência de valores. Iremos, por simplificação, omitir este passo aqui. Os softwares disponíveis para realizar o método AHP realizam este teste de inconsistência.

Com relação ao critério de Contribuição para a Marca, o Comitê Decisor tem a seguinte percepção:

O Projeto 2 é 5 vezes mais importante que o Projeto 1.

O Projeto 2 é 2 vezes mais importante que o Projeto 3.

O Projeto 3 é 2 vezes mais importante que o projeto 1.

Figura 05 Contribuição I

Fazendo o mesmo procedimento para obter o vetor de Eigen (vetor da prioridade relativa), teremos:

Figura 06 Contribuição II

 

Prosseguindo, com relação ao critério de Conteúdo Local, o Comitê Decisor tem a seguinte percepção:

O Projeto 2 é 2 vezes mais importante que o Projeto 1.

O Projeto 3 é 3 vezes mais importante que o Projeto 2.

O Projeto 3 é 5 vezes mais importante que o projeto 1.

Figura 07 Conteúdo I

E portanto, teremos o seguinte vetor de prioridades:

Figura 08 Conteúdo II

 

No que concerne ao VPL (Valor Presente Líquido), os estudos realizados apontam que o:

Projeto 1 tem um VPL = US$ 45 MM

Projeto 2 tem um VPL = US$ 60 MM

Projeto 3 tem um VPL = US$ 35 MM

Neste caso, as comparações são matemáticas, pois trata-se de um critério claramente quantitativo:

Figura 09 VPL I

 

Figura 10 VPL II

 

 

A Parte 2 será publicada em breve, mostrando como conjugar as prioridades de cada projeto com relação aos critérios, com a priorização entre os critérios. Para ser informado da publicação da Parte 2, cadastre seu e-mail no topo do Blogtek, à direita. Seu e-mail não será usado por terceiros.

Incoming search terms:

  • exemplo projeto com tomada de decisão ahp
  • #################
  • métodos e metodologias na tomada de decisão do projeto
  • metodos auxiliar da tomada de decisao que conheco
  • Metodologia usada nas tomadas de decisões
  • metodo auxiliar de tomada de decisoes
  • metodo auxiliar de tomada de decisao
  • método ahp passo a passo
  • como utilizar o metodo ahp
  • metodos para tomada de decisão ahp

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru.
Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

  • Stonner, bom dia. Muito bom artigo. William Dantas

  • Parabéns Sr.Stonner, muito bem elaborado e enriquecido o seu site.
    Usarei como fonte de pesquisa/estudos se o senhor permiti.

    Sds.

    Miro Psaros

  • Muito obrigado pelo incentivo, Dantas!

  • É uma alegria saber que os artigos poderão lhe ajudar, Miro. Esta é a finalidade maior deste blog.

  • Júlio Santos

    Parabéns Stonner Ótimo artigo!
    Será de bom uso em trabalhos e pesquisas.

    Bom dia!

  • Obrigado, Júlio! Espero sempre poder contribuir!

  • Stonner.
    Que facilidade temos no entendimento. Você é um mestre! Obrigado e aguardo noticias dos seus cursos para planejadores. Abraço.

  • Marcelo, muito obrigado pelo incentivo. Espero sempre poder compartilhar minhas experiências!

  • Mario

    Parabéns … excelente artigo

  • Muito obrigado pelo feedback, Mário! es

  • Ronan

    Artigo muito interessante! É muito bom ver que há quem se preocupe em dissiminar bons conhecimentos. Parábens!!!

  • ADILSON DO CARMO

    Stonner, muito bom. Estou reiniciando minha carreira como tecnico, com
    certeza os ensinamentos desta publicação serão muito úteis no meu dia a dia futuramente. Muito obrigado.

  • Obrigado pelo feedback, Ronan! Espero poder sempre contar com suas visitas!

  • Adilson, conte comigo e com o blog. Espero poder sempre ser útil. Obrigado!

  • Pingback: blogtek.com.brO Método de Mudge - blogtek.com.br()

  • Pingback: Sucesso de um projeto: o que realmente significa? | Gerente de Projetos()

  • Pingback: Economia Comportamental: prêmio Nobel de Economia 2017 - blogtek.com.br()

  • Pingback: AHP – Como Tomar Decisões Melhores()

Publicidade

Liderança e Gestão

Teoria tricondicional do comportamento seguro

Comente Stonner 04.12.17
Liderança e Gestão

Viés do sobrevivente

Comente Stonner 27.11.17
Gerenciamento de Projetos

Síndrome do estudante – procrastinação

Comente Stonner 20.11.17
Liderança e Gestão

Planejamento de cenários – estratégia na incerteza

Comente Stonner 13.11.17
Gerenciamento de Projetos

O projeto como parte do negócio – PMBOK Guide sexta edição

Comente Stonner 06.11.17

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Loading...Loading...
Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2017 Blogtek.