Menu

LORA – Análise do nível de reparo

Stonner 8 Comentários 22.10.14 2726 Vizualizações Imprimir Enviar

LORA – Análise do nível de reparo (Level of Repair Analysis) – mais um acrônimo em Inglês. Já abordamos aqui no Blogtek, diversas vezes, o assunto MCC- Manutenção Centrada na Confiabilidade, e aspectos da Manutenção Preventiva e Preditiva. Hoje abordaremos uma ferramenta complementar, auxiliar na Engenharia de Manutenção.  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

LORA – Análise do nível de reparo – conceito

Análise do nível de reparo

Análise do nível de reparo

Muitas vezes, seja como agentes da Manutenção, ou como clientes de serviços de Manutenção, temos a impressão: “Será que vai adiantar?”, ou, “Será que desta vez vai parar de dar problemas?”.

Diversas ferramentas nos auxiliam a detectar a causa básica – “5 Por quês?”, “FMECA”, “Análise da Causa Básica”, mas, do ponto de vista técnico-econômico, o que a LORA – Análise do nível de reparo – busca é identificar a que nível podemos / devemos chegar para eliminar a causa básica, se vale a pena reparar ou substituir.

LORA – Análise do nível de reparo – é uma metodologia analítica utilizada pelo Departamento de Defesa Norte-americano para definir quando um item deve ser substituído, reparado ou descartado baseado em considerações de custo e disponibilidade operacional. LORA foca não apenas no custo momentâneo da atividade da manutenção, mas os impactos no custo total do ciclo de vida do sistema ou equipamento.

LORA – Análise do nível de reparo – procedimento

Como toda metodologia a ser CORRETAMENTE empregada, temos que ter dados. Dado sobre as falhas dos equipamentos, custo dos reparos, custos da mão-de-obra envolvida, custos dos sobressalentes, custo da perda de produção, tempo médio de reparos, tempo médio entre falhas…isto permitirá priorizar os equipamentos a serem submetidos à análise, possivelmente através de um gráfico Pareto.

É importante estimar o custo do ciclo de vida do equipamento. Você pode ver um exemplo em “Engenharia de Manutenção – avaliando o Life Cycle Cost”.

A figura a seguir ilustra uma aplicação de LORA – Análise do nível de reparo, para uma bomba de processo:

Análise do nível de reparo - fluxograma exemplo

Análise do nível de reparo – fluxograma exemplo

Na análise da causa básica, sugerimos utilizar a ferramenta FMECA, e ao identificar diferentes causas potenciais, efetuar uma análise de sensibilidade para verificar qual componente impacta mais fortemente os custos.

É importante comparar o custo do reparo com o custo de substituição AO LONGO do ciclo de vida do equipamento.

LORA – Análise do nível de reparo – conclusão

A utilização da LORA – Análise do nível de reparo – irá permitir descobrir que substituir um componente pode custar muito mais do que o simples custo da peça, devido a mão de obra envolvida, e principalmente, a perda de produção associada. Eventualmente, considerando o número de vezes que este reparo é necessário ao longo da vida útil do equipamento ou sistema, pode ser mais efetivo do ponto de vista técnico-econômico substituir o equipamento. Ou então, uma pequena modificação de projeto pode vir a permitir que este componente seja substituído em linha, sem necessidade de parar o sistema. São alternativas que surgem durante o processo de análise.

Outros artigos sobre aspectos econômicos da Manutenção serão publicados em breve no Blogtek. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Incoming search terms:

  • lora da beesta

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

  • Emilson Estevão dos Santos

    Bom dia.

    Achei uma ótima ferramenta, porém, analisando o fluxo dado como exemplo, acredito que estejam trocadas as ações a serem tomadas no ultimo ponto de decisão, pois está indicando que recomenda-se reparar o equipamento se o custo de reparo for maior que o custo de aquisição de um novo equipamento.
    No meu ponto de vista deveria se comprar um novo equipamento e não reparar no caso do custo for maior, como indicado no exemplo.

  • Você tem toda razão, Emilson, grato por ter alertado! farei a correção!!

  • Anderson Canêdo de Oliveira

    Opa!
    Sr. Stonner, muito legal a ferramenta! Mais uma vez um excelente artigo!
    Gosto muito da forma como escreve, sempre com muita clareza, objetividade, e acima de tudo simplicidade.
    Parabéns e muito obrigado!

  • Agradeço imensamente seu elogio, caro Anderson. Conto com seus comentários, sugestões e críticas!

  • Ricardo Dettogni Carrareto

    Muito útil esta ferramenta Sr.Stoner

    Muitas vezes utilizamos sem nos dar conta do fluxo correto da análise como foi apresentado.
    A interação com outras ferramentas como o FMECA, também foi um informação interessante.

  • MAURÍCIO ANTUNES ARIEDE

    Gostaria de lhe dar os parabéns pelos ótimos artigos que nos tem enviado, sempre bem escritos, de forma elegante e simples, indo direto ao ponto. Lembro ainda do curso que tive contigo e percebo que a simplicidade e objetividade de sua aula se reflete em seus textos.
    Mais uma vez parabéns e continue nos ensinando e auxiliando como tem feito nos últimos anos.

  • Olá, Maurício, bom poder reencontrar meus alunos, ainda que de forma virtual!! Sucesso!

  • Olá, Ricardo, breve estarei publicando alguns artigos sobre o FMECA, também uma ferramenta importantíssima e muito útil.

Publicidade

Gerenciamento de Projetos

Contratos EPC e EPCM – diferenças, vantagens e desvantagens

Comente Stonner 18.09.17
Liderança e Gestão

Diagrama Matricial – uma das sete ferramentas de gerenciamento

Comente Stonner 11.09.17
Gestão da Manutenção

O elo frágil da Gestão de Ativos

Comente Stonner 04.09.17
Gerenciamento de Projetos

Avalie a Comunicação em sua empresa ou organização

Comente Stonner 28.08.17
Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento das Partes Interessadas

Comente Stonner 21.08.17

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Loading...Loading...
Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2017 Blogtek.