Menu

KPI – Key Performance Indicators (Indicadores-chave de desempenho)

Stonner 1 Comentário 28.08.13 3940 Vizualizações Imprimir Enviar

Recentemente postamos aqui um artigo sobre o Balanced Scorecard. Em cada perspectiva (Financeira, do Cliente, dos Processos Internos, do Aprendizado e Crescimento) devem ser colocados Objetivos Estratégicos, e, para mensurar o atingimento destes objetivos,devem ser criados Indicadores, os KPI – Key Performance Indicators, ou em Português, Indicadores-chave de Desempenho. Contudo, é necessária cautela e boa técnica para definir adequadamente os Key Performance Indicators.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

“Não se pode administrar o que não se pode medir”, diz Morris A. Cohen

Key Performance Indicators – Leading e Lagging Indicators

KPI1O conceito do equilíbrio, inerente ao Balanced Scorecard, torna necessário a utilização tanto de Leading como Lag Indicators. Vejamos o que significa cada um destes termos:

Lagging Indicators – Indicadores de resultados:

Basicamente, são voltados para o passado, registrando o que ocorreu. Para dar um exemplo bem acessível, as notas obtidas por um estudante medem o seu desempenho no passado, sendo portanto um Lagging Indicator. Outro exemplo são os Indicadores de SMS (Segurança, Meio Ambiente e Saúde), tal como o TFCA (Taxa de Frequência de Acidentes com Afastamento).

Leading Indicators – Indicadores de tendência:

São indicadores voltados para o futuro, com o objetivo de melhorar as próximas aferições dos indicadores de resultados. Voltando aos exemplos anteriores, se as notas de um estudante não foram boas, um Indicador de Tendência seria estabelecer um número de horas semanais para estudar determinado assunto. Isto resultará no futuro em melhores notas (melhores Indicadores de Resultados). Na questão de SMS, a quantidade de horas de treinamento em Segurança, a quantidade de Auditorias Comportamentais realizadas irá se refletir em um melhor resultado no futuro.

Key Performance Indicators – SMART:

KPI2Os Key Performance Indicators, para serem efetivos, devem ter certas características, que são lembradas através de um acrônimo em Inglês, denominado SMART, palavra que significa inteligente, esperto:

 

Specific (Específico)

Measurable (Mensurável)

Achievable (Realizável)

Relevant (Relevante)

Time bound (Com datas)

Isto significa que um indicador adequado deve estar claramente associado a um Objetivo Estratégico, deve ser mensurável numericamente, deve ser factível de ser obtido, relevante e com compromissos de prazo.

Key Performance Indicators – Exemplos:

Melhorar vendas – apesar de ser Específico, ligados a um objetivo (vendas), ele não é mensurável, portanto teria melhor redação:

Melhorar vendas em 400% – agora é mensurável, mas será realizável?

Melhorar as vendas do produto X em 20% – é específico, mensurável, provavelmente realizável, mas será que o produto X é relevante para o negócio? E, não menciona prazos. Esta melhora é para ser atingida ao longo de dez anos?

Aumentar faturamento em 30% com relação ao mesmo período do ano passado – agora, sim, é um indicador SMART!

Outros exemplos:

Trazer novos clientes. 

Versão SMART: Prospectar 100 novos clientes no próximo ano, fechando contrato com pelo menos 20% destes clientes.

Breve veremos mais artigos sobre o assunto. Para ser informado dos novos artigos, cadastre seu e-mail no topo da página, à direita. SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

 

Incoming search terms:

  • indicador LAG
  • indicadores de auditoria comportamental
  • indicadores smart kpi
  • lagging indicadores
  • o oque é um indicador smart
  • o que e um indicador leading e lagging
  • TREINAMENTO KEY RISK INDICATORS

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

Publicidade

Gerenciamento de Projetos

Contratos EPC e EPCM – diferenças, vantagens e desvantagens

Comente Stonner 18.09.17
Liderança e Gestão

Diagrama Matricial – uma das sete ferramentas de gerenciamento

Comente Stonner 11.09.17
Gestão da Manutenção

O elo frágil da Gestão de Ativos

Comente Stonner 04.09.17
Gerenciamento de Projetos

Avalie a Comunicação em sua empresa ou organização

Comente Stonner 28.08.17
Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento das Partes Interessadas

Comente Stonner 21.08.17

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Loading...Loading...
Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2017 Blogtek.