Menu

HAZOP – hazard and operability studies

Stonner 14 Comentários 05.11.14 5263 Vizualizações Imprimir Enviar

HAZOP: hazard and operability studies (estudos de perigos e operabilidade) – temos dedicado muitos artigos aqui no Blogtek à Análise de Riscos (Análise Preliminar de Perigos, 5 porquês, Checklists, Ferramentas de Gestão de Risco). Hoje vamos abordar esta ferramenta, muito completa e útil, particularmente para as indústrias de processo. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

HAZOP – Conceito

Uma das principais vantagens do HAZOP é sua abrangência, devido ao fato de ser um procedimento estruturado e sistemático, o que o leva a ser a escolha mais utilizada na análise de riscos em indústrias de processo.

Algumas das ferramentas de análise de risco partem de um problema identificado e procuram chegar às causas (por exemplo, os “5 porquês”). Outras ferramentas buscam evitar que medidas preventivas, corretivas ou mitigadoras dos riscos ou consequências deixem de ser aplicadas (por exemplo, “Checklists”).

Algumas ferramentas buscam identificar os cenários de riscos possíveis (tais como “What if” e “Análise Preliminar de Perigos”). Ainda que muito úteis, estas ferramentas dependem fundamentalmente da experiência anterior dos envolvidos, da criatividade e do alcance do desenvolvimento de cenários.

É importante entender o que significam as palavras “estruturado e sistemático”, utilizadas na conceituação do HAZOP, no primeiro parágrafo desta seção. Para desenvolver o HAZOP, é imprescindível dispor dos Fluxogramas de Engenharia – P&ID (Piping & Instrumentation Diagrams – Diagramas de Tubulação e Instrumentação).

A unidade a ser analisada é dividida em sistemas e subsistemas, e para cada um destes sistemas, são marcados pontos para análise do processo, denominados nós (study-nodes)– tipicamente, os pontos escolhidos são entradas e saídas de equipamentos, e pontos de interseção de tubulações.

Em cada nó, são avaliadas as possíveis variações dos parâmetros de processo (temperatura, vazão, pressão, nível, etc.), com o auxílio de palavras-guia (alto, baixo, nenhum, reverso, etc.) para levantar possíveis questões:

– O que ocorreria se a pressão fosse muito alta?

– O que ocorreria se houvesse fluxo reverso?

– O que ocorreria se a vazão fosse nula?

HAZOP – equipe requerida

Evidentemente, para poder definir as consequências, causas e medidas de prevenção, correção, contenção ou mitigação, é necessária uma equipe de especialistas, dentre os quais se sugere:

– Líder da equipe (facilitador, com conhecimento da técnica HAZOP)

– Gerente do Projeto ou da Planta (pessoa com poder decisório – eventualmente, se tiver conhecimento da técnica, pode ser o líder da equipe)

– Engenheiro de processo (conhecedor do processo)

– Engenheiro de automação e controle (conhecedor dos sistemas e da instrumentação)

– Engenheiro de manutenção

– outros especialistas podem ser agregados, conforme a especificidade da unidade sendo analisada.

HAZOP – Parâmetro de Processo e Palavras-Guia (exemplos)

 

HAZOP - palavras guia

HAZOP – palavras guia

 

HAZOP - palavras guia, parâmetros e desvios

HAZOP – palavras guia, parâmetros e desvios

HAZOP – Resultados

A saída do processo HAZOP é uma tabela similar a que se obtém na Análise Preliminar de Perigos, posto que a diferença está em COMO identificar os possíveis riscos.

Então, para cada nó, identificado na planilha (por exemplo, entrada do reator R-2307, saída da bomba B-378, etc.), teremos:

– Identificação dos desvios de processo

– Possíveis causas básicas dos desvios

– Possíveis impactos dos desvios

– Formas de detecção dos desvios

– Proposição de medidas corretivas, preventivas ou mitigadoras

A seguir, vemos um exemplo hipotético, em que o Parâmetro Temperatura é analisado em um nó do sistema:

HAZOP - exemplo de análise de um nó

HAZOP – exemplo de análise de um nó

Continuaremos publicando artigos sobre Análise de Risco. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Incoming search terms:

  • Hazop Conceito
  • hazop exemplo
  • tabela pronta hazop parâmetro vazão
  • exemplo aimplificado Hazop
  • hazop parâmetro vazão
  • hazop pronta
  • jose napoleao garcia
  • modelo de hazop

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

  • Marcos Rocha

    Caro Rodolfo, fico feliz em ver este tema para discussão, como especialista na área de tubulação onde complementamos a interface entre instalação, operação e processo pude participar de alguns eventos de hazop e percebi o quanto contribuiu para meu acervo e o real entendimento dos mais refinados detalhes do projeto sempre recomendei a participação de profissionais em formação mesmo que seja apenas como ouvintes, estarei atento a esta discussão, parabéns pela iniciativa

  • Muito bom o reconhecimento de quem conhece o assunto! Obrigado, Marcos!

  • Excelente artigo!

    Nota-se que o autor possui fluidez de linguagem decorrente de experiencia em campo e não só em leitura de manuais, inclusive incorporando no exemplo desvios, parametros poucos citados pela literatura como a reação descontrolada.

    Parabéns, Rodolfo!

  • Obrigado, Daniel. De fato, antes de entrar na área gerencial, trabalhei no campo e no operacional durante muito tempo, e acho que este deveria ser o caminho natural. Percebo e muitos gestores a falta de uma experiência prévia.

  • Ricardo

    Boa exposição do tema Sr.Rodolfo, informação direta e simplificada.
    Gostaria de obter mais informações sobre HAZOP.

  • Olá, Ricardo, pretendo publicar mais artigos sobre o tema!

  • José Napoleão Garcia

    Tenho o acompanhado em seus trabalhos sem participar.
    Como o conheço da área operacional, vejo que tem aproveitado muito a visão desta.
    Parabéns.

  • Obrigado, Napoleão!!!! Conto com seus comentários e sugestões!!!

  • Luiz Vieira

    Muito boa a materia.
    Gostaria de obter mais informações sobre treinamentos da ferramenta.

  • Caro Luiz, como o nosso treinamento é “in company”, o que conheço de cursos fora são os que te repasso aqui, mas sem ser propriamente uma recomendação, porque não os conheço a fundo: http://www.dnvba.com/br/Treinamento/Gestao-de-Riscos/Pages/formacao_de_lideres_de_hazop_hazards_and_operability_studies.aspx, e, http://www.absconsulting.com.br/treinamento/curso.cfm?curso=310
    Sucesso!

  • Stonner, boa tarde.

    se me permite divulgar….

    acabei de lançar um curso online de líder Hazop que pode ser acessado aqui https://www.udemy.com/formacao-de-lider-hazop/#/

    Posso fazer condições especiais para os leitores do Blogtek

    forte abraço,

    Daniel

  • Olá, Daniel, está divulgado…eu também estou pensando em lançar alguns cursos pela plataforma Udemy, que é muito boa…falta é tempo!!!!

  • Stonner,

    se desejar, posso te ajudar a formatação dos cursos, inclusive na venda..

    Forte abraço,
    Daniel

  • Obrigado, Daniel…por enquanto, o principal elemento que me falta é disponibilidade de tempo!!!!

Publicidade

Liderança e Gestão

Planejamento de cenários – estratégia na incerteza

Comente Stonner 13.11.17
Gerenciamento de Projetos

O projeto como parte do negócio – PMBOK Guide sexta edição

Comente Stonner 06.11.17
Gerenciamento de Projetos

Lei de Parkinson – expansibilidade do trabalho

Comente Stonner 30.10.17
Gerenciamento de Projetos

Joint Confidence Level (JCL) – análise simultânea de custo e prazo

2 Comentários Stonner 23.10.17
Gestão da Manutenção

7 desperdícios da produção (Lean Manufacturing)

Comente Stonner 16.10.17

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Loading...Loading...
Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2017 Blogtek.