Menu

Ferramentas de Análise de Riscos

Stonner 14 Comentários 09.06.14 5012 Vizualizações Imprimir Enviar

Ferramentas de Análise de Riscos: já publicamos aqui diversos artigos abordando diferentes técnicas de Análise de Riscos, não apenas riscos de SMS (Segurança, Meio Ambiente e Saúde), mas também riscos genéricos, no sentido de resultados indesejados ao longo de algum processo. Hoje iremos listar e dar as características gerais destas técnicas, as quais abordaremos em detalhes em próximos artigos. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Ferramentas de Análise de Riscos: What-if (E se…?)

Construction Workers by 9comebackA ferramenta What-if é uma técnica qualitativa, normalmente utilizada na fase inicial da análise de riscos, para buscar identificar falhas potenciais, através de questionamentos especulativos (no bom sentido…), a partir de perguntas do tipo “E se falhar a lubrificação? ”, “E se a válvula estiver bloqueada? ”. Com estas perguntas, busca-se, através de um grupo multidisciplinar, obter as respostas indesejadas para estas perguntas, e, a partir dos cenários identificados, avançar na análise de riscos, buscando identificar causas, consequências, probabilidades e impactos, e possíveis medidas mitigadoras, preventivas ou corretivas.

Ferramentas de Análise de Riscos: Análise Preliminar de Perigos

Uma vez identificados os perigos existentes em uma instalação ou processo, busca-se associar estes perigos às possíveis consequências e probabilidades, através da Análise Preliminar de Perigos, priorizando os riscos a serem tratados, e estabelecendo medidas corretivas. O resultado fica resumido em uma tabela de fácil uso e visualização. É também uma técnica qualitativa.

Ferramentas de Análise de Riscos: Matriz de Risco

É uma ferramenta, basicamente qualitativa, que serve de apoio a diversas técnicas de análise de risco, notadamente a Análise Preliminar de Perigos. É uma maneira de conjugar as Consequências de um risco com a sua Probabilidade, permitindo categorizar os riscos. A Matriz de Riscos tem uma excelente visualização.

Ferramentas de Análise de Riscos: Checklists ou Listas de Verificação

Esta é uma técnica qualitativa, utilizada para identificar fontes de riscos e fatores agravantes em processos e instalações, através de listas de perguntas a serem respondidas como Sim, Não, ou Não Aplicável. Normalmente não é eficaz para identificar NOVOS riscos, sendo mais utilizada para verificar se as medidas corretivas, preventivas ou mitigadoras para riscos JÁ identificados foram adequadamente utilizadas.

Ferramentas de Análise de Riscos: os 5 porquês

Os “5 por quês” constituem uma técnica qualitativa aplicada para buscar a causa básica, ou causa raiz, de um determinado problema, fazendo sucessivos questionamentos, começando com “Por quê? ”.

Ferramentas de Análise de Riscos: diagrama de Ishikawa

O diagrama de Ishikawa, ou diagrama de causa-efeito, ou ainda, diagrama espinha-de-peixe, é utilizado para buscar, dentro de algumas categorias (material, meio ambiente, máquina, mão de obra, método, medidas), a causa básica de determinado problema. É também uma ferramenta qualitativa.

Ferramentas de Análise de Riscos: Análise do Tipo e efeito de Falha (FMEA)

Construction Site by FeelartA Análise do Tipo de Falha e Efeito (FMEA: Failure Mode and Effect Analisys), e a Análise do Tipo de Falha, Efeito e Criticalidade (FMECA: Failure Mode, Effect and Criticality Analisys) são técnicas similares (na FMECA a variável Criticalidade é introduzida), em que uma análise qualitativa dos tipos de falha, seus potenciais efeitos, e sua criticalidade é conduzida, podendo evoluir para uma técnica quantitativa, ou seja, com resultados mensuráveis numericamente.

Ferramentas de Análise de Riscos: HAZOP (Hazard and Operability Study)

É um dos métodos mais conhecidos na Análise de Riscos na Indústria Química. Busca-se, através de uma equipe multidisciplinar, identificar fatores de risco e problemas operacionais, ao percorrer o fluxograma de processo e para cada parâmetro de processo (pressão, temperatura, vazão), questionar com: Mais?, Menos?, Nenhum?, buscando identificar e quantificar os efeitos. É portanto uma técnica quantitativa.

Ferramentas de Análise de Riscos: Análise de Árvore de Causas

É um método dedutivo, que visa determinar a probabilidade de certos eventos finais, a partir da construção de uma árvore de falhas anteriores, as quais poderiam culminar no evento final. Através da atribuição de probabilidade de falhas para os eventos anteriores, com o uso da Álgebra Booleana, chega-se à probabilidade do evento final. É uma técnica quantitativa.

Ferramentas de Análise de Riscos: Análise de Árvore de Eventos

É um método similar ao anterior, porém indutivo. Ao invés de construir a árvore para trás, buscando causas, constrói-se a árvore para a frente, para identificar os possíveis desdobramentos de falhas iniciais nas fases mais avançadas do processo. É também uma técnica quantitativa.

Breve publicaremos artigos sobre cada uma das ferramentas mencionadas. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

 

 

 

Incoming search terms:

  • quais os efeitos dos desdobramentos e falhamentos
  • quais os efeitos dos desobramentos e falhamentos
  • como dertenimar a ferramenta tecnica que se podem utilizar determinar a probalidade de um evento ocorrer
  • diagrama de analise de risco
  • diagrama de verificação de risco
  • feramentas qual os riscos
  • O que e diagrama de verificacao de riscos?

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

  • Geraldo Pereira dos Santos

    Excelente tema.

    Grato.
    Geraldo Pereira dos Santos

  • Obrigado, Geraldo. Breve haverá continuidade do assunto.

  • Patricia Esquivel Prandi

    Assunto de grande relevância. Aguardo ansiosamente a continuação.
    Agradecida.

  • Obrigado, Patrícia, me interesso muito pelo assunto, e estou preparando uma carteira de artigos a publicar breve!

  • Evandro

    Publicação muito interessante.

  • Obrigado, Evandro, seja bem vindo!

  • GILSON PEREIRA _

    Importantes assuntos. Minha sugestão é de elaborar apresentações em .ppt ou apostilas sobre cada método e disponibilizar para os interessados. Ajuda na multiplicação do conhecimento.
    Um grande abraço.

  • Obrigado, Gilson. Eu estou pretendendo lançar materiais tipo cursos pela Internet, mas estou ainda estudando a melhor forma.

  • Pingback: blogtek.com.brChecklists (Listas de Verificação) - blogtek.com.br()

  • Pingback: blogtek.com.brGestão de Riscos: questões fundamentais - blogtek.com.br()

  • Vanderlei José Tosta de Oliveira

    Artigos de grande importância para serem aplicados atualidade onde cada vez mais buscasse o zero acidentes(SMS) e tambem na otimização dos processos com eliminação dos indesejados atrasos na produção.Muito bom o artigo e cada vez que leio um artigo mais me interesso pelo blog.Obrigado!
    AT,
    Vanderlei.

  • Muito obrigado, Vanderlei!

  • Gilmar

    Muito bom.

  • Obrigado, Gilmar, bem vindo ao Blogtek!

Publicidade

Gerenciamento de Projetos

Contratos EPC e EPCM – diferenças, vantagens e desvantagens

Comente Stonner 18.09.17
Liderança e Gestão

Diagrama Matricial – uma das sete ferramentas de gerenciamento

Comente Stonner 11.09.17
Gestão da Manutenção

O elo frágil da Gestão de Ativos

Comente Stonner 04.09.17
Gerenciamento de Projetos

Avalie a Comunicação em sua empresa ou organização

Comente Stonner 28.08.17
Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento das Partes Interessadas

Comente Stonner 21.08.17

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Loading...Loading...
Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2017 Blogtek.