Menu

DICE Framework – metodologia de avaliação de projetos

Stonner 2 Comentários 08.01.18 788 Vizualizações Imprimir Enviar

DICE Framework: decidi manter o título deste artigo apenas em Inglês, pois a tradução provavelmente mais adequada seria Estrutura de Dados, porém levaria a muita confusão. DICE significa dados de jogar, aquele cubinho com números de 1 a 6 em cada face, porém muitos entenderiam como dados, no sentido de input para Informação (leia mais sobre a diferença entre Dados e Informação aqui). A propósito, estes dados (sem ser os de jogar) são descritos em Inglês como Data. Mas, vamos ao que interessa: o que é DICE Framework? DICE neste caso não significa dados, porém é um acrônimo para Duração-Integridade-Comprometimento-Esforço. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

DICE Framework – introdução

DICE Framework

DICE Framework

A metodologia DICE Framework foi desenvolvida pelo Boston Consulting Group, por volta dos anos 92-94, após uma pesquisa com cerca de 255 empresas, inicialmente como uma ferramenta para avaliar a probabilidade de sucesso do gerenciamento de mudanças, o que depois evoluiu para a avaliação do sucesso no Gerenciamento de Projetos.

Posteriormente, os resultados da avaliação de projetos através da DICE Framework foram validados por mais de 1.000 empresas e/ou projetos.

A avaliação de projetos é preocupação recorrente para os Gerentes de Projeto, já aqui retratada em: Sucesso de um Projeto, e Metodologia dos Portões: indicadores.

A equipe que desenvolveu a DICE Framework se deu conta de que a avaliação da propensão ao sucesso (ou ao fracasso) dos projetos era feita com base no que eles chamaram de “soft factors”: comunicação, motivação, liderança visionária, satisfação dos empregados, etc.

As pesquisas então realizadas indicaram a esta equipe que os resultados do projeto dependem mais dos chamados “hard factors”, tais como a Duração estimada do projeto (ou a duração entre duas revisões críticas do projeto), a competência da equipe trabalhando no projeto (à qual deram o nome de Integridade do projeto), o Comprometimento da Alta Administração e dos empregados pelo sucesso do projeto, o nível de Esforço requerido para a execução do projeto.

DICE Framework – Hard factors

Duração (Duration): obviamente, quanto mais curto o período de monitoramento e controle, melhor controle e possibilidade de sucesso. O que não significa necessariamente que projetos longos estejam fadados ao insucesso (apesar de que isto ocorre frequentemente: veja no vídeo “10 razões para o fracasso de megaprojetos”). Então, quando falamos de duração, pode ser a duração do projeto, ou o intervalo entre duas avaliações críticas do projeto.

Integridade (Integrity): este foi o nome dado à competência da equipe do projeto, à sua habilidade em concluir bem (prazo, custo, escopo) o projeto. A competência ou Integridade da equipe é formada por habilidades tais como: tomar decisões, resolver problemas e conflitos, organizar processos e documentação, ter inteligência emocional e facilidade de comunicação.

Comprometimento (Commitment): avalia o grau de comprometimento da Alta Administração (C1) e dos empregados (C2) com o sucesso do projeto.

Esforço (Effort): mede o esforço adicional, em relação à carga usual de trabalho, requerida à equipe para a execução do projeto.

DICE Framework – Fórmula e Pontuação

Baseado na pontuação dada a cada um dos hard factors, temos a fórmula:
DICE Project Score = D + 2xI + 2xC1 + C2 + E,

Onde cada hard fator é pontuado de 1 a 4, onde 1 é o melhor resultado, e 4 o pior, segundo os critérios:

Duração: quanto menor é a duração do projeto, ou o intervalo entre avaliações críticas (revisões do projeto), melhor a avaliação, ou seja, menor o valor atribuído. O que é avaliado é o tempo em que o projeto vai decorrendo, sem uma avaliação crítica do status do projeto. Alguns autores sugerem:

< 2 meses: 1

Entre 2 e 4 meses: 2

De 4 a 8 meses: 3

>8 meses: 4

Integridade: quanto melhor a competência da equipe, menor será o score dado.

Excelente: todos na equipe tem experiência em projetos, especialmente projetos similares, e todas as áreas de conhecimento estão cobertas por experts no tema; 1

Boa: todos na equipe tem experiência em projetos, e a maioria as áreas de conhecimento estão cobertas por experts no tema; 2

Média: a maioria da equipe tem experiência em projetos, e algumas áreas de conhecimento estão cobertas por experts; 3

Ruim: alguns da equipe tem experiência em projetos, e poucas áreas de conhecimento estão cobertas por experts; 4

Comprometimento (Alta Administração):

Comunicam claramente as metas, influenciam a equipe pelo sucesso: 1

Aparentam estar bastante envolvidos com o sucesso: 2

São neutros com relação ao projeto: 3

São relutantes com relação ao projeto: 4

Comprometimento (Empregados):

A equipe tem garra e determinação: 1

A equipe demonstra vontade de acertar: 2

A equipe é relutante com relação ao projeto: 3

A equipe é refratária com relação ao projeto: 4

Esforço:

O envolvimento no projeto requer um esforço adicional ao trabalho usual da equipe < 10%: 1

O envolvimento no projeto requer um esforço adicional ao trabalho usual da equipe de 10% a 20%: 2

O envolvimento no projeto requer um esforço adicional ao trabalho usual da equipe de 20% a 40%: 3

O envolvimento no projeto requer um esforço adicional ao trabalho usual da equipe > 10%: 4

Observe que quanto menor o escore (a pontuação mínima é 7), melhor o resultado. Usualmente, os projetos são assim classificados (em Inglês, são 3 “W’s”):

Win Zone (Zona da Vitória): de 7 a 14 pontos. Projetos com boa chance de sucesso.

Worry Zone (Zona da Preocupação): de 14 a 17. Projetos arriscados, os quais demandam ações imediatas de mitigação de riscos.

Woe Zone (Zona da Lama): acima de 17. Projetos com alta probabilidade de insucesso, que demandam ações decisivas para tentar reverter o quadro.

DICE Framework – Vantagens e Desvantagens

Dentre as vantagens da aplicação do DICE Framework estão:

  • Comparação de um projeto com projetos similares, ou projetos passados
  • Avaliação dos projetos de um portfólio, permitindo elencar quais projetos devem receber maior atenção
  • Gerenciamento de mudanças na estrutura do projeto
  • Os hard factors podem ser avaliados, discutidos e corrigidos
  • Simplicidade na avaliação
  • Consistência dos dados

Porém, entre as desvantagens podemos citar:

  • Subjetividade da avaliação de cada hard fator (principal deficiência do DICE Framework)
  • Restritividade: o método não contempla os soft factors, os quais, ainda que menos importantes, têm sua importância para o sucesso do projeto

Estaremos sempre abordando em detalhes aspectos de Liderança e Gestão, Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção nos próximos artigos do Blogtek. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru.
Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

Gestão da Manutenção

Kaizen – mudança para melhor

Comente Stonner 15.01.18
Gerenciamento de Projetos

DICE Framework – metodologia de avaliação de projetos

2 Comentários Stonner 08.01.18
Liderança e Gestão

Liderança Nível 5 (Jim Collins)

Comente Stonner 18.12.17
Gestão da Manutenção

5S – muito mais do que limpinho e arrumadinho

3 Comentários Stonner 11.12.17
Liderança e Gestão

Teoria tricondicional do comportamento seguro

Comente Stonner 04.12.17

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2018 Blogtek.