Menu


Diagrama de Ishikawa, diagrama de causa e efeito, ou espinha de peixe

Stonner Comente 02.05.17 678 Vizualizações Imprimir Enviar

Diagrama de Ishikawa, também conhecido como diagrama Causa-Efeito, ou Espinha-de-peixe, é uma das 7 Ferramentas da Qualidade, bastante difundida e utilizada no meio corporativo, na busca da identificação da Causa Básica. Como já vimos anteriormente aqui no Blogtek, Causa Básica é aquela que, uma vez removida, elimina o problema. As chamadas causas imediatas são apenas sintomas do problema. Há outras ferramentas já abordadas aqui no Blogtek: FMEA, 5 porquês, Análise de Causa Básica, Análise da Árvore de Falhas, e outras. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Diagrama de Ishikawa – conceito e evolução

O diagrama de Ishikawa, desenvolvido pelo engenheiro químico Kaoru Ishikawa em 1943, foi incorporado à escola japonesa de desenvolvimento do conceito da qualidade, e seu uso foi consagrado em todo mundo corporativo e industrial. Basicamente, busca a identificação da causa básica de um problema, através da decomposição em suas possíveis causas, através da análise de todos os fatores que possam ter originado o problema.

Neste processo de desenvolvimento, a estrutura criada se assemelha a uma espinha de peixe, o que levou a este nome alternativo.

Diagrama de Ishikawa – desenvolvimento

Para iniciar a construção do diagrama de Ishikawa, constrói-se uma seta orientada para a direita, em cuja extremidade se escreve o problema a ser abordado. Ao longo desta seta, serão descritas as possíveis causas, portanto todas apontado para o problema.

Diagrama de Ishikawa

Diagrama de Ishikawa – início da construção

Como temos visto frequentemente ao longo de artigos aqui no Blogtek, raramente uma ferramenta é empregada isoladamente. Na busca das possíveis causas, é usual formar uma equipe e fazer um brainstorm.

Para auxiliar neste brainstorm, as possíveis causas são agrupadas em 6M:

  • Método
  • Medida
  • Mão de Obra
  • Material
  • Máquina
  • Meio Ambiente (não necessariamente no sentido usual, mas no sentido de ambiente no qual está inserido o problema)

Alguns autores atualmente acrescentam um sétimo M, que não teria uma tradução em Português com M, que seria o Gerenciamento (Management).

Diagrama de Ishikawa

Diagrama de Ishikawa – desdobramento nos 6 M’s

Desta maneira, fica mais fácil percorrer estes grupos e detectar em cada um deles causas e sub-causas.

Diagrama de Ishikawa - estabelecendo as causas

Diagrama de Ishikawa – estabelecendo as causas

O diagrama facilita elencar as causas, e a partir daí faz-se a análise para identificar a(s) causa(s) básica(s), ou seja, aquelas, as quais uma vez eliminadas, evitariam a recorrência do problema.

A grande vantagem do Diagrama de Ishikawa é a sua simplicidade, a facilidade construtiva, a rápida identificação de causas para o problema analisado. Kaoru Ishikawa tinha o entendimento de que 95% dos problemas poderiam ser solucionados através do uso deste diagrama, o que se evidenciou com a prática, e levou à consagração da ferramenta como uma das 7 Ferramentas da Qualidade.

Estamos sempre publicando artigos sobre Liderança e Gestão, Gestão da Manutenção e Gerenciamento de Projetos, bem como vídeos em nosso canal do Youtube, acesse aqui.  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

Gerenciamento de Projetos

Mapa Cultural – Erin Meyer

Comente Stonner 24.07.17
Liderança e Gestão

Dicas e pegadinhas para selecionar KPI

Comente Stonner 17.07.17
Liderança e Gestão

3P – Pessoas, Processos, Produto

Comente Stonner 10.07.17
Gestão da Manutenção

10 melhores práticas da Gestão da Manutenção

Comente Stonner 03.07.17
Gerenciamento de Projetos

Os 5 maiores projetos com orçamentos estourados

2 Comentários Stonner 26.06.17

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Loading...Loading...
Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2017 Blogtek.