Menu

Backlog – um importante indicador na Manutenção

Stonner 1 Comentário 19.06.17 754 Vizualizações Imprimir Enviar

Backlog – este é um dos principais indicadores da manutenção, e por isso é necessário conhecê-lo e interpretá-lo corretamente, para uma adequada gestão dos recursos da Manutenção. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui abaixo, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Backlog – Conceito

Backlog, de forma simplificada, é a carga futura de trabalhos da manutenção. Ou seja, a carga atual de trabalhos, expressa através dos Homens-Hora acumulados nas Ordens de Serviço existentes (unidade: Hh), dividida pela quantidade de Homens-hora disponíveis (unidade: Hh/dia). Isto irá nos dar (usualmente em dias), o tempo que levaria para zerar a nossa carga de trabalhos, hoje, caso não surgissem novas Ordens de Serviço.

Um cuidado que se deve ter é utilizar as mesmas unidades no numerador e denominador. Como, não está tudo em Hh? Atenção: usualmente o planejador, ao estimar a duração e o Hh consumido em cada tarefa, usa o conceito de horas efetivas, ou seja, quando uma tarefa consome por exemplo 12 Hh, seriam 2 trabalhadores durante 6 horas (ou três durante quatro horas). Mas, estas horas são horas efetivas: mão na ferramenta. A sua jornada de trabalho tem 8 horas efetivas? Certamente não.

Principalmente no caso da manutenção: há o tempo de trocar de roupa, dirigir à área em que irá atender a Ordem de Serviço, a eventual espera por uma Permissão de Trabalho, o deslocamento para e do almoço, as idas ao banheiro, beber água, pegar uma ferramenta ou um material… Se você estimar todos estes tempos, verá que menos de 50% do tempo disponível é tempo efetivo! E não apenas aqui no Brasil, são números mundiais.

Backlog – características e interpretação

À medida que o tempo transcorre, são executadas algumas ordens de serviço, e outras surgem, portanto há uma curva do backlog ao longo do tempo. Vamos avaliar o comportamento da curva de backlog (material adaptado de material de propriedade intelectual do Prof. Eng. Lourival Tavares):

Estável: configuração ideal, significa que sua equipe está adequadamente dimensionada para a carga de trabalho da manutenção em sua empresa.

Backlog: gráfico estável

Backlog: gráfico estável

Decrescente: configuração indesejada, ainda que à primeira vista pareça boa. Isto significa que sua equipe está superdimensionada, portanto você está dispendendo recursos (e dinheiro) em demasia. Lembre-se que backlog igual a zero não existe, e não é desejável.

Backlog: gráfico decrescente

Backlog: gráfico decrescente

Crescente: configuração indesejada, pois evidencia que sua equipe não está adequadamente dimensionada, a carga de trabalho está sempre aumentando, em breve você não terá recursos para atender sequer as prioridades.

Backlog: gráfico crescente

Backlog: gráfico crescente

Degrau ascendente: configuração justificável, pois pode ter havido algum evento (um acidente, uma grande falha) que elevou a demanda de serviços. É desejável que paulatinamente se volte ao patamar anterior.

Backlog: Degrau ascendente

Backlog: Degrau ascendente

Degrau descendente: configuração justificável, pois evidencia que o patamar anterior, o qual como vimos no gráfico anterior pode ter sido causado por alguma circunstância anômala, regrediu às bases normais.

Backlog: Degrau descendente

Backlog: Degrau descendente

Dente de serra: esta configuração pode ser justificável em indústrias que tenham forte característica de sazonalidade, por exemplo, ligadas à agricultura.

Backlog: Dente de serra

Backlog: Dente de serra

Estamos sempre publicando artigos sobre Liderança e Gestão, Gestão da Manutenção e Gerenciamento de Projetos, bem como vídeos em nosso canal do Youtube, acesse aqui.  Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui abaixo, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

Gerenciamento de Projetos

Contratos EPC e EPCM – diferenças, vantagens e desvantagens

Comente Stonner 18.09.17
Liderança e Gestão

Diagrama Matricial – uma das sete ferramentas de gerenciamento

Comente Stonner 11.09.17
Gestão da Manutenção

O elo frágil da Gestão de Ativos

Comente Stonner 04.09.17
Gerenciamento de Projetos

Avalie a Comunicação em sua empresa ou organização

Comente Stonner 28.08.17
Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento das Partes Interessadas

Comente Stonner 21.08.17

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Loading...Loading...
Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2017 Blogtek.