Menu

As quatro dimensões do Trabalho Relacional

Stonner Comente 22.01.18 572 Vizualizações Imprimir Enviar

As quatro dimensões do Trabalho Relacional: no processo de gestão, de empresas, negócios, projetos, equipes, é fundamental conhecer as pessoas. Suas qualidades, seus pontos de atenção, seus aspectos comportamentais. Já publicamos aqui no Blogtek diversos artigos sobre o tema: Foco em seus pontos fortes, Nove estilos de liderança, Conciliar talentos e habilidades, Metodologia DISC, Teoria da Dominância Cerebral… entre outros.  Hoje iremos falar sobre Trabalho Relacional, conceito desenvolvido por Timothy Butler. Se você quiser ser notificado dos próximos artigos, cadastre seu e-mail aqui ao lado, em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

As quatro dimensões do Trabalho Relacional – conceito

Timothy Butler é um consultor de liderança, na Harvard Business School. James Waldroop também trabalhou na Harvard Business School por dezenove anos. Ambos fundaram a empresa CareerLeader, empresa que desenvolve ferramentas de gerenciamento e assessora a formação de líderes empresariais.

Butler a Waldroop, a partir de entrevistas e testes psicológicos com mais de 7.000 profissionais de negócios, identificaram quatro dimensões distintas do Trabalho Relacional. Este conceito busca avaliar não apenas a capacidade técnica e profissional de cada elemento da equipe, mas a interação existente entre estes elementos. As quatro dimensões identificadas são: Influência, Facilitação Interpessoal, Criatividade Relacional e Liderança de Equipes.

Iremos a seguir analisar estas quatro dimensões, e ver como o equilíbrio destas dimensões em uma equipe a torna uma equipe vencedora.

As quatro dimensões do Trabalho Relacional – Influência

Trabalho Relacional

Trabalho Relacional – Influência

As pessoas que se destacam nesta dimensão apreciam desenvolver e ampliar sua esfera de influência, utilizando da persuasão, negociação e a obtenção de informações e deias de valor. A grande vantagem que estes elementos apresentam em uma equipe é a sua grande capacidade de convencimento, de mudar o ponto de vista alheio.

Obviamente a área de vendas é um excelente nicho para aproveitar este perfil de colaborador. Porém, outras atividades podem se beneficiar desta dimensão: o gerente que necessita de apoio dos stakeholders de seu projeto, quando se necessita levantar o moral da equipe, muitas outras facetas do nosso cotidiano podem se beneficiar de pessoas com estas características.

As quatro dimensões do Trabalho Relacional – Facilitação Interpessoal

Trabalho Relacional

Trabalho Relacional – Facilitação Interpessoal

As pessoas com esta característica possuem forte intuição (muitas são mulheres), e costumam trabalhar de forma desapercebida. Conseguem avaliar de que maneira melhor agrupar as pessoas, porque algumas pessoas têm tido baixo desempenho, ou porque estão sendo demasiadamente críticas.

São pessoas ideais para serem consultadas pelo líder após uma reunião, para que se possa ter uma real percepção de eventuais tópicos subjacentes e não declarados na reunião. São também pessoas extremamente valiosas para atuarem como participantes de negociações e gestão de conflitos, nem tanto pela participação direta, mas pelo feedback analítico que podem proporcionar ao líder.

As quatro dimensões do Trabalho Relacional – Criatividade Relacional

Trabalho Relacional

Trabalho Relacional – Criatividade Relacional

O forte das pessoas com este perfil é criar conexões através de links visuais e verbais. Em um primeiro momento poderiam ser confundidas com pessoas do quadrante Influência, porém enquanto estes últimos desenvolvem melhor sua influência em contatos pontuais (one-to-one), as pessoas com Criatividade Relacional atuam mais e melhor à distância, e através de contatos impessoais (ideias, apresentações, preparação de palestras, sugestão de temas).

Quando o gerente precisa desenvolver uma ideia, propor algum tema para uma campanha (motivacional, de vendas, de desenvolvimento), estas pessoas são as ideais. Observem que a Criatividade Relacional não está necessariamente vinculada à criatividade em geral. Um artista pode ter baixa Criatividade Relacional.

As quatro dimensões do Trabalho Relacional – Liderança de Equipes

Trabalho Relacional

Trabalho Relacional- Liderança de Equipes

A satisfação das pessoas que tem o perfil de Liderança de Equipes advém da interação com outras pessoas. Este aspecto também pode, em um primeiro momento, ser confundido com a dimensão Influência. Quem tem o perfil de Liderança de Equipe aprecia obter resultados com o grupo, através do grupo, ser visto (de preferência, para um bom líder, ser visto COM a equipe). Aqueles que tem o perfil de Influência gostam que os resultados sejam obtidos através de processos desencadeados por eles, que sejam os ghost writers destes resultados. Buscando uma comparação, seria como diretores (Influência – não aparecem) e atores (Líderes – claramente visíveis).

As quatro dimensões do Trabalho Relacional – conclusão

Trabalho Relacional

As quatro dimensões do Trabalho Relacional

Obviamente, o ideal é termos em nossas equipes um balanço equilibrado entre estes perfis. Mas, como identifica-los? Para um gestor experiente, isto não deve ser muito difícil. Porém, há ferramentas para auxiliá-lo: os perfis de Myers Briggs, os papéis de Belbin. Acesse para saber mais!

Estamos sempre publicando artigos sobre Liderança e Gestão, Gerenciamento de Projetos, Gestão da Manutenção. Para manter-se informado sobre os próximos artigos, cadastre seu e-mail em Assine o Blogtek! SEU E-MAIL NÃO SERÁ USADO POR TERCEIROS.

 

 

 

 

 

Incoming search terms:

  • B W G伊達眼鏡

Clique aqui e cadastre-se para receber uma notificação por email sempre que um novo artigo for postado

Seu email não será utilizado por terceiros nem para envio de spam.

Stonner

Rodolfo Stonner, Engenheiro Mecânico pela UFRJ, atuou como Engenheiro de Equipamentos Sênior da Petrobras, e foi Gerente de Construção e Montagem das Obras Extramuros da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco. Atualmente aposentado, é consultor e instrutor nas áreas de Gerenciamento de Projetos e Gestão da Manutenção, e está atuando com a Deloitte na implantação do PMO para a Refinaria de Talara, Peru. Gosta de lecionar, trocar experiências e conhecimentos, é certificado como PMP (Project Management Professional) e RMP (Risk Management Professional) pelo PMI, e CRE (Certified Reliability Engineer) pela ASQ.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

Gerenciamento de Projetos

Ativos de processos organizacionais

Comente Stonner 05.02.18
Liderança e Gestão

Métricas e Indicadores – conheça as diferenças

Comente Stonner 29.01.18
Liderança e Gestão

As quatro dimensões do Trabalho Relacional

Comente Stonner 22.01.18
Gestão da Manutenção

Kaizen – mudança para melhor

Comente Stonner 15.01.18
Gerenciamento de Projetos

DICE Framework – metodologia de avaliação de projetos

2 Comentários Stonner 08.01.18

Gerenciamento de Projetos

MS-Project – Dicas e Pegadinhas (Tips & Tricks)

83 Comentários Stonner 28.04.13
Liderança e Gestão

Seis regras testadas para vencer discussões (Les Giblin)

61 Comentários Stonner 01.12.14
Gestão da Manutenção

O Planejamento de uma Parada de Manutenção – Parte 1

61 Comentários Stonner 05.05.13
Atualidades

O que o biquíni esconde e o custo das novas refinarias…

56 Comentários Stonner 17.04.13
Gerenciamento de Projetos

Metodologia FEL – Método dos Portões

44 Comentários Stonner 17.02.13

Bem-vindo ao novo

Blogtek

Seja notificado sempre que um novo conteúdo estiver disponível.

Não se preocupe, não temos prática de enviar spam.
© 2013 - 2018 Blogtek.